dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     09/08/2022            
 
 
    

Embora o Brasil seja detentor de abundantes recursos hídricos e grande biodiversidade, sua produção aquícola ainda é irrisória. O desempenho da aqüicultura é baseado em espécies exóticas com o uso de tecnologias importadas, como acontece com o camarão marinho e a tilápia. A produção de espécies nativas é pouco representativa e bastante amadora, por falta de informações e tecnologias. O projeto Aquabrasil procurará desenvolver informações e tecnologias adaptadas às condições regionais e locais para melhorar o desempenho da aquicultura brasileira, a fim de propiciar o abastecimento do mercado interno e a exportação, tendo como linha mestra a promoção de um grande salto tecnológico capaz de promover a sustentabilidade da atividade, do ponto de vista econômico, social e ambiental, com geração de emprego e renda e a inclusão social de parcelas significativas do campo. Está baseado na ênfase à pesquisa nas espécies de valor econômico, considerando as peculiaridades regionais e a proteção à biodiversidade, tendo sido definidas como prioritárias as espécies camarão marinho L. vannamei, a tilápia GIFT, O. nilótica, proveniente da Malásia, em âmbito nacional e o tambaqui, C. macropomum e a cachara, P. reticulatum, em âmbito regional.

Este projeto coloca foco na pesquisa, na medida em que elege espécies prioritárias e executa as ações de pesquisa com visão de cadeia produtiva, da fazenda ao consumidor. Busca, através do melhoramento genético, a obtenção de alevinos de qualidade e produtivos, o desenvolvimento de rações nutricionalmente balanceadas em consonância com os hábitos alimentares de cada espécie, a identificação e o controle sanitário integrados, o desenvolvimento e adoção de boas práticas de manejo dos sistemas de cultivo para produção de matéria-prima segura e passível de processamento agroindustrial, melhorando e desenvolvendo novos produtos práticos, seguros e com alto valor agregado, com aproveitamento máximo do pescado e eliminação de resíduos ao mínimo possível.

Melhoramentos genéticos efetuados com peixes têm mostrado um potencial de ganho de crescimento de 15% por geração. Cada nova geração melhorada serve de base para o próximo passo e se estima que na sexta/sétima geração alcancem o dobro da taxa de crescimento da população original, resultando em alevinos de qualidade e produtivos a serem disseminados na piscicultura nacional. Cada geração melhorada será imediatamente transferida para a iniciativa privada, de forma a se obter gerações sucessivas melhoradas e de melhor desempenho que a anterior. A iniciativa privada já é parceira no projeto, possibilitando a transferência de tecnologias de melhoramento e de produção.

Aliadas à obtenção de alevinos de qualidade e mais produtivos, via melhoramento genético, torna-se necessária a formulação/obtenção de rações nutricionalmente balanceadas que estejam em consonância com os hábitos alimentares de cada espécie, a fim de obter desempenho máximo com redução ao mínimo de descarga de compostos fosforados e nitrogenados nos sistemas de cultivo. Ingredientes alternativos regionais serão testados para avaliar a possibilidade de redução de custo de rações, mantendo o princípio do atendimento aos requerimentos nutricionais de cada espécie, ao tempo em que serão testados probióticos tanto para melhorar o desempenho produtivo da tilápia e do tambaqui como a resposta imune do camarão branco, L. vannamei.

Na medida em que houver incremento das atividades de cultivo, mais e mais a sanidade e a biossegurança serão demandadas e constituirão entraves ao desenvolvimento do setor. Métodos de prevenção e desenvolvimento de tecnologias visando a redução do uso indiscriminado de antibióticos e quimioterápicos serão cada vez mais demandados. Nesse sentido, serão desenvolvidas ações que sejam capazes de promover a identificação e controle sanitário integrados, a padronização de metodologias de análises parasitológicas em peixes, metodologias para estudos hematológicos e metodologias de coleta de amostras de peixes e água para estudos parasitológicos, hematológicos e histopatológicos, de forma a se obter procedimentos padrões para todo o território nacional, possibilitando a obtenção de produtos sadios e seguros.

O próximo passo refere-se ao desenvolvimento e adoção de boas práticas de manejo nos sistemas de cultivo de cada propriedade/fazenda para otimizar os índices sócio-ambientais e econômicos, o que implica em maximizar o uso da água em seus quesitos de qualidade e quantidade. Água de boa qualidade é condição imprescindível para produção de peixes de qualidade. Para tanto será necessário considerar não apenas o corpo d’água na propriedade, mas também o entorno e a origem da água utilizada, o que envolve, por exemplo, controle da erosão na propriedade e no seu entorno, entre outros fatores. Exige também o uso de rações de qualidade que minimizem a descarga de compostos fosforados e nitrogenados bem como assegurar-se de que a ração esteja sendo fornecida na medida do consumo dos peixes. Exige também um acompanhamento diuturno para avaliação das condições de saúde dos peixes, por exemplo, para minimizar o uso de quimioterápicos. O desenvolvimento e a adoção de boas práticas de manejo garantem a produção de matéria-prima segura e passível de processamento industrial, de forma a agregar valor, melhorando os produtos já existentes e desenvolvendo novos produtos práticos, com aproveitamento máximo do pescado produzido. Ações de pesquisa serão desenvolvidas para reduzir ao máximo os resíduos produzidos no processo de criação e processamento industrial. Está em desenvolvimento um software, “Aquisys”, no qual os produtores poderão entrar com as informações do seu sistema de cultivo e receber resultados quanto ao seu manejo, bem como informações sobre órgãos ligados ao licenciamento ambiental, opções para auxiliar a avaliação de boas práticas de manejo de tilápia, diagnóstico rápido de boas práticas de manejo por avaliação visual da propriedade, avaliação visual de alterações físicas e comportamentais dos peixes para diagnósticos de saúde e avaliação de qu

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Aquicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada