dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     16/10/2018            
 
 
    
Manejo Pecuário    
Pesquisa descobre novidades na simbiose entre abelhas sem ferrão e fungos
Estudo mostrou que os fungos produzem um tipo de gordura que é essencial para a dieta da larva das abelhas Mandaguari
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Kélem Cabral, Embrapa Amazônia Oriental
22/01/2018

O que se pensava ser apenas um fungo cultivado pela abelha nativa sem ferrão brasileira conhecida como Mandaguari (Scaptotrigona depilis) para o desenvolvimento de suas larvas se revelou um complexo de três diferentes tipos de fungos que estão interagindo de forma complementar para criar um ambiente propício ao desenvolvimento das futuras abelhas. O estudo "Stingless bee larvae require fungal steroid to pupate" foi publicado nesta quinta-feira (19) na revista online do grupo Nature, a Scientific Reports.

Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, atualmente lotado na Embrapa Meio Ambiente, é um dos autores do artigo, ao lado de um time de pesquisadores da USP de Ribeirão Preto e instituições americanas. Menezes comenta que a publicação é a continuação de um trabalho anterior sobre os fungos das abelhas, publicado no final de 2015 na revista Current Biology. O estudo, na ocasião, foi uma descoberta inédita sobre esse tipo de simbiose entre fungos e abelhas e resultado de tese de doutorado realizado com Bolsa da Fapesp.

Ainda de acordo com o pesquisador, a evolução da pesquisa mostrou que os fungos produzem um tipo de gordura que é essencial para a dieta da larva das abelhas Mandaguari. “Além disso, mostramos que na verdade não é apenas um fungo”, enfatiza o cientista, “mas um complexo de três diferentes tipos de fungos que estão interagindo de forma complementar para criar um ambiente propício ao desenvolvimento das larvas”.

Em 2015 a relação simbiótica entre fungos e abelhas foi considerada inédita, pois, conforme relembra o pesquisador, era primeiro registro de simbiose entre uma espécie de abelha social e um fungo cultivado. Até então se saiba da existência de simbioses apenas entre espécies de formigas e de cupins com fungos cultivados em seus próprios ninhos.

Sobre o estudo
A pesquisa aponta que a larva da abelha sem ferrão deve consumir um fungo de células de ninhada específica para continuar o desenvolvimento. O fungo é membro do gênero Zygosaccharomyces e fornece precursores essenciais de esteroides para a abelha em desenvolvimento, visto que os insetos não podem sintetizar esses esteroides.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Apicultura
Palavras-chave

 
09/10/2018
EsalqShow 2018
Piracicaba - SP
06/11/2018
V Congresso Brasileiro de Recursos Genéticos
Fortaleza - CE


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada