dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     16/07/2018            
 
 
    
Criações      
Apicultores discutem Indicação Geográfica para o mel de melato de bracatinga
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
EPAGRI
19/06/2018

A Epagri promoveu, no dia 7 de junho, a “I reunião de sensibilização dos atores da cadeia produtiva do mel de melato de bracatinga do planalto catarinense”. O evento foi realizado na Estação Experimental de Lages e atraiu cerca de 50 pessoas, entre apicultores do Planalto Sul e do Planalto Norte, entrepostos que comercializam o mel de melato, além de técnicos e dirigentes de instituições como Epagri, Sebrae/SC, UFSC, IFSC/Lages, Associações de Apicultores, Federação das Associações de Apicultores de Santa Catarina (Faasc) e Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca.

O mel de melato é produzido a partir da associação da bracatinga com a cochonilha, um inseto que se alimenta da seiva e expele um líquido açucarado usado pelas abelhas na fabricação desse produto típico do Planalto Serrano. Ele tem cor escura, é levemente menos adocicado que o mel de origem floral e possui maior quantidade de minerais, além de propriedades medicinais.

O objetivo do encontro foi discutir a proposta de construção conjunta de uma futura Indicação Geográfica (IG) para o mel de melato de bracatinga. “As características singulares determinadas pela condição geográfica possibilitaram o reconhecimento desse mel como o melhor do mundo em 2017, no 45º Congresso Internacional de Apicultura, em Istanbul, na Turquia”, conta Everton Vieira, geógrafo do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC (Ciram/Epagri).

Na reunião, foram apresentadas as etapas de construção de uma Indicação Geográfica, que implicam, por exemplo, no reconhecimento da notoriedade do produto no território e na realização de estudos técnico-científicos que irão embasar o dossiê de submissão do pedido para a IG. Os apicultores tiraram dúvidas sobre o processo e conheceram casos de sucesso desenvolvidos em Santa Catarina e em outras regiões do País.

A Indicação Geográfica traz uma série de vantagens para envolvidos, como aumento da relação de confiança entre produtores e consumidores, desenvolvimento dos territórios, valorização da cultura regional e do “saber-fazer”, agregação de valor ao produto, a abertura de novos mercados e preservação do meio ambiente.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
19/07/2018
Produção de feijão-caupi no Estado do Amazonas
Manaus - AM
01/08/2018
16º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha
Sorriso - MT
25/08/2018
Expointer 2018
Esteio - RS
27/08/2018
XI Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais
São Cristóvão - SE
03/09/2018
XII Congresso da Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção
Viçosa - MG
07/09/2018
Simpósio Métodos Rápidos para avaliar qualidade tecnológica e contaminantes em grãos
Londrina - PR
18/09/2018
IV Dia de Campo Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
Passo Fundo - RS

07/08/2018
Curso sobre Fertirrigação
Petrolina - PE
09/08/2018
Adubação orgânica
Manaus - AM

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada