dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/10/2017            
 
 
    

Pesquisas conduzidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) constatou que, em áreas de Sistemas Agroflorestais (SAFs), no município de Mazagão, localizado no estado do Amapá, a espécie florestal pau-mulato (Calycophyllum spruceanum (Benth.) K. Schum.) apresenta, em média, a idade de 5 a 11 anos, e o crescimento do diâmetro varia de 0,9 a 2,4 centímetro ao ano. Isso demonstra a grande capacidade de crescimento desta árvore abundante em áreas de florestas de várzea. A Embrapa Amapá pesquisa o pau-mulato com a finalidade de criar um modelo de manejo para uso sustentável das áreas de várzeas, por meio do Projeto Florestam. Os pesquisadores recomendam que o primeiro desbaste da regeneração inicial do pau-mulato deva acontecer por volta dos 6 meses após o fim do ciclo da roça, ou da prática da agricultura no espaço escolhido para o SAFs. Desbaste é o corte e remoção parcial das árvores de uma área, com a finalidade de acelerar o crescimento em diâmetro.

Na primeira fase de desbaste, as mudas do pau-mulato geralmente estão com altura média de 30 centímetros e diâmetro na base do solo de 0,51 centímetros. O segundo desbaste pode ser feito quando as árvores do pau-mulato estiverem com 4 a 7 anos de idade. Nessa faixa, o diâmetro médio pode chegar a 17 cm e a altura a 15 m, com árvores de troncos retos e forma bem definida, e nesta fase a sua madeira roliça já é adequada para produzir caibros, postes, cercas, e ser usada como lenha e carvão.

Árvore do pau-mulato pode chegar a 30 metros de altura

A equipe do pesquisador Marcelino Carneiro Guedes, da Embrapa Amapá, líder do Projeto Florestam, observou que o pau-mulato é uma das espécies madeireiras mais comercializadas no estado do Amapá. Dos R$ 16 milhões estimados com a venda de madeira de várzea nos canais Pedrinhas, Jandiá e Bueiro (localizados em Macapá e Santana, AP), em torno de 20% desta receita vem do comércio com o pau-mulato. Dados do Projeto Florestam apontam grande potencial de regeneração natural do pau-mulato, com densidade média de aproximadamente 47 mil mudas por hectare em área de roça abandonada. O manejo de regeneração pode render, no segundo debaste, uma madeira roliça apropriada para produzir energia, postes e construções rústicas. Já ao final do ciclo a madeira pode ser usada para serraria, reduzindo as despesas para o produtor, que não precisa produzir e plantar as mudas.

Como descobrir a idade do pau-mulato?
Você sabe quanto anos vive uma árvore de pau-mulato, como podemos fazer para saber a idade das árvores? Uma das formas é usar a dendrocronologia, que é o ramo do conhecimento que estuda o tempo de formação da madeira. A árvore vai engrossando de dentro pra fora e, assim, o meio do tronco é de fato a árvore quando ela era bem novinha. Quanto mais grossa, mais velha é a árvore. Para saber a idade, é simples: basta contar os anéis marcados no tronco da árvore, a partir do meio até a beira. Cada anel representa um ano de crescimento da árvore!

Diâmetro médio da tora fica em torno dos 17 centímetros

O pau-mulato é uma árvore nativa do Brasil. É bastante encontrada na floresta de várzea da Amazônia e sua madeira é muito usada pelos ribeirinhos para construir suas casas. Ribeirinhos são pessoas que vivem na beira dos rios e possuem um modo de vida baseado na constante relação com a água, desde o transporte aos alimentos. O pau-mulato não passa despercebido, pois seu tronco pode chegar até 30 metros de altura, é reto como uma vela e muito bonito. A casca do tronco é fina, quando jovem a cor é esverdeada e com o passar dos anos fica marrom e até castanho-escura.

Uma curiosidade sobre o pau-mulato é quando ele troca de casca, fica exposta a camada interna avermelhada. Isso acontece todos os anos. De aspecto aveludado, o tronco liso dá a impressão de ter sido envernizado. O pau-mulato tem uma copa pequena e rala e isso facilita seu uso em Sistemas Agroflorestais (SAFs), que é uma forma de manejar a terra combinando árvores frutíferas ou madeireiras com agricultura e, se quiser, também a criação de animais. Essa facilidade acontece porque o pau mulato é um tipo de árvore que permite a passagem da luz, causando pouca sombra.
 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Gustavo Spadotti Amaral Castro
21/10/2013 10:06:37
Parabéns pela pesquisa Marcelino. Esta e outras árvores podem compor um SAF adequado para as populações amazônicas.

FERNANDO CARDOSO-USP ESALQ, 1936
24/10/2013 15:48:04
Felizes aqueles que têm o pau mulato como sua árvore de formatura. Plantei essa espécie tanto na graduação como no jubileu. Visito o campus da Escola de tempos em tempos para admirar e reverenciar os dois monumentos arbóreos.

francis.micheli@yahoo.com.br
20/04/2015 17:36:03
Para a propagação desta espécie, plantei 1 desse mulato na porta do condominio parque do sol,990apartamentos em 9 torres onde moro em guarulhos sao paulo. para reportagens e pesquisas futuras rua cabo joao teruel fregoni 124 cep 07032-000. tem na rua tambem oliveira, acer sacharum maple syrup americano,acer tridente, oliveira,liriodendro,gingko biloba, pinheiro do brejo distichum,jenipapo,sapoti,acer liquidambar,betula,alamo prateado,flor do deserto,platanus,cerejeira botan,andiroba.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
3 comentários
Integração reduz impactos ambientais
Além de emitir menos gás carbônico, lavouras, pastos e florestas integrados minimizam problemas com erosão e degradação do solo
Inseticida combate broca-da-erva-mate sem agredir ambiente
Bovemax, que deve chegar ao mercado este ano, utiliza apenas um óleo vegetal e um fungo que causa doença ao inseto da cultura
Pimenta bode: cheiro forte, frutos uniformes e ideal para conserva
Embrapa Hortaliças vai lançar pimenta em junho, mas sementes só chegam ao mercado para os produtores no ano que vem
Ração de galinhas poedeiras proporciona maior lucratividade na venda de ovos
Diminuição do nível de fósforo reduz custos da mistura
Dica: bê-a-bá da balança rodoviária
O emprego destes equipamentos reduz os custos operacionais e proporcionam agilidade. Para garantir pesagens seguras, no entanto, é importante estar munido de algumas informações.
O uso de maturadores na cultura do café
Alternativa de produto tem o objetivo de, com sua aplicação foliar, promover maior uniformidade da maturação e também a antecipação da colheita de 15 a 20 dias.
Produção de Híbridos na Piscicultura
Tecnologias como a indução hormonal e reprodução artificial, tornam a produção de peixes híbridos uma prática relativamente simples
A pecuária e os gases de efeito estufa
A qualidade da dieta do animal tem forte influência sobre a emissão de metano e é essa uma das principais linhas de pesquisa visando mitigar a emissão de GEE
A maior oferta de carne bovina no mundo depende de nós
Os números recentes da pecuária comprovam que a atividade responde rapidamente aos investimentos
O descaso das autoridades ocasionou prejuízos aos produtores de feijão
O que os produtores desejam são regras claras. Se não há recursos para cumprir as promessas, não as façam. Não induzam a pesados prejuízos os sofridos produtores brasileiros
Nova cultivar de feijão rende de quatro a cinco mil quilos por hectare
Indicada para produtores de PR e SP, a IPR Tuiuiú deve chegar ao mercado em 2011
Embrapa investe em tecnologias sustentáveis para combater doenças na lavoura
A expectativa é que dentro de dois anos novos produtos não tóxicos estejam disponíveis
Fitorreguladores equilibram desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da planta
Substância reguladora impede que algodoeiro cresça demais, reduzindo os custos de produção em 4%
Inseticidas usam bactérias para combater insetos nas plantações
Produto não agride o meio ambiente, é 100% eficaz e pode ser usado em diversos tipos de cultura

Conteúdos Relacionados à: Silvicultura
Palavras-chave

 
21/10/2017
Dia de Campo Sistemas Integrados de Produção Agropecuária
Sete Lagoas - MG
23/10/2017
Semana Nacional de Ciência
Petrolina - PE
24/10/2017
XXII Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol (RNPG) e o X Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol
Lavras - MG
07/11/2017
SemiáridoShow
Petrolina - PE

28/09/2017
Curso Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
São Carlos - SP
23/10/2017
Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores da Produção Integrada de Morango - PIMo
Jaguariúna - SP
21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada