dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     27/04/2017            
 
 
    
Controle Biológico      
Região Central de Minas investe no controle biológico de pragas
Boas práticas agrícolas têm possibilitado otimização no uso de insumos, como os fertilizantes e defensivos, com consequente redução do custo de produção, sem perda de produtividade
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Guilherme Viana, Embrapa Milho e Sorgo
30/11/2015

 

Técnicas empregadas no MIP (Manejo Integrado de Pragas) com ênfase em controle biológico deverão ser transferidas pela Embrapa para municípios associados a duas instituições da região Central de Minas Gerais, a Cooperativa dos Produtores Rurais de Abaeté e o Sicoob Credioeste. O trabalho teve início na safra 2014/2015, quando Unidades de Demonstração foram instaladas no município de Abaeté para a apresentação de cultivares de milho e sorgo para silagem. “A próxima etapa será o uso de técnicas de controle biológico de pragas nas lavouras”, explica o engenheiro agrônomo da Embrapa Produtos e Mercado Sinval Lopes.

Na região, a pecuária leiteira é uma das atividades predominantes. “O uso de boas práticas agrícolas, de acordo com os princípios da produção integrada, tem identificado possibilidades de otimização no uso de insumos, como os fertilizantes e defensivos, com consequente redução do custo de produção, sem perda de produtividade. Isso significa maior rentabilidade para o agricultor e melhoria da qualidade ambiental”, explica Sinval Lopes. Dessa forma, tecnologias foram reunidas em um projeto com o objetivo principal de aumentar o volume e a qualidade do leite produzido. Os municípios contemplados são: Abaeté, Biquinhas, Cedro do Abaeté, Dores do Indaiá, Estrela do Indaiá, Martinho Campos, Morada Nova de Minas, Paineiras e Quartel Geral.

A equipe da Embrapa irá transferir tecnologias relacionadas aos seguintes temas: promoção e desenvolvimento de cultivares de milho e sorgo para silagem; clima e agricultura; manejo e conservação de solo; barraginhas; correção do solo e adubação; integração lavoura-pecuária; manejo de pragas e de doenças; regulagem de implementos agrícolas; e legislação (Novo Código Florestal, Áreas de Preservação Permanente e Cadastro Ambiental Rural). “Um conjunto de atividades será colocado em prática, sendo que a metodologia é procurar estabelecer um fórum contínuo de discussões e aprendizado”, pondera o gerente do Escritório de Sete Lagoas da Embrapa Produtos e Mercado Reginaldo Resende Coelho.

Todas essas diretrizes estão reunidas em um contrato de parceria técnica elaborado pela Embrapa Milho e Sorgo, Embrapa Produtos e Mercado e instituições parceiras. O plano de trabalho prevê também a implantação de unidades de referência técnica e a possibilidade de implantação futura de biofábricas na região. Sobre essa fase, os técnicos da cooperativa de Abaeté, além de representantes da Cooperativa Agropecuária de Pompéu e do Sicoob Credioeste, visitaram o Laboratório de Criação de Insetos da Embrapa Milho e Sorgo, em novembro, para conhecerem o processo de multiplicação de inimigos naturais das pragas do milho e do sorgo a partir do uso de Trichogramma, vespinha que atua como inimigo natural de lagartas. O processo foi apresentado pelo pesquisador Ivan Cruz, do Núcleo de Fitossanidade e Armazenamento.

Entenda como age o Trichogramma
O Trichogramma é considerado um inimigo natural da lagarta-do-cartucho e da lagarta-da-espiga, pragas que atacam as lavouras de milho. As vespinhas parasitam ovos de lagartas. Segundo o pesquisador Ivan Cruz, parasitoides exclusivos de ovos, ou seja, os que atuam somente nessa fase da praga, são considerados os mais importantes agentes de controle biológico. Primeiro, por evitarem que a praga provoque qualquer tipo de dano à planta. Segundo, por serem facilmente criados em larga escala (por biofábricas) para serem liberados no campo.

Trichogramma spp.
São insetos muito pequenos, com dimensões inferiores a 1 mm. A fêmea faz a postura de seus ovos no interior do ovo de seu hospedeiro (lagarta). A larva nasce e se alimenta do conteúdo do ovo do hospedeiro. Todo o ciclo do parasitoide se passa no interior do ovo da praga. Deste, sai a vespa adulta que, de imediato, inicia o processo de busca de uma nova postura para continuar a propagação da espécie.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Manejo Integrado
Palavras-chave

 
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
16/05/2017
AgroBrasília 2017
Brasília - DF
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada