dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/10/2020            
 
 
    

O maior desafio para a agricultura do século XXI está  no equilíbrio de uma equação que envolve o aumento da produtividade de alimentos com o mínimo impacto ambiental. Nesse contexto, a manutenção/melhoria da saúde do solo merece atenção especial, pois trata-se do elo mais importante entre as práticas agrícolas e a sustentabilidade. Ou seja, não é possível pensar em agricultura sustentável se as práticas agrícolas adotadas na propriedade rural não favorecerem a saúde do solo.

Apesar de sua importância como base de todos os nossos sistemas de produção de alimentos, o conceito de  saúde ou de qualidade do solo na agricultura é bastante recente (surgiu na década de 1990) e envolve não só a questão da produtividade biológica (grãos, carne e leite) mas também todos os serviços ambientais que o solo presta ao planeta Terra e que resultam na melhoria da  qualidade da água e do ar e na promoção da saúde dos seres vivos, incluídos aí plantas e animais.

E por que a preocupação com a saúde do solo? Num cenário em que a população mundial e conseqüentemente a demanda por alimentos é crescente, vários estudos têm demonstrado que em torno de 40% dos solos do mundo estão degradados. Para exemplificar, apenas no Brasil, estudos realizados em 2000, apontam que a taxa de perdas dos nossos solos por erosão é da ordem de 2,5 bilhões de toneladas por ano. Tudo isso é extremamente preocupante se levarmos em consideração que a natureza leva em torno de 400 anos para formar uma camada de um centímetro de solo!!! Como sabemos por meio dos livros de história, várias civilizações importantes tiveram seu declínio intimamente associado à falência de seus sistemas agrícolas, principalmente devido ao esgotamento da saúde do seus solos. Diante disso, devemos refletir sobre uma importante pergunta: o que pretendemos deixar para as nossas gerações futuras, jardins ou desertos? 

Por todas essas razões, o interesse mundial pelo tema qualidade/saúde do solo é crescente e evidencia a preocupação da sociedade com esse recurso natural. Entretanto, a quantificação da qualidade de um solo não é uma tarefa fácil devido a multiplicidade de fatores químicos, físicos e biológicos que resultam no seu “funcionamento” e suas variações, em função do tempo e espaço. Dessa forma, a identificação de  parâmetros-chave, que possam servir como indicadores do funcionamento do solo é fundamental, uma vez que nenhum indicador individualmente irá descrever e quantificar todos os aspectos da qualidade do solo. Os microrganismos juntamente com a fauna (micro, meso e macro) e as  raízes das plantas, constituem a fração viva da matéria orgânica do solo e podem ser utilizados como indicadores biológicos ou bioindicadores uma vez que estão intimamente relacionados ao funcionamento do solo, apresentando uma estreita inter-relação com os componentes físicos e químicos. Os indicadores microbiológicos possuem maior sensibilidade que os indicadores químicos (ex: pH, teores de macro e micronutrientes) e físicos (ex: densidade, macro e microporosidade, distribuição e estabilidade de agregados), podendo detectar mudanças sutis nas propriedades dos solos  que ocorrem já nos primeiros anos da introdução de diferente sistemas de manejo agrícola. Exatamente por possibilitarem a identificação rápida e precisa de alterações no solo, o conhecimento e uso dos bioindicadores, pelos agricultores, pode ser muito vantajoso, tanto no sentido de incentivar aqueles que já estão adotando sistemas de manejo conservacionistas, bem como no sentido de alertar agricultores que estejam adotando sistemas de manejo que possam levar à degradação do solo.

Em alguns países do mundo avaliações da saúde do solo já fazem parte da realidade do agricultor. Na Holanda, um País situado abaixo do nível do mar e  que conquistou solos para a agricultura mediante a construção de diques  (polders), a preocupação com a qualidade do solo é tão grande que  existe uma rede de monitoramento da qualidade do solo que funciona desde 1993 e que monitora 200 pontos distribuídos nas fazendas do país (um ponto que merece destaque é que o tamanho da Holanda é equivalente ao do estado do Rio de Janeiro). Na Nova Zelândia, o agricultor dispõe de um serviço na internet (http://sindi.landcare.cri.nz) onde com apenas sete parâmetros de química, física e biologia do solo ele pode avaliar se a saúde do seu solo está num nível baixo, adequado ou excelente.  Da mesma forma, o agricultor americano também já dispõe de kits para  avaliar a saúde do solo (www.solvita.co.uk/products/soil-life-test-kit.htm).

No Brasil, mais especificamente no Cerrado, nossa maior região produtora de grãos e carnes, os estudos de qualidade de solo e do uso de bioindicadores  nesse tipo de avaliação são recentes. Até 1998, sabia-se muito pouco sobre o impacto dos diferentes tipos de sistemas agrícolas no funcionamento dos solos de cerrado. Doze anos após o início desses estudos muitas informações foram geradas e é com muita satisfação que iremos abordar, nessa coluna do Portal Dia de Campo, vários temas relacionados à saúde/qualidade dos nossos solos agrícolas e os últimos avanços da pesquisa agronômica brasileira nessa área. Sendo assim não percam. Nosso próximo assunto será: Microrganismos do solo a e a sustentabilidade dos agroecossistemas.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
janaina
11/04/2016 - 16:17
Não cheguei ao assunto que eu quero
a saúde do solo

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Saúde do Solo e Sustentabilidade - Artigos já Publicados

Microrganismos do solo e a sustentabilidade dos agroecossistemas
25/11/2013

Microrganismos e seu uso como bioindicadores em sistemas de Plantio Direto e convencional - Parte I
29/10/2013

Microbiologia e qualidade do solo em sistemas de cultivo orgânico
02/07/2013

Reinoculação e adubação nitrogenada na soja: dois temas recorrentes
09/04/2012

Fixação biológica de nitrogênio na soja: bom para a qualidade do solo, para o bolso do agricultor e para o Brasil
08/11/2010

A diversidade microbiana e a qualidade dos solos agrícolas
05/10/2010

É possível quantificar a qualidade do solo?
25/08/2010

Microrganismos do solo e sustentabilidade agrícola
08/07/2010

Microrganismos e seu uso como bioindicadores em sistemas de Plantio Direto e convencional - Parte II
09/04/2010

O uso dos microorganismos como bioindicadores para avaliar qualidade dos solos agrícolas
10/02/2010

Conteúdos Relacionados à: Agricultura Sustentável
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada