dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     21/01/2017            
 
 
    
Sistema Plantio Direto        
Efeitos da mecanização sobre o solo
À luz do momento tecnológico "não existem máquinas ruins para o solo, existem máquinas mal manejadas"
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Afonso Peche Filho, pesquisador Científico do Centro de Engenharia e Automação - CEA/IAC
31/10/2016

http://www.diadecampo.com.br/arquivos/image_bank/especiais/peche_out16_ARTIGOS_20161031111443.jpg

A adequação das terras para o uso de máquinas pode ser considerado o maior efeito ambiental da construção de um agroecossistema. No modelo atual de produção agrícola a mecanização impõe um nível de simplificação que fragiliza o equilíbrio ambiental do sistema. O problema se agrava em sistemas convencionais, com a mobilização de terras em áreas naturalmente suscetíveis, planas ou declivosas. A relação entre as chuvas torrenciais e a mobilização do solo resulta invariavelmente em erosão. Com menor ou maior intensidade, mas sempre resulta em erosão. A exposição do solo ao Sol resulta num aquecimento que compromete a biodiversidade superficial. Desagregação e altas temperaturas resultam em uma irreversível perda da capacidade produtiva em função da redução da atividade biológica diversificada.

O principal efeito mecânico de máquinas é sobre a estrutura do solo, seja mobilizando ou compactando. A mobilização intensa sempre gera uma parcela de finos no solo, provocando um caminhamento dessas partículas para as camadas mais profundas, dando origem à compactação e ao empoçamento. A estrutura é fragilizada pela quebra ou compactação dos agregados. Como consequência ocorre a diminuição da porosidade e a redução da velocidade de infiltração da água no solo. Com a diminuição da porosidade natural acelera-se a probabilidade de causar uma doença momentânea, denominada anaerose, que é uma síncope respiratória das plantas em função da interrupção respiratória das raízes pela baixa porosidade ou ocupação dos poros do solo por água empoçada na superfície. Além do mais, o excesso de água provoca uma oxidação intensa no solo gerando compostos químicos tóxicos, provocando na planta um desconforto fisiológico que resulta na baixa produtividade. A compactação não é causada pelas máquinas, mas causada pela falta de informação do agricultor. Naturalmente, para que não haja compactação, é indicado que toda máquina só deva ser utilizada com material orgânico associado.

A intensidade de agressão dos solos por máquinas está sempre associada ao manejo adotado e ao bom senso do agricultor. Adotar o Sistema Plantio Direto na Palha como manejo é a principal recomendação. É evidente que no sistema plantio direto os efeitos da mecanização são mitigados. À luz do momento tecnológico “não existem máquinas ruins para o solo, existem máquinas mal manejadas”. O uso contínuo de matéria orgânica no sistema diminui consideravelmente os efeitos negativos da mecanização. Em solos muito mineralizados, os efeitos negativos da mecanização são potencializados. Adotando o sistema plantio direto, investindo em qualidade da cobertura do solo e na rotação de culturas, o agricultor promove melhores condições para o enraizamento da planta cultivada provocando constante aumento na infiltração da água. A construção de “ambientes de infiltração” é seguramente a melhor medida conservacionista perenizando a produtividade. Aumentar a infiltração, a retenção de água e a cobertura são três medidas fundamentais para conservar e “construir” solos produtivos.

A característica mais prejudicial da mecanização agrícola é um usuário despreparado (proprietário, administrador, gerente e operador). E dentre estes, os resistentes, que são os piores, pois acreditam que força, tecnologia e recursos financeiros superam uma boa gestão do solo. Não se deixam formar e produzem ambientes degradados. Não é possível ser indiferente com o atual ritmo de degradação dos solos brasileiros. Podemos combater isso com valorização da pesquisa e difusão, com investimento maciço em formação profissional, com boas reportagens e com repórteres sensíveis ao problema.
 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Carlos Bellon
14/11/2016 - 15:15
Somente complementando a excelente matéria do professor Afonso quando diz que o proprietário, o operador precisa se preocupar com o solo digo que o pneu radial agrícola é uma outra opção importantissima que ajudará a preservar o solo e desempenho do equipamento.
Carlos Bellon-Consultor na Titan Pneus do Brasil. carlinho.belao@titanlat.com

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Sustentabilidade
Palavras-chave

 
06/02/2017
Show Rural Coopavel 2017
Cascavel - PR
06/03/2017
Expodireto Cotrijal 2017
Não-me-Toque - RS
06/04/2017
IV Encontro Nacional da Soja
Londrina - PR
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL

14/01/2017
II Oficina de Irrigação e Drenagem no Cultivo Doméstico
Piracicaba - SP

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada