dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     16/08/2017            
 
 
    
Assistência Técnica e Extensão Rural  
Empaer-MT vai comercializar alevinos a partir de janeiro de 2017
Previsão é produzir 800 mil alevinos até maio
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Rosana Persona, Empaer
27/12/2016

A Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), já realizou na Estação de Piscicultura localizada no município de Nossa Senhora do Livramento (42 Km ao Sul de Cuiabá), o trabalho de desova dos peixes e faz a reprodução das espécies de tambacu e tambatinga. Com a previsão de produzir 800 mil alevinos nos primeiros cinco meses de 2017 (janeiro a maio), a comercialização poderá começar na segunda quinzena de janeiro.

O chefe da Estação de Piscicultura, Antônio as Silva Filho, fala que devido à grande procura pelos agricultores familiares foi realizada a reprodução dos alevinos de tambacu e tambatinga para recria e engorda em cativeiro. Ele explica que as matrizes foram produzidas na própria estação, e descreve que as matrizes são de qualidade e isentas da doença Lernia (Lernaea cyprinacea), um ectoparasita ou parasita externo de peixe que fixa na musculatura e causa lesões, aparecimento de infecções secundárias, mortalidade, redução da taxa de crescimento e reprodução em peixes adultos.

Segundo Antônio, deve-se tomar um cuidado especial na aquisição de matrizes e alevinos, que normalmente são a porta de entrada da infestação na criação. Filho destaca que no momento da compra, os piscicultores são orientados sobre os cuidados com os alevinos e a soltura nos tanques ou represas até o abate. “Um alevino ocupa um metro quadrado de lâmina d’àgua e necessita de ração farelada, alternando a granometria da ração com o crescimento. No período de 10 a 11 meses, pode atingir o peso de quase 2 quilos e fica pronto para o abate”, ressalta.

A estrutura da Empaer conta com 39 tanques de reprodução, sendo 12 para pesquisa e 27 para recria. Ele explica que a comercialização será realizada apenas nas sextas-feiras para piscicultores do Estado, sendo que para compras acima de 10 mil alevinos será necessário fazer reserva . Eles são transportados em embalagens plásticas com oxigênio e podem permanecer embalados por no máximo cinco horas. O transporte é por conta do comprador.

Os preços variam de acordo com o tamanho. O milheiro de alevinos medindo de três a cinco centímetros foram comercializados este ano a R$ 160; de cinco a oito, R$220 e de oito a dez centímetros por R$ 260. O pagamento é feito na retirada. Conforme Antônio, os preços ainda não foram definidos, mas adverte que os alevinos da Estação são considerados os melhores da praça e a qualidade é reconhecida pelos piscicultores da Baixada Cuiabana.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada