dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     13/12/2017            
 
 
    
Tecnologia  
Incaper leva inovação e tecnologias para o TecnoAgro
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Tatiana Caus, Incaper/Pedro Callegario, Seag
28/11/2017

Conteúdos técnicos apresentados por pesquisadores e extensionistas do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural foram destaque durante a programação do TecnoAgro. O evento, voltado para a capacitação e inovação em agronegócio no Espírito Santo, recebeu mais de 300 pessoas e terminou no último sábado (25), na área de eventos do Shopping Vitória.

O objetivo da Rede Gazeta foi promover a troca de informações sobre o desenvolvimento do setor, entre expositores, agricultores familiares, produtores rurais e entidades.

Durante a solenidade de abertura do TecnoAgro Espírito Santo, o governador Paulo Hartung ressaltou que o evento é importante na busca por avanços na agricultura capixaba. Hartung destacou ainda o papel socioeconômico do setor.

“Essa é a primeira edição de um evento que tem tudo para se consolidar em nosso Estado. A agricultura liderou no Espírito Santo durante séculos na busca da caminhada pelo desenvolvimento. Evidentemente, precisamos ter a capacidade de olhar para frente. Esse evento é uma tentativa de avançarmos neste mundo competitivo que vivemos - avançar e modernizar na prática da agricultura em terras capixabas”, pontuou.

Paulo Hartung ressaltou também a importância dos produtores estarem conectados com o consumidor final. “Importante avançar nas relações com os consumidores externos e internos. O mundo avança por um pedido de vida saudável. Precisamos conectar nossa agricultura neste mundo onde os consumidores querem saber a origem e forma de produção”, completou o governador.

“Um evento assim é de extrema relevância para o Espírito Santo e o Instituto teve e continua tendo grande contribuição na trajetória do agronegócio. Esse é mais um espaço para a troca de todo conhecimento gerado que poderá ser utilizado pelos diversos atores da cadeia produtiva do agronegócio, profissionais da área e instituições de ensino, pesquisa e extensão”, pontuou o Diretor Presidente do Incaper, Marcelo Coelho.

Entre os destaques, estão o Lançamento do Balanço Social do Incaper de 2016, que reuniu os impactos econômicos, sociais e os ganhos ambientais que a atuação do instituto promove na sociedade capixaba. Os resultados foram apresentados pelo diretor técnico do Incaper, Mauro Rossoni Júnior, pela coordenadora do Balanço Social, Vanessa Alves Justino Borges e pelo chefe do Departamento do Planejamento e Captação de Recursos (DPC) do Incaper, Luciano Oliveira.

“O Balanço Social é uma ferramenta que apresenta os resultados do Incaper, permitindo à sociedade o diálogo, a transparência e o reconhecimento das ações institucionais. É um documento que reafirma a importância do trabalho do Incaper no campo, pois traz os resultados das tecnologias aplicadas pelos produtores de base familiar de todo o Espírito Santo”, reforçou Mauro Rossoni.

Um talkshow sob o título “Aplicação de Geotecnologias na Agricultura”, trouxe debates com informações curiosas sobre a Meteorologia e o Geobases. “Em face ao crescente desenvolvimento das ferramentas das gerações de produtos de tempo e clima e das constantes melhorias das técnicas de análise das condições meteorológicas e climáticas, o desafio é realizar uma constante atualização dos nossos sistemas. Isto abre uma grande oportunidade em atrair parcerias e investimentos junto ao agronegócio e o setor privado”, reforçou o meteorologista Hugo Ramos, atual coordenador das atividades em questão.

Segundo o coordenador do Geobases, Giuliano Grigolin, um novo sistema, já sendo planejado, será integrado às redes sociais. “O usuário vai poder gerar os seus próprios mapas e navegadores geográficos e compartilhá-los com todos os outros usuários, que poderão comentar, classificar e trocar as ações de maneira mais interativa”, disse.

A produção de Citros no Espírito Santo, foi explanada pelo pesquisador, Sebastião Antônio Gomes, que levantou assuntos como variedades, plantas mais produtivas, características morfológicas, qualidade dos frutos, mercado, épocas de produção, limitações da cultivar, Ranking dos hortifrútis, evolução da área cultivada com citros no mundo, entre outros. “Em 2015, a produção brasileira de laranja no Espírito Santo, chegou a mais de 15 mil toneladas anual, chegando ao 15º lugar de área colhida por hectare”, disse. Ele também destacou que em 2016, o citros acumulou uma área em produção de mais de três mil hectares (88% sequeiro), com uma produção em 61 dos 78 municípios do Estado, distribuídos em: laranja (54 municípios), limão (39 municípios) e Tangerina (27 municípios).

O pesquisador Luiz Carlos Santos Caetano apresentou um Panorama da Fruticultura no Estado: valor bruto da produção agrícola do Espírito Santo em 2016; desafios e perspectiva para a fruticultura, bem como características e potencialidades de algumas culturas como, manga, banana, uva, acerola, côco, goiaba, cacau e o mamão “Rubi Incaper 511”.

A palestra intitulada “As Novas Tecnologias para o Café Conilon e Arábica”, foi ministrada pelo pesquisador do Incaper e coordenador do Programa Estadual da Cafeicultura, Romário Gava Ferrão. Segundo ele, os últimos avanços fazem parte do programa de pesquisa do Incaper, que existe há mais de 30 anos. Nesse sentido, ele citou o lançamento de dez cultivares do conilon e a recomendação de 16 cultivares de arábica, o bom manejo das suas variedades, a Poda Programada de Ciclo (PPC) para o conilon e para o arábica, adubação e nutrição dos cafezais, entre outros.

Segundo o pesquisador, dentre os desafios da cadeia produtiva, está o desenvolvimento de tecnologias de convivência com a seca. Para isso, ele fez maiores explanações a respeito de tecnologias lançadas recentemente como a variedade de conilon “Marilândia ES8143” e o Jardim Clonal Superadensado, que é uma forma rápida de fazer chegar a tecnologia ao produtor. “Como desafios também temos o desenvolvimento de tecnologias para a mecanização da cultura, e melhora da qualidade do café, que já teve muitos avanços, mas é uma das prioridades mais importantes, bem como o manejo da irrigação uma vez que 70% do conilon é irrigado. Mesmo com tais obstáculos, a cafeicultura avançou em produtividade e qualidade nos últimos 15 anos e dentro dos próximos três anos teremos novas tecnologias de combate à seca”, explicou.

A palestra a respeito do “Projeto Cores da Terra: Pintando o Brasil”, foi ministrada pela extensionista do Incaper, Rachel Quandt Dias. O projeto foi introduzido no Espírito Santo em 2007, por meio de uma parceria entre o Incaper e o Departamento de Solos da Universidade de Viçosa (UFV). A técnica produz tintas à base de terra e de baixo custo, que são sustentáveis, que têm uma boa diversidade de cores que valorizam a origem do material e resgatam valores culturais. As tintas podem ser aplicadas em construções imobiliárias e no artesanato.

O pesquisador do Incaper, João Araújo, tratou o tema: Agroecologia e Agricultura Orgânica. “Nós sabemos que os solos são deficientes de nutrientes, por isso pensamos em intensificar a produção de matéria orgânica. Podemos fazer podas sucessivas e consequentemente, vamos produzir matéria orgânica que serão direcionadas para fazer a cobertura morta. Ao mesmo tempo que se faz essa cobertura morta, ela libera nutrientes. Esse é um dos exemplos de manejo. Precisamos intensificar as estratégias de convivência com o sistema”, explicou.

O extensionista Bernardo Lima Bento de Mello, ministrou a palestra sobre produção de Leite a Pasto e Sustentabilidade no Espírito Santo. “O nosso foco é manter a preservação ambiental, especialmente com a conservação de solo e água, para a produção de leite a pasto. É fundamental intensificarmos o uso racional dos recursos naturais”, disse. Segundo ele, para os períodos mais secos, recomenda-se o capim “capiaçu”, desenvolvido pela Embrapa e a silagem do abacaxizeiro, em complemento ao pasto.

A extensionista Pierângeli Aoki Marim; apresentou a palestra sobre a Comercialização dos Produtos da Agricultura Familiar; a extensionista Márcia Varela ministrou a palestra intitulada “Flores: Convencionais E Tropicais“ e o pesquisador do Incaper, André Guarçoni a palestra "Uso de Orgânicos para Aumento de Produtividades".

“Agradecemos imensamente pela parceria com a Rede Gazeta. É fundamental que o Incaper tenha a oportunidade de mais uma vez confirmar a sua vocação na capacitação das famílias do campo, a partir de profissionais qualificados e da integração entre a pesquisa, a assistência técnica e a extensão rural. São palestras variadas onde todos os presentes poderão trocar as suas experiências e crescer no meio rural”, salientou Mauro Rossoni.

Estande do Incaper – Pesquisa, Extensão e Inovação!

Além das palestras técnicas, as pessoas também puderam visitar o estande do Incaper, um espaço exclusivo para apresentar as suas publicações técnico-científicas e outros materiais com foco em culturas predominantes no Espírito Santo, como mudas de cacau, jequitibá rosa e plantas medicinais transportadas da Fazenda Experimental do Incaper “Reginaldo Conde”, em Jucuruaba.

Dentre os materiais de projetos envolvendo inovação e tecnologia, estavam o “Cores da Terra: Pintando o Brasil!”, o “Biomas Mata Atlântica”, um pouco mais sobre a recente variedade de Café lançada pelo Incaper, o “Marilândia ES8143” e sobre o Jardim Clonal Superadensado de Café Conilon.

Também foram apresentadas diversas sementes de milho e feijão que foram coletados através da execução do projeto aprovado “Resgate e avaliação de genótipos promissores de feijão e milho visando sua indicação para os agricultores familiares do Estado do Espírito Santo”, apoiado pela FAPES e pela Seag.

“O Incaper iniciou o seu banco de germoplasma de milho e feijão através desse projeto e que já contam com quase 120 acessos de feijão e 60 acessos de milho, todos coletados com agricultores de base familiar de todo o Estado”, contou a pesquisadora do Incaper, Sheila Posse.

De acordo com o produtor de café Bernardo Luiz Silva Gomes, valeu a pena a ida até o evento para trocar as suas experiências. “O evento tá bem completo e vou levar pra casa um pouco desse material. Me chamou a atenção essa tecnologia, onde posso usar a terra para pintar as minhas coisas e estou bem ansioso para assistir a palestra sobre os cafés e tirar as minhas dúvidas sobre essa nova variedade. Acredito que preciso estar sempre aprimorando meu conhecimento sobre as tecnologias que envolvem a agricultura. Quero crescer, cada vez mais como produtor, né?”.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada