dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     17/10/2018            
 
 
    

Diante da tendência de esgotamento das fontes de energia não-renováveis no mundo, juntamente com as mudanças climáticas, a sociedade tem se preocupado com o padrão atual de consumo dos combustíveis derivados do petróleo. Assim, se tem concentrado esforços na busca de fontes alternativas de energia renovável, destacando-se a produção de etanol proveniente da cana-de-açúcar.

Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores de cana-de-açúcar, tendo esta cultura ocupado, aproximadamente, 7 milhões de hectares na safra 2008, com estimativa de aumento em torno de 10% para a safra 2009. Em particular, o estado de Mato Grosso do Sul tem aumentado significativamente a área plantada com esta cultura. Para a safra 2009, a estimativa é de 322 mil hectares, o que pode representar um aumento de 17% em relação à safra 2008. Essa expansão da cultura de cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul tem levado à reorganização do espaço produtivo local. Áreas anteriormente destinadas ao cultivo de grãos e pastagens têm dado lugar ao cultivo de cana-de-açúcar. Mais ainda, áreas com pastagens degradadas têm sido utilizadas para o estabelecimento da cultura. Com objetivo de assegurar a sustentabilidade da cultura da cana-de-açúcar no Estado, julgamos necessário que as áreas em expansão e estabelecimento não coloquem em risco a qualidade dos recursos hídricos, ou seja, as águas superficiais e subterrâneas.

O consumo de agrotóxicos na cultura da cana-de-açúcar no Brasil é de, aproximadamente, 13% do total comercializado. Tal consumo coloca a cultura como a segunda que mais consome agrotóxicos no Brasil atualmente. Esse alto consumo de agrotóxicos, juntamente com a expansão da cultura no Estado, pode colocar em risco a qualidade dos recursos hídricos. Diante disso, a Embrapa Agropecuária Oeste tem como uma das suas metas avaliar o possível impacto do cultivo da cana-de-açúcar sobre os recursos hídricos, principalmente em relação à possibilidade de contaminação deles por resíduos de agrotóxicos.

Para tal, a Unidade desenvolve um projeto de pesquisa com o objetivo de avaliar o comportamento ambiental dos dois agrotóxicos mais usados na cultura da cana-de-açúcar, na região de Dourados. O projeto teve início em abril de 2009 e, recentemente, instalou-se um experimento no campo para avaliação da lixiviação (movimento vertical do agrotóxico ao longo do perfil do solo, juntamente com a água da infiltração proveniente da chuva ou irrigação). Será avaliada também a persistência desses agrotóxicos no solo, bem como a sua capacidade em retê-los, evitando que sejam transportados. O projeto, financiado pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), tem duração de três anos. Como resultado, espera-se uma resposta sobre a sustentabilidade da cultura na região, do ponto de vista do potencial de contaminação dos recursos hídricos por agrotóxicos.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Agricultura Sustentável
Palavras-chave

 
09/10/2018
EsalqShow 2018
Piracicaba - SP
06/11/2018
V Congresso Brasileiro de Recursos Genéticos
Fortaleza - CE


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada