dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     26/02/2017            
 
 
    
Cana-de-açúcar    
Pesquisa em compasso com realidade do canavial
IAC cria caminhão que imita rotina vivida por produtores de cana e fornece dados para criação de cultivares mais adaptadas à mecanização
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo e Kamila Pitombeira
26/05/2011

Para avaliar o impacto da mecanização na lavoura da cana-de-açúcar, o Instituto Agronômico de Campinas, em parceria com a Santal, desenvolveu um caminhão automatizado apresentado no Agrishow 2011, que aconteceu em Ribeirão Preto (SP), entre os dias 2 e 6 de maio. Com esse caminhão, o Instituto é capaz de realizar pesquisas com base no que acontece de fato nas grandes lavouras e assim desenvolver variedades de cana mais adaptadas à mecanização. Segundo Marcos Landel, diretor do centro de cana do IAC, nos últimos anos, a cultura da cana-de-açúcar tem se tornado cada vez mais mecanizada, desde o plantio até a colheita.

— Isso fez com que uma rede experimental existisse não só no Instituto Agronômico, mas em universidades e outras instituições. Experimentamos a condição que hoje vai predominar nos canaviais, que é a colheita mecânica crua, sem utilização do fogo, e a colheita mecânica — afirma o diretor.

Ele explica que, há algum tempo atrás, a colheita era feita manualmente e sem a utilização de fogo, pois esse era um artifício para reduzir o volume de palha e, com isso, permitir a colheita manual de maneira mais fácil. Mas a partir do crescimento da colheita mecânica, ele diz que não há necessidade de utilizar o fogo.
 
— Isso criou um novo ambiente para a cultura da cana, com uma presença de palha muito grande na colheita. Tudo isso deve ser estudado. Na verdade, quando desenvolvemos as variedades, elas precisam passar por esse processo para que, quando os produtores forem cultivar em áreas comerciais, as informações geradas nos experimentos e nos ensaios, possam equivaler àquilo que realmente acontece em áreas comerciais — diz.

Por isso, Landel conta que, nos últimos anos, a colheita dos ensaios passou a ser feita também de maneira mecânica e sem o uso do fogo. Mas, para ele, o grande problema é a falta de estrutura para colher as parcelas, similar ao que acontece hoje na grande lavoura com a colheita mecânica.

— O que fizemos foi nos associarmos a uma empresa, a Santal, que já tinha um esquema de transbordo. Tentamos então imaginar uma caçamba que fosse em cima desse transbordo e que permitisse medir a cana que é jogada lá dentro. Então, a cana que é colhida dessas parcelas experimentais tem seu peso registrado através de sensores dentro da cabine do caminhão, que conta com mostrador digital e capacidade de memória. Com isso, a colheita mecânica pode ser viabilizada — conclui.

Landel esclarece ainda que o caminhão é um instrumento para colher as mesmas parcelas que antes eram colhidas manualmente e queimadas. Hoje, com esse caminhão, é possível colher mecanicamente a cana crua, como é feito na grande lavoura. Na verdade, esse caminhão sustenta toda a rede experimental existente hoje no Brasil.

Para mais informações, basta entrar em contato com o IAC através do número (19) 2137-0600.

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Jornal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
jose Guilherme Perticarrari
26/05/2011 - 17:07
S¾ gostaria de contestar a veracidade da informaþÒo deste artigo, com todo o respeito e Útica profissional.
Esta tecnologia de pesagem automßtica a que o artigo se refere, foi desenvolvida pelo CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA, de Piracicaba SP, para possibilitar a pesagem instantÔnea das parcelas dos ensaios colhidos com colhedoras de cana picada.
O projeto, totalmente inÚdito no Brasil, foi desenvolvido no ano de 1996, portanto quinze anos atrßs, e contou com a participaþÒo de uma empresa dos EUA, que forneceu as primeiras cÚlulas de carga para pesagem. Naquele mesmo ano de 1996 foi construÝdo no CTC, e montado em um caminhÒo, o primeiro prot¾tipo do equipamento.
Depois disto o projeto foi aprimorado e hoje esta tecnologia continua sendo usada e jß estß dominada pelo CTC hß pelo menos 10 anos.
A frota atual do CTC Ú de 06 unidades, para atender Ós demandas dos ensaios em todo o Brasil.
Estas unidades foram / sÒo fabricadas por encomenda por empresas nacionais parceiras do CTC.

JosÚ Guilherme

Juliana Royo
26/05/2011 - 17:37
Prezado Sr. JosÚ Guilherme,

Creio que houve um mal-entendido no comentßrio postado pelo senhor.

Em nenhum momento da matÚria foi citado que o IAC patenteou a tecnologia ou que o caminhÒo era o ·nico do Brasil. Inclusive o Sr. Marcos Landell (diretor do centro de cana do IAC) comenta que o caminhÒo beneficiarß uma rede de estudos que extrapola o IAC, podendo contribuir para pesquisas de outras instituiþ§es parceiras.
A reportagem foi feita com o IAC porque o Instituto estava apresentando a tecnologia durante a Agrishow.
NÒo conheþo a fundo a tecnologia desenvolvida pelo CTC, mas creio que nÒo se trata de uma imitaþÒo e sim desenvolvimento de tecnologias similares.

Portanto, acho que o senhor se equivocou ao contestar a veracidade da informaþÒo.
Conto com a compreensÒo do senhor.

Atenciosamente,
Juliana Royo
Editora
Portal Dia de Campo

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Canavicultura
Palavras-chave

 
06/03/2017
Expodireto Cotrijal 2017
Não-me-Toque - RS
06/04/2017
IV Encontro Nacional da Soja
Londrina - PR
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada