dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     24/09/2017            
 
 
    
Agroenergia  
Estudo do Imea mostra que é viável investir em etanol de milho em Mato Grosso
Agregar valor à produção mato-grossense de milho por meio da geração do etanol é viável nos aspectos econômico, social e ambiental
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Famato
13/09/2017

Agregar valor à produção mato-grossense de milho por meio da geração do etanol é viável nos aspectos econômico, social e ambiental. Essa é a conclusão do estudo dos Clusters de Etanol de Milho elaborado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), entidade da Famato, a pedido da Aprosoja Mato Grosso e do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras (Sindalcool-MT). Os resultados foram apresentados durante uma coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (12/09) em Cuiabá.

“Não é novidade para ninguém que nosso estado tem vocação agrícola e é o maior produtor de milho do Brasil, mas apenas 15% do que produzimos fica em Mato Grosso. Temos que mudar essa realidade porque a exportação de matéria-prima nem sempre é sinônimo de renda. Nosso papel é atrair e induzir investimentos para que consigamos industrializar nossos produtos, gerando emprego e renda para o estado e melhores preços para o produtor rural”, comenta o presidente do Sistema Famato Normando Corral.

O estudo foi realizado entre os anos de 2016 e 2017, quando os analistas do Imea percorreram mais de 3 mil quilômetros, visitaram 11 municípios mato-grossenses, seis usinas de etanol e entrevistaram 70 pessoas. O trabalho contou com a parceria técnica da Stracta Consultoria e da Agroícone.

O gestor de Projetos do Imea Paulo Ozaki coordenou o trabalho e explica que, para chegar às conclusões, o estudo abrangeu todas a cadeias que permeiam o cluster. “Estudamos todas as cadeias e instituições que podem estar envolvidas no processo. Conversamos com produtores de milho, de eucalipto, cana-de-açúcar, com pecuaristas, falamos com instituições públicas, entidades de classe e investidores”, explica.

Para fazer a análise da viabilidade da produção de etanol a partir do milho, o Imea dividiu o estado em sete macrorregiões, de acordo com a produção agrícola e pecuária. Foram adotados modelos de negócios e realizadas análises de mercado do milho, da produção de carnes, da evolução da frota automobilística, da produção de etanol, de florestas plantadas para, enfim, chegar às análises dos clusters. “Fizemos essa divisão para que a tomada de decisão seja segura, afinal cada região tem sua particularidade. Evitando, assim, investimentos infundados que não se sustentem ao longo do tempo”.

Para o conselheiro consultivo da Aprosoja Glauber Silveira, a produção do etanol do milho em Mato Grosso é importante tanto para o produtor, quanto para a sociedade e o Governo do Estado. “Este estudo deixa claro que é viável investir no setor e nos norteia em orientar melhor o produtor em qual modelo seguir e onde investir”.

O presidente do Sindalcool, Sílvio Rangel, diz que este estudo cria uma ferramenta importante para quem vai investir no estado e principalmente para a agregação de valor em produtos in natura dentro de Mato Grosso.

Resultados

Para a análise da viabilidade econômica foram utilizadas duas ferramentas para expressar a viabilidade financeira de investimentos: a Taxa Interna de Retorno (TIR) e o Valor Presente Líquido (VPL). Para calcular o período de retorno de investimento foi utilizado o método chamado “Payback”.

Com as análises em mãos e levando em conta que a demanda por combustíveis no Brasil aumentará assim como a oferta e a demanda por milho em Mato Grosso, o estudo mostra que na região médio-norte do estado apenas dois modelos de usinas seriam interessantes: as “mini-usinas” e as “grandes usinas Full”.

Na região sudeste todos os modelos de negócio seriam bem aceitos. As regiões oeste e centro-sul comportariam melhor grandes investimentos. E as regiões noroeste, norte e nordeste, por serem áreas de expansão, só comportaria grandes investidores.

Para cada modelo de negócio nas regiões foram feitas análises de viabilidade econômica levando em consideração os investimentos, as operações e os custos. Uma usina Full na região médio-norte, por exemplo, necessitaria de um investimento de aproximadamente R$ 450 milhões. O retorno se daria a partir do sexto ano, com Valor Presente Líquido (VPL) de R$ 472 milhões com uma Taxa Interna de Retorno (TIR) de 27,3%.

Um resultado determinante para a implementação de uma usina de etanol é a avaliação do break-even point (ponto de equilíbrio) do milho. Os valores encontrados nos modelos avaliados variaram entre R$ 26,00 e R$ 36,00/saca de acordo com o tipo do modelo empregado e a macrorregião. No modelo Usina Full na região médio-norte, por exemplo, a saca do milho pode custar até R$ 35,00 que haverá viabilidade, considerando o etanol a R$ 1,98 o litro.

Outro resultado importante é o ponto de equilíbrio do etanol. Para ser viável, o break-even point para o preço do etanol pago à usina oscila entre R$ 1,30 a R$ 1,77/litro.

Viabilidades social e ambiental
A instalação de uma usina de etanol contribui na geração de empregos diretos, indiretos e induzidos. A cada emprego direto, o setor cria outros 14 empregos indiretos e mais 10 induzidos. “Se levarmos em consideração uma usina Full de milho, que gera 87 empregos diretos, o empreendimento tem o potencial de criar mais de 2.000 mil empregos indiretos ou induzidos, impactando positivamente o município”, acrescenta Ozaki.

Em relação aos impactos ambientais, fica claro que o desenvolvimento do setor pode mudar o uso da terra e, consequentemente, reduzir as emissões de CO2, mitigando em quase 70% a quantidade de Gases do Efeito Estufa (GEE) emitidos atualmente, conforme o local onde a usina for instalada.

“Concluímos que são diversos os impactos positivos para o desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso, visto que a integração das cadeias produtivas, por meio dos clusters, movimenta a economia com a geração de empregos, arrecadação para o Estado e, consequentemente, o desenvolvimento para a sociedade. Mas para alcançar esse resultado será necessário o envolvimento de todos os poderes e setores, isto é, a participação do Estado, do setor privado e da sociedade civil organizada”, afirma o superintendente do Imea, Daniel Latorraca.

Apresentação completa

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
21/10/2017
Dia de Campo Sistemas Integrados de Produção Agropecuária
Sete Lagoas - MG
23/10/2017
Semana Nacional de Ciência
Petrolina - PE
24/10/2017
XXII Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol (RNPG) e o X Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol
Lavras - MG

28/09/2017
Curso Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
São Carlos - SP
23/10/2017
Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores da Produção Integrada de Morango - PIMo
Jaguariúna - SP
21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada