dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     16/08/2017            
 
 
    
Agronegócio  
Governo libera R$ 800 milhões para a comercialização do milho
Medidas buscam apoiar os produtores do cereal na atual safra
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Mapa
20/04/2017

O governo autorizou o lançamento de contrato de opção de venda para 1 milhão de toneladas de milho produzido em Mato Grosso, envolvendo R$ 300 milhões. A operação a ser feita pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) fixa o preço de exercício em R$ 17,87/60 kg, com prazo em 15 de setembro deste ano. Outros R$ 500 milhões foram anunciados para o Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural e/ou sua Cooperativa (Pepro) e o Prêmio para Escoamento do Produto (PEP) do milho em grãos das safras 2016/2017 e 2017.

As medidas visam apoiar a comercialização de milho nesta safra e foram publicadas no Diário Oficial da União desta quarta-feira (19). “O objetivo do governo é dar uma sinalização de preço futuro para os produtores neste período da safra de inverno em Mato Grosso, hoje o maior produtor de milho segunda safra (também conhecida como safrinha), com 40% da produção nacional”, salienta o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller.

Segundo estimativa da Conab, nesta temporada, os produtores brasileiros deverão colher mais de 91 milhões de toneladas do cereal. Do total, 61,6 milhões de toneladas deverão ser colhidas no inverno. Somente em Mato Grosso, a safrinha deverá ser de 24,1 milhões de toneladas.

Com o Pepro e o PEP, o governo quer garantir o preço mínimo de R$ 16,50/60kg ao produtor de milho, sempre que a cotação de mercado estiver abaixo do preço mínimo.

Trigo, laranja e café
O Diário Oficial publicou também os preços mínimos do trigo, semente de trigo, laranja e café para a safra 2017/2018.

O preço do trigo tipo 1 pão foi fixado em R$ 37,26/60kg ou R$ 621/t para a Região Sul. Já a caixa da laranja de 40,8 kg ficou em R$ 12,28 para todo o Brasil.

O café arábica tipo 6, bebida dura para melhor, com até 86 defeitos, peneira 13 acima, teve o preço mínimo reajustado para R$ 333,03/60kg. O café robusta (conilon) tipo 7, com até 150 defeitos, peneira 13 acima, teve o valor estabelecido em R$ 223,59/60kg.

Os preços mínimos definidos pelo governo servem de referência para programas de subvenção aos produtores rurais quando ocorre queda nos valores praticados no mercado.

Veja mais aqui e aqui.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada