dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     21/11/2017            
 
 
    

O processo de degradação da natureza teve início há doze mil anos com a invenção da agricultura, que, segundo alguns autores, teria sido o maior feito do homem na sua história.  Nesse período dois aspectos pesaram decisivamente no aumento da poluição ambiental: o crescimento populacional e o avanço tecnológico. Até o ano de 1240 d.C. o aumento da população no planeta foi relativamente lento, havendo acréscimos mais acentuados até 1780. Quando teve início a Revolução Industrial o crescimento passou a ser cada vez mais rápido culminando com uma população superior a sete bilhões de habitantes, ainda em expansão.

Antes da invenção da agricultura os seres humanos eram nômades, deslocando-se em busca de comida. Quando os alimentos tornavam-se escassos, o homem mudava-se. Assim, a poluição era inexistente ou, pelo menos, pouco expressiva. Com o início da agricultura, 10.000 a.C., o homem passou a cultivar as plantas e domesticar os animais, fixando-se em alguns locais. No começo, isso ocorria próximo a fontes naturais de água, o que deu início à poluição pela concentração de resíduos de alimentos e de dejetos animais e humanos. De modo espontâneo, em função das suas necessidades básicas de alimentação, vestuário e habitação e da concentração de pessoas em vilas e cidades, a poluição foi se agravando.

Em 1960, a população mundial era de três bilhões. Em apenas 39 anos, dobrou, passando para seis bilhões. Analisando o crescimento ao longo do tempo observa-se que os intervalos em que a população dobrou ficaram cada vez mais curtos: um milênio, entre 40 d.C. e 1240; quinhentos anos, de 1240 a 1740; cento e cinquenta anos, de 1740 a 1890; setenta anos, entre 1890 e 1960; e apenas trinta e nove anos, de 1960 a 1999.

Aliado ao aumento populacional houve um incremento nas necessidades humanas geradas pelo desenvolvimento cerebral, provocando as revoluções: industrial, que se estendeu de 1780 a 1830; tecnológica, de 1830 a 1945; e digital, que teve início em 1970 e continua em nossos dias. Essas revoluções no modo de produção e consumo trouxeram consigo aumentos expressivos na poluição e consequente alteração no ambiente natural.

Nas últimas décadas ganhou importância a questão das mudanças climáticas, que, segundo o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), devem-se à influência humana. Essa responsabilidade do homem em relação à degradação ambiental tem induzido não apenas cientistas, mas toda a população a buscar formas de remediar e solucionar o problema, que tem se agravado.

O IPCC foi criado em 1988 pela Organização Meteorológica Mundial para fornecer informações científicas, técnicas e socioeconômicas relevantes para o entendimento das mudanças climáticas, seus impactos potenciais e opções de adaptação e mitigação.

As mudanças climáticas se devem a várias causas. Parte dos cientistas afirma serem naturais, enquanto a outra acredita que o homem tem participação ativa nessas causas, em função da poluição ambiental e da emissão dos gases de efeito estufa.  Pertenço ao segundo grupo e, por conseguinte, defendo que o ser humano deve dar a sua contribuição para reverter esse processo.

A produção de alimentos é praticamente toda feita em condições ambientais não controladas, embora haja avanços no sentido de proteger os cultivos com telados e casas de vegetação. No início da agricultura o homem utilizava ferramentas rudimentares e as próprias mãos para cultivar o solo, ceifar os cereais e colher as frutas e hortaliças. A criação de animais era feita em áreas abertas, sem cercas.

Com o tempo, o homem passou a utilizar a tração animal, cultivando áreas maiores e transportando o alimento por grandes distâncias. Com a Revolução Industrial surgiu a máquina a vapor e, a seguir, os primeiros tratores e ceifadeiras, que possibilitaram o cultivo de grandes áreas, com menor emprego de mão-de-obra, que restringia a força necessária à grande produção.

Em 1970, o engenheiro-agrônomo Norman Borlaug – que ganhara o Prêmio Nobel da Paz por pesquisas que permitiram mais eficiência no plantio de trigo em países como México, Índia e Paquistão – foi o mentor da chamada “Revolução Verde”. Essa revolução provocou uma mudança drástica na forma de produzir alimentos, aumentando a produtividade, mas, ao mesmo tempo, ocasionando o aumento da poluição ambiental pelo uso intensivo dos pesticidas agrícolas. A agricultura que em um primeiro momento ganhou com a mecanização dispunha agora de novas cultivares mais produtivas e de produtos químicos para controlar pragas, doenças e ervas daninhas.

As plantas normalmente são saudáveis e expressam o potencial produtivo em seus centros de origem. Uma vez fora deles, e modificadas geneticamente, precisam, em geral, de proteção química para resistir às doenças e pragas.  Nesse caso, alterado o ambiente (clima, adubação, densidade, monocultivo extensivo e outros fatores) e a genética, precisam de suporte bioquímico para fazer frente às situações adversas.

Uma questão que afligiu a humanidade por muito tempo deveu-se ao enunciado do inglês Thomas Malthus, que em 1798 previu que a população cresceria a uma velocidade superior a dos recursos naturais, ou seja, não seríamos capazes de alimentar tanta gente. Porém, com as pesquisas do Nobel Borlaug isso deixou de nos preocupar.

A preocupação atual é “como conciliar a produção de alimentos e insumos de forma sustentável”. Os grandes centros mundiais de pesquisas agrícolas – criados com o apoio da Fundação Rockfeller, Ford e outras a partir da década de 1950, para levar adiante as ideias produtivistas – precisam ser repensados no sentido de aliar de forma mais consistente a produção de alimentos com a preservação ambiental. A Inglaterra, por exemplo, tem hoje o Ministério da Agricultura e do Meio Ambiente em um único órgão, visando dirimir conflitos com maior agilidade e conciliar a produção agrícola com a preservação ambiental.

Agora, no nosso entender, é o momento oportuno de instalar ao redor do mundo alguns grandes centros de pesquisa, a exemplo dos agrícolas, para buscar soluções ambientais. Esses centros deveriam ser apoiados pelos governos e pelas empresas petrolíferas, automobilísticas, do aço, do cimento, da informática, além de outras que contribuem de forma direta para a poluição ambiental e o aquecimento global. Os centros regionais existentes devem ser fortalecidos.

Nos sistemas de produção de alimentos tem-se o uso intensivo de agroquímicos, fertilizantes, que poluem as águas, o solo, o ar, os próprios alimentos e toda a cadeia alimentar, incluindo o homem. O uso do solo sem conservação degrada-o e polui os rios e os oceanos. A criação de animais em sistemas confinados gera dejetos e resíduos nas propriedades agrícolas, em níveis muito elevados, que requerem tecnologias adequadas - nem sempre aplicadas - para a sua destinação correta.

A própria criação de bovinos, ovinos, caprinos e outras espécies em pastagens gera poluição pela emissão de gases de efeito estufa. No Brasil, por exemplo, para cada pessoa há mais de um bovino nas pastagens: a população humana é de 193,9 milhões e a de bovinos, de 212,8 milhões (IBGE, 2012). Em Santa Catarina, a população humana é de 6,4 milhões e a de suínos de 4,5 milhões. No entanto, considerando que cada suíno polui 10 vezes mais que um homem, em termos de potencial de poluição, a população de suínos corresponde a sete vezes a população humana.

A agricultura contribui para o efeito estufa com emissões de gases como o metano (CH4), dióxido de carbono (CO2), monóxido de carbono (CO), óxido nitroso (N2O) e óxidos de nitrogênio (NOx), ao mesmo tempo em que constitui uma atividade influenciável pela mudança do clima.

As principais fontes agrícolas geradoras de gases de efeito estufa são o cultivo de arroz irrigado por inundação, a pecuária, dejetos animais, o uso agrícola dos solos e a queima de resíduos agrícolas. Estima-se que 55% das emissões antrópicas de metano provêm da agricultura e pecuária juntas. Nos solos agrícolas, o uso de fertilizantes nitrogenados, a adição de dejetos animais, a incorporação de resíduos culturais, entre outros fatores, são responsáveis por emissões significativas de óxido nitroso. 

O uso da água para irrigação, especialmente em lavouras tratadas com agroquímicos, além de poluir, gera conflitos com os habitantes das cidades que utilizam a água para o consumo e a higiene pessoal.

Além de se alimentar, o homem precisa proteger-se do sol, do frio e do calor, e vestir-se adequadamente e por vontade própria andar na moda. A indústria do vestuário gera grande poluição ambiental porque utiliza produtos para o tratamento dos tecidos e couros. A indústria de cosméticos, por sua vez, utiliza muitos produtos sintéticos que ocasionam poluição química ao ambiente.

Quando o homem habitava cavernas sua contribuição para a poluição era praticamente nula. Do uso da palha em choupanas aos materiais utilizados na construção civil moderna passaram-se muitos séculos. Nas últimas décadas a evolução se deu de forma rápida, com o uso de materiais cada vez mais elaborados, o que potencializam a poluição.
 
Com o advento do cimento, em 1824, e o posterior uso do concreto armado na construção civil, houve uma redução significativa no avanço do emprego da madeira retirada das florestas. No entanto, a produção desses materiais aumentou a poluição ambiental, decorrente de novos fatores, como o uso da energia elétrica, do transporte e o revolvimento dos solos e rios para a retirada de areia, solo, pedras e calcário. O uso das tintas sintéticas para proteger todos os tipos de edificações gerou um tipo de poluição ainda mais severa.

O desenvolvimento da sociedade moderna está assentado na produção de energia, seja para gerar bens e transporte, seja para o conforto do ser humano. A produção e controle da energia é tão importante que determina a eleição de presidentes em alguns países e a queda de ministros em outros. Há pouco tempo, até o desastre do Japão em 2011, julgava-se que a energia nuclear era limpa e segura.

Atualmente vários países europeus estão desistindo dessa tecnologia e voltando-se a outras fontes de energia, que normalmente poluem mais, exceção feita às energias eólica e solar. De qualquer modo há a necessidade de grandes investimentos nessa área para reduzir a poluição ambiental e garantir a segurança das pessoas.

A produção de alimentos na atualidade é praticamente toda feita em ambientes abertos, dependentes das condições climáticas. Trabalha-se no sentido de ampliar a produção em ambientes fechados e protegidos e de monitorar as condições do clima, prevendo-se com alguma antecedência e confiabilidade o que vai acontecer; permitindo-nos na agricultura o plantio e a colheita em épocas adequadas e, no meio urbano, o planejamento do consumo de energia e a aquisição de vestuário para a próxima estação do ano.
 
Na atualidade um dos problemas mais sérios é a movimentação dos veículos nas grandes cidades, em função das vias urbanas existentes e do aumento indiscriminado de automóveis, que ocasiona “engarrafamentos” e poluição ambiental pela emissão de grandes quantidades de gases de efeito estufa. Os primeiros veículos movidos a petróleo eram altamente poluidores; hoje a indústria procura desenvolver carros que poluam menos, mudando inclusive o tipo de combustível. A inovação na área automotiva avança na busca de maior eficiência e diminuição na poluição, no entanto esse processo tem sido lento. Há uma preocupação da sociedade, especialmente do setor público na busca de soluções para o transporte de massa, que seja mais eficiente e menos poluente.

O setor da informação e comunicação também se mostrou muito poluente pelo uso das fibras óticas, antenas e aparelhos eletrônicos. Há pouco tempo não se imaginava o descarte tão grande de equipamentos e aparelhos utilizados nesse setor. Já são comuns, nos grandes centros, locais próprios para coleta e armazenamento desses aparelhos, no entanto a reciclagem ainda é precária. A produção e o uso de equipamentos utilizados nesse setor geram também grande poluição da natureza, de ordem física e química.

Em linhas gerais o Brasil está passando por uma mudança no padrão de suas emissões. Nos últimos anos, a participação do desmatamento diminuiu 64%, enquanto que os demais setores só aumentaram: energia, 33%; agricultura, 7%; indústria, 16% e resíduos, 14% (Azevedo, 2012).

O que fazer para reduzir a poluição ambiental e a emissão de gases de efeito estufa?

Em primeiro lugar é necessário conhecimento para que se possa transmitir educação, que se inicia no lar, passando pela escola e pela sociedade. O conhecimento tem uma fonte natural nas universidades e centros de pesquisa, que precisam do apoio da sociedade, como alternativa para a sua própria sobrevivência. Cabe aos pais, às escolas, às universidades, aos centros especializados e também às redes sociais fazer o importante papel de transmitir conhecimento e educação ambiental.

Em segundo lugar é preciso tecnologias inovadoras para reduzir a poluição ambiental e produzir com sustentabilidade. Atualmente os centros especializados geram tecnologias e informações para reduzir o impacto do homem sobre o meio, possibilitando um ambiente mais saudável para se viver. É preciso discutir formas mais adequadas de produção para se reduzir drasticamente os efeitos nefastos do homem sobre o meio ambiente. A tendência da indústria é de colaborar no sentido de produzir reduzindo a poluição ambiental.

Em terceiro lugar é necessário legislação adequada para mitigar os efeitos negativos da poluição ambiental. A legislação tem um efeito extremamente importante na condução da sociedade. Algumas leis visam a melhorar a conduta humana em relação ao ambiente. Leis específicas para as cidades têm grande importância. No caso de Curitiba a lei municipal 10.785 de 2003 obriga os cidadãos a construírem os prédios com sistemas de coleta de água da chuva, o que favorece o controle de enxurradas e possibilita a redução do consumo de energia com o transporte desse insumo, fundamental para o ser humano. Bons planos diretores, prevendo a construção de imóveis em locais seguros podem evitar calamidades em caso de desastres naturais e permitir o deslocamento adequado dos cidadãos, diminuindo a poluição ambiental.

“É preciso fazer melhor tudo o que estamos empreendendo para cuidar do nosso planeta adequadamente; a não ser assim, não nos resta alternativa senão investir mais no setor espacial para buscarmos outro lugar seguro para viver”.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Osmira Fátima da Silva
25/04/2013 - 13:27
Prezados,

Parabéns ao Drº Zenóbio pela extraordinária e feliz exposição sobre o processo da atuação do homem, no desiderato de sua relação com o meio ambiente...
Neste momento, já se ouvem os gritos das sociedades, bem mais próximo do uníssono, em busca de soluções para o reequilíbrio ambiental. O conhecimento e o entendimento da ação e reação das forças eletromagnéticas que atuam e sustém a vida na terra, mesmo que seja de forma empírica, já constitui um avanço do pensamento humano para a preservação ambiental.
Concordamos que o trabalho da educação e a consequente conscientização do público mais jovem, por exemplo, ainda é o melhor caminho para o desenvolvimento sustentável da agropecuária!... Isso, além de contribuir para a riqueza da nação sugere novos processos de crescimento socioeconômico e político, favorecendo as futuras gerações.
Sem dúvida, participamos de um momento singular na Terra, a qual, também está sofrendo o processo da transformação e evolução... Por isso, urge posicionamentos de atitudes conscientes e renováveis, como foi tão bem colocado na matéria!

Muito obrigada!

Abraços,
Osmira.

Mauro Andrade
27/04/2013 - 11:15
Percebi que o autor do texto gastou mais de 80% do seu espaço falando do histórico das ações humanas em seus processos produtivos que causaram e continuam causando os problemas que já sabemos.
Gostaria de ter mais informações sobre ações concretas para mitigar e transformar as atuais formas produtivas que estão causando tanto problemas ao meio ambiente.
Talvez um bom caminho para se utilizar este espaço seja a divulgação da produção de energias renováveis: Solar, Biomassa (Etanol e Biogás), Eólica, etc...difundindo as iniciativas que estão dando certo no Brasil e no mundo.
Abraços a todos,

Mauro Andrade

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Agroenergia
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada