dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     10/12/2019            
 
 
    

A técnica de reversão sexual usada na produção de alevinos de tilápias exige planejamento, instalações apropriadas e mão-de-obra treinada. Este fato limita muito a adoção desta prática por alguns produtores menos tecnificados, mas por outro lado, contribui para a inserção de profissionais qualificados no mercado da tilapicultura, uma atividade em franca ascensão no Brasil. Dentre os muitos detalhes envolvidos neste processo, destaca-se a importância do monitoramento de alguns fatores, tais como a temperatura da água durante o transporte dos alevinos até seu destino final.

Devido a grande importância do transporte de alevinos na piscicultura, protocolos para redução do estresse têm sido desenvolvidos, dentre os quais se destacam as pesquisas envolvendo o controle da temperatura da água. Durante o transporte, a temperatura da água deve estar dentro dos limites tolerados pela espécie a ser transportada. Para a maioria dos peixes tropicais, temperaturas da água entre 22 e 26°C são recomendadas. Temperaturas acima de 26°C aumentam excessivamente o metabolismo e a atividade dos peixes resultando em maior consumo de oxigênio e excreção de metabólitos tóxicos (amônia e gás carbônico) e resíduos fecais na água. Desta forma, quanto maior a temperatura da água, menor deverá ser a carga de peixes a ser transportada nos tanques, caixas ou embalagens de transporte. 

Geralmente o transporte de alevinos é realizado em sacos de polietileno, não somente pelo seu baixo custo como também pela sua praticidade. Mas é preciso atentar para alguns fatores, tais como espessura do plástico e sua dimensão, pois caso não seja apropriado o mesmo poderá ser perfurado devido à pressão exercida durante o seu fechamento. Para não correr nenhum risco, o ideal é que o plástico tenha até 1 mm de espessura.

A temperatura da água também influencia na determinação do tempo de jejum aplicado aos alevinos antes de serem transportados, pois dependendo da temperatura verificada logo após o agendamento da viagem, os peixes deverão ser submetidos a um tempo de jejum devidamente ajustado. Em temperaturas consideradas favoráveis à tilápia, recomenda-se um jejum mais prolongado em peixes adultos (de 48 a 72 horas) e mais curtos para alevinos (de 24 a 48 horas) e pós-larvas (de 12 a 24 horas).  

A adoção de jejum antes do transporte faz com que os peixes limpem o trato digestório, reduzindo o consumo de oxigênio; excretem menos amônia e gás carbônico na água; tolerem melhor o manuseio e apresentam maior sobrevivência após o transporte. Com o trato digestivo vazio, os peixes também não sujam a água com suas fezes, reduzindo assim a carga bacteriana na água e o risco de infecções durante o transporte. 

Já com relação ao uso de anestésicos para os peixes durante o transporte, sabe-se que quanto maior a temperatura da água mais rápida será seu efeito. Além disso, quanto maior a temperatura da água, menor deverá ser a dose necessária para sedar os peixes e menos duradoura será o efeito da sedação. Porém, alguns pesquisadores afirmam que o uso dos anestésicos pode causar a inserção dos mesmos na musculatura dos peixes, por isso não é muito recomendada a utilização destes produtos em peixes destinados ao abate e processamento (resfriamento, congelamento, evisceração e/ou filetagem).

Uma medida muito utilizada como regulador de temperatura da água durante o transporte de alevinos é a adição de gelo na água, principalmente quando o transporte acontece nos períodos mais quentes do dia. Inclusive a utilização do gelo na água também permite transportar uma quantidade maior de peixes. O recomendado é colocar de forma gradativa o gelo nos tanques ou nas embalagens de transporte e seguir com um acompanhamento da temperatura da água durante o trajeto, até o destino final.

Os materiais utilizados na confecção dos tanques ou caixas de transporte também são considerados extremamente importantes, pois exercem uma grande influência na temperatura da água durante o transporte dos alevinos. Recomenda-se que a parte interna das paredes dos tanques seja revestida com materiais isolantes térmicos, como isopor ou madeira. É aconselhável, em períodos quentes, que o tanque seja coberto por uma camada isolante de no mínimo de 5 cm com estes materiais mencionados e que as paredes externas sejam de coloração clara, para minimizar o aquecimento da água dentro dos mesmos. 

Durante a colocação de água e enchimento dos tanques de transporte, a temperatura deverá estar entre 1  ou 2 °C abaixo da temperatura da água de onde os peixes serão retirados. Além disso, devem-se verificar as condições de temperatura da água no local da entrega antes de descarregar os peixes, caso haja diferenças, os tanques ou caixas de transporte deverão ser cuidadosamente preenchidos com a água do destino até que a temperatura fique semelhante. Pós-larvas e alevinos podem não tolerar choques térmicos maiores que 1 °C de diferença de temperatura da água. 

Bombas de água portáteis ou fixas no caminhão de transporte podem ser de grande utilidade para o ajuste da temperatura e dos demais parâmetros químicos da água (oxigênio dissolvido, ph e salinidade), visto que muitos pesqueiros e piscigranjas não possuem bomba de água próxima ao local de descarga.

A adição de sal na água de transporte permite igualar o gradiente osmótico entre a água e o plasma do peixe, fazendo com que haja uma redução na difusão de íons para água, permitindo que o peixe mantenha suas funções vitais em harmonia, não comprometendo a sua saúde. O sal também estimula a secreção de muco sobre o epitélio branquial, dificultando a passagem de íons através das membranas celulares. Além de reduzir o estresse, o sal também tem efeito profilático, sendo indicada para o tratamento de fungos, infestação de parasitas, infecção branquial de origem bacteriana, entre outras. 

Não se pode esquecer que alevinos bem produzidos e bem nutridos toleram mais as situações de estresse térmico e hipoxia (baixa concentração de oxigênio), pois em alguns momentos nas operações de transporte há eventualidades que podem comprometer toda a carga de alevinos transportados e somente o bom condicionamento do peixe é o que irá determinar sua sobrevivência.

No Brasil, considera-se o transporte de peixes vivos uma fonte de renda. Além disso, percebe-se que os produtores têm investido de forma considerável na compra de equipamentos e adaptação de seus caminhões para realização deste transporte de maneira mais tecnificada. No entanto, apesar deste investimento, muitos não seguem à risca os mínimos cuidados necessários durante esta operação, isso certamente devido a falta de pesquisa direcionada a esta importante etapa e sem duvida nenhuma também pela falta de acesso do produtor a informações técnicas especificas na área.

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
José Delfino
04/08/2011 - 09:35
Muito b¶a sua reportagem, temos carÛncia de pesquisas cientificas na psicultura, parabÚns pela iniciativa.

Marília
04/08/2011 - 17:33
ParabÚns pelo artigo, Perila.
Mais um belo exemplo da importÔncia do bem-estar animal em todas as espÚcies estudadas.

Josenilde Henrique
04/08/2011 - 19:29
Atividade como a piscicultura, que esta em franca ascensÒo, necessita de esclarecimentos tÚcnicos; muito eficaz sua iniciativa, espero ver mais artigos com esse cunho. Felicitaþ§es!!!

Délia
05/08/2011 - 20:08
Amiga, parabÚns...
O artigo estß ¾timo.

Meirelane Chagas
05/08/2011 - 21:30
ParabÚns pelo artigo! Muito importante para os piscicultores estarem informados a respeito da influÛncia dos fatores ambientais para obterem bons resultados na atividade.

henriqueta neta
05/08/2011 - 23:21
parabÚns perila ...
todos nos sabiamos que iria longe, vc Ú muito dedicada...
sei que ainda vai longe...

Italo Pinheiro
06/08/2011 - 14:18
Muito bom o artigo, o setor de piscicultura necessita de incentivo a pesquisa e profissionais que se detiquem a esse trabalho.
Parabens pelo artigo.

Sérgio Almeida
06/08/2011 - 17:15
Excelente artigo Perila, esclarece de forma bem clara os parÔmetros a serem utilizados durante o transporte de peixes, evitando assim, surpresas desagradßveis ao produtor.ParabÚns pela iniciativa.

Damares Guimaraes
06/08/2011 - 20:23
Excelente artigo Perila. Estudos nesse sentido sÒo muito importantes, pois os parÔmetros observados no transporte de peixes se nÒo forem levados a sÚrio podem mesmo trazer surpresas desagradßveis sem falar que nesse artigo ainda tem dicas muito boas. ParabÚns pela iniciativa.

Engª de Pesca, Carine Belarmino
06/08/2011 - 21:58
Gostei muito do artigo, Perila. Acredito que trabalhos como o seu s¾ tem a acrescentar no desenvolvimento da nossa piscicultura, trazendo beneficio ao nosso paÝs, principalmente a comunidades carentes de informaþÒo.ParabÚns pelo artigo!

André de Pauli
07/08/2011 - 12:45
passei por uma situaþÒo no Chile quando ia acompanhar um transporte de esturjÒo de Parral cidade 3 horas ao norte de Santiago atÚ Punta arenas extremo sul mais de 16 horas de transporte com infestaþÒo 2 cruzes de Trichodina e sugeri adicionar sal na ßgua de tranporte o que foi feito chegando lß outro raspado e quase zerou a infestaþÒo, o tranporte tambem serve como oportunidade de alguns tratamentos... valeu

Neydja Ribeiro
08/08/2011 - 16:40
Muito bom o artigo, estß muito esclarecedor, o cuidado com o manejo Ú muito importante para a boa prßtica da piscicultura. ParabÚns aos autores.

mascarenhas
09/08/2011 - 12:21
muito bom este artigo e produza mais

Cássia Rosane -Engª de Pesca - delegada Comitê de Bacias do Rio Salgado
09/08/2011 - 20:56
Perila, o artigo aqui apresentado superou a expectativa pois trata de forma clara a importÔncia no transporte de alevinos em que muitas das vezes medidas simples fazem com que evite a perda dos mesmos jß que lidando com o pequeno produtor Ú uma perda enorme em comparaþÒo ao valor do frete juntamente com o pr¾prio custo do alevino.
Espero que possa publicar mais e mais artigos interessantes e tenho a certeza que poderß desenvolver trabalhos cientÝficos que possam ajudar outros profissionais da Órea. Desejo Sucesso e agradeþo a presenþa no V Seminßrio de Pesca e Aquicultura Sustentßvel da Bacia do Rio Salgado

JOÃO CALIXTO
09/08/2011 - 22:09
Excelente artigo Perila, muito bom mesmo,
melhor seria se eu tivesse essas informaþ§es,quando escrevi minha monografia sobre o tema:Transporte de peixes vivos, teria me ajudado bastante, ParabÚns.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
15 comentários

Construções Rurais e Ambiência - Artigos já Publicados

Importância da ambiência na mecanização agrícola
26/04/2016

Operações pré-abate na piscicultura
20/08/2013

A qualidade do ar nas instalações zootécnicas
02/08/2013

O que é Ambiência Agrícola?
22/07/2013

A importância das variáveis fisiológicas no monitoramento do bem-estar animal
02/05/2013

Termografia como ferramenta de monitoramento do bem-estar animal
21/02/2013

Ambiência e bem-estar no pré-abate de suínos
19/07/2012

Sistemas agrossilvipastoris e o bem-estar de ovinos
30/05/2012

Ambiência e bem-estar animal na equideocultura
17/04/2012

A Avicultura e a Ambiência na Região Nordeste do Brasil
05/03/2012

A importância do bem-estar no pré-abate de ovinos e caprinos
04/01/2012

A importância do comportamento animal na ambiência
01/06/2011

O impacto das variáveis ambientais
11/02/2011

Ambiência e instalações zootécnicas
22/12/2010

Conteúdos Relacionados à: Manejo
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada