dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     25/09/2017            
 
 
    
Manejo da Lavoura    
Café com cajá
Consórcio gera renda e conforto térmico para o agricultor e para a lavoura no Espírito Santo
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Luciana Silvestre Girelli, Incaper
23/06/2017

Plantios de árvores e espécies frutíferas em meio às lavouras de café têm proporcionado boas experiências de diversificação produtiva e geração de renda para agricultores capixabas. No município de Boa Esperança, ES, o produtor Doriédson Thomazini consorcia café conilon com cajá e demonstra como os Sistemas Agroflorestais (SAF’s) podem proporcionar ganhos produtivos e ambientais.

“A minha experiência de consórcio de café com cajá começou há cinco anos. Eu queria ter outra fonte de renda e tive a ideia de colocar o cajá no meio do café para otimizar a área, já que minha propriedade é pequena. Além disso, eu contava com a facilidade de ter uma fábrica de polpa de frutas no município, para onde poderia vender meu produto”, contou o agricultor.

Segundo ele, o café estava sofrendo muito devido às altas temperaturas e o sombreamento parcial foi uma opção encontrada para amenizar o impacto do sol nas lavouras. “Tenho percebido que nas lavouras a pleno sol o café está mais queimado, mais ‘chocho’, e onde está sombreado com cajá, o café possui mais qualidade, as plantas estão mais verdes e preservadas”, relatou Doriédson, que também cultiva pimenta-do-reino.

A escolha do cajá para realizar o consórcio com o café não foi ao acaso. “O café é uma cultura tropical que necessita de luz e o cajá casa bem com essa planta. No período de inverno, quando há menor incidência de luz solar, as folhas do cajazeiro caem, permitindo a passagem da luz para o café. A partir de outubro, quando começa a esquentar, as folhas do cajá rebrotam e produz a sombra necessária no café até o mês de fevereiro”, explicou Doriédson, que possui quatro hectares de café consorciados com cajá.

Vantagens do consórcio do café com cajá
O agricultor tem observado que o consórcio de café com cajá não tem influenciado negativamente na produção do café. “Em relação à manutenção dos números da produção, não temos ainda dados estatísticos comprovados, mas a lavoura está bonita e a produção se mantendo. Observamos essas vantagens iniciais e o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) está fazendo um trabalho de pesquisa para analisar cientificamente a interferência do café no cajá e vice-versa”, disse o produtor.

Segundo Doriédson, o manejo do café continua o mesmo. “Teve redução da capina por causa do sombreado parcial e, consequentemente, menos despesa com esse serviço. As folhas do cajazeiro também contribuem para a adubação da lavoura”, explicou.

O cajá foi colocado no espaçamento de 15 metros entre linhas e 7,5 entre plantas. Sua copa foi cortada de modo que haja um bom espaço entre o teto da lavoura do café e a copa do cajazeiro. A produção de cajá foi em torno de 2.700 kg nessa área e a renda anual de R$ 3 mil com a venda do fruto.

Pesquisa do Incaper avalia Sistemas Agroflorestais no Norte do Estado
Para avaliar o consórcio de árvores e frutíferas com café conilon no Norte do Estado, o pesquisador Eduardo Sales tem feito pesquisas sobre Sistemas Agroflorestais com Cafezais no Espírito Santo e a propriedade do agricultor Doriédson Thomazini é um dos locais pesquisados. “O trabalho com sistemas agroflorestais com café leva muitos anos para ter resultado. Por isso, a propriedade do Doriédson foi um achado. Ele implantou sistema de café com cajá mesmo com algumas incertezas. Foi realizado um dia de campo em sua propriedade e propusemos acompanhá-la”, falou Eduardo.

Este ano, será realizado pelo Incaper, pela quarta vez, o acompanhamento da colheita de café na propriedade de Thomazini. “Com esses resultados, queremos passar aos agricultores que o sistema agroflorestal pode ser desenvolvido a fim de que se tenham sistemas mais harmônicos com a natureza, além de gerar outra fonte de renda para o agricultor”, falou Eduardo.

De acordo com o pesquisador, os resultados preliminares de pesquisa têm demonstrado que existe competição entre as espécies nos sistemas agroflorestais com o cafeeiro, mas ela é compensada pelos ganhos econômicos e ambientais. “Quando qualquer espécie é plantada com o café, há uma pequena diminuição da produção, mas, por outro lado, existem outros ganhos, seja com a renda de frutos ou com o material que é podado e vira matéria orgânica para reciclar nutrientes, imitando a floresta”, disse o pesquisador.

Outra vantagem destacada pelo pesquisador é o conforto térmico advindo dos Sistemas Agroflorestais. “O agricultor ter a possibilidade de trabalhar na sombra é um outro sistema de produção que, em termos de conforto térmico para a planta e para o agricultor, é muito mais favorável”, explicou.

Eduardo Sales destacou que, historicamente, o café foi implantado com a derrubada e queima da mata, os sistemas agroflorestais podem mudar essa realidade. “A cafeicultura que foi uma das responsáveis por destruir a Mata Atlântica pode agora recuperá-la a partir de sistemas mais harmônicos tanto para o meio ambiente quanto para o agricultor”, abordou o pesquisador.

O Incaper tem buscado técnicas e espécies mais compatíveis com cafeeiro que tragam fonte de renda e/ou serviços ambientais que compensem ao agricultor trabalhar dessa forma. “Na pesquisa, trabalhamos com o com cedro australiano, a teca e o jequitibá. Dessas três espécies, o cedro australiano foi o que competiu mais, a teca medianamente e o jequitibá, árvore símbolo do Espírito Santo, para nossa satisfação, competiu menos com o conilon”, falou Eduardo.

Saiba mais sobre esse assunto neste vídeo.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Cafeicultura
Palavras-chave

 
21/10/2017
Dia de Campo Sistemas Integrados de Produção Agropecuária
Sete Lagoas - MG
23/10/2017
Semana Nacional de Ciência
Petrolina - PE
24/10/2017
XXII Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol (RNPG) e o X Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol
Lavras - MG

28/09/2017
Curso Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
São Carlos - SP
23/10/2017
Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores da Produção Integrada de Morango - PIMo
Jaguariúna - SP
21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada