dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     28/02/2020            
 
 
    

A cercosporiose do milho (Cercospora zeae-maydis) se espalhou por todo o mundo e hoje é, seguramente, a doença foliar mais importante desta cultura. Também conhecida por mancha cinza da folha do milho (gray leaf spot of corn), ela foi descrita pela primeira vez em 1924, por Tehon e Daniels, no estado norte-americano de Illinois. Entre as décadas de 1940 e 1970 a doença se expandiu geograficamente atingindo vários estados americanos, tornando-se a mais destrutiva doença foliar do milho nos Estados Unidos.

No Brasil, apesar de antigos relatos de uma cercosporiose em milho como doença secundária, o primeiro foco epidêmico ocorreu na safrinha no ano agrícola 1999/2000 na região de Rio Verde e Jataí no sudoeste de Goiás. Nessa região, era comum o plantio contínuo do milho através da sucessão (plantio de verão/safrinha/milho de inverno – irrigado), o que contribuiu para o aumento do inóculo da doença até a sua explosão na safrinha de 2000. Hoje, a cercosporiose encontra-se presente em todas as regiões produtoras de milho no Brasil.

Geralmente os sintomas iniciais expressam-se nas folhas inferiores das plantas, devido à principal fonte de inóculo consistir dos restos culturais infestados em ciclos anteriores. Se o inóculo for trazido pelo vento de fontes externas, as infecções primárias poderão ocorrer nas folhas superiores.

Os sintomas iniciais apresentam-se como minúsculas lesões, circundadas por halos amarelos, que são evidenciados observando-se uma folha doente contra a luz. Estas lesões se expandem tornando-se alongadas, delimitadas pelas nervuras secundárias e com extremidades em geral retangulares, atingindo dois a cinco centímetros de comprimento por dois a quatro milímetros de largura (sintoma típico), apresentando coloração palha quando jovens e, tornando-se necróticas, com coloração cinza, em lesões mais velhas. Esta coloração cinza se deve devido à intensa esporulação do fungo sobre a lesão. Dependendo da interação genótipo/ambiente as lesões podem também apresentar-se com formato irregular e bordos castanho-avermelhados.

As cloroses e necroses das folhas estão associadas com a produção, de uma toxina denominada cercosporina. Esta toxina antecede à expansão das lesões, promovendo a destruição das membranas celulares, provocando a morte das células. A ação da toxina na folha é facilmente notada ao se voltar a folha doente contra a luz, ficando visível um halo amarelado em torno da lesão.

"Produção 'salva' 
 pela aplicação
 de fungicidas
 em milho
"

Afonso Maria Brandão

Em ataques severos, as lesões podem se fundir, acarretando grandes perdas de área fotossintetizante, podendo tomar todo o limbo foliar e provocar a morte precoce das folhas. A severidade da mancha por Cercospora é favorecida pela ocorrência de temperaturas entre 22 e 30°C e umidade relativa acima de 95%. Estudos mostram que o progresso da doença é beneficiado pela alternância de duas condições distintas: um período de água livre sobre a folha e outro período com a superfície foliar seca, ambas sob umidade relativa alta. Quando o esporo atinge a folha ele se fixa na superfície e necessita de água livre para “germinar”. Depois de germinado é necessário um período com a superfície foliar seca para que ocorra a penetração, que se dá pelos estômatos. A colonização da folha inicia-se a partir deste processo.

Essas condições são muito comuns nas regiões de plantio de milho brasileiras, onde o orvalho molha as folhas logo no início da noite e este molhamento se prolonga até a manhã seguinte, para então iniciar um outro período com as folhas secas. Sob condições desfavoráveis, a doença paralisa seu desenvolvimento, que é retomado rapidamente, tão logo as condições voltem a ser favoráveis. A disseminação ocorre principalmente pelo vento e por respingos de chuva. Por isso, um fator de grande importância para a ocorrência severa da doença é a presença, na superfície do solo, de restos culturais infectados, que constituem a fonte primária de inóculo.

O milho é uma planta extremamente sensível à perda de área foliar e, quando esta perda ocorre prematuramente, acarretará consequências diretas para a produção. A diminuição da área foliar ativa levará à redução da produção dos fotossintatos que seriam utilizados para enchimento de grãos, acarretando redução drástica da produtividade. Quando a destruição foliar é intensa a planta procurará compensar esta perda de produção de carboidratos, recorrendo-se da reserva de açúcares do colmo, enfraquecendo-o e propiciando a colonização deste por outros fungos, como Colletotrichum, Gibberella, Fusarium ou Stenocarpella, s estes, causadores de podridões do colmo do milho. Essa colonização irá causar apodrecimento do colmo, resultando no tombamento prematuro da lavoura, trazendo prejuízos ainda mais severos.

O agricultor deve se conscientizar que o plantio de híbridos altamente suscetíveis em extensas áreas é um fator multiplicador de inóculo que poderá comprometer, em curto prazo, a produção de milho naquela região. Essa conscientização dos produtores faz parte do manejo racional da doença que deve ser feito através de medidas integradas que se iniciam antes mesmo da semeadura, no planejamento da lavoura.

Ou seja:

- É importante o conhecimento histórico das condições climáticas vigentes no período de conduç&atil

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Sanidade Vegetal - Artigos já Publicados

Fernanda Cristina Juliatti
Mofo branco em soja: danos causados e alternativas para o manejo da doença
07/05/2012

BASF
Multiplicando grãos dourados
26/01/2012

Ihara
Controle da mancha de ramulária (Ramularia areola) do algodoeiro
19/01/2012

Bayer CropScience
Período de estiagem: alerta para a infestação de ácaros nas lavouras de soja
12/01/2012

Bayer CropScience
Novos desafios para o manejo de lagartas na cultura de soja
15/12/2011

Ihara
Mofo Branco: plantio de soja merece atenção ao avanço do patógeno
08/12/2011

BASF
Agricultura 2.0
10/11/2011

Bayer CropScience
Umidade e temperaturas baixas: sinal de alerta para o produtor de batatas
18/10/2011

IHARA
Utilização de maturadores na cultura da cana-de-açúcar em final de ciclo
11/10/2011

Ihara
Desequilíbrio de ácaros do cafeeiro
22/09/2011

BASF
Quebra de dormência em macieira
15/09/2011

Bayer CropScience
Efeito ‘Força Anti-Stress’ na safra verão
25/08/2011

IHARA
Spodoptera no tomate industrial
16/08/2011

BASF
Manejo de doenças do trigo e lançamentos BASF
28/07/2011

Ihara
Patógenos: um desafio à qualidade sanitária da semente
21/07/2011

Bayer CropScience
Nematóides no milho safrinha
14/07/2011

Bayer CropScience
Trigo com produtividade e qualidade
09/06/2011

AgroPlan-UFV
Controle alternativo de pulgões
07/06/2011

Bayer CropScience
Controle do greening: manejos regional e local
17/05/2011

BASF
Inovações tecnológicas: Sistema de Produção Clearfield ® Arroz
12/05/2011

Bayer CropScience
Citricultura: controle do ácaro da falsa ferrugem
05/04/2011

BASF
Produtos biológicos complementam o manejo de pragas e doenças
25/03/2011

AgroPlan-UFV
Reforma no Código Florestal ameaça nossas florestas
10/03/2011

Bayer CropScience
Manejo de lagartas na cultura da soja
03/03/2011

BASF
Mercado legal de sementes é aliado para aumento de produtividade
17/02/2011

BAYER
Manejo de doenças na cultura da soja
27/01/2011

AgroPlan - UFV
Controle de pragas com biopesticidas
27/12/2010

Syngenta
Cana alimenta o modelo energético do futuro
23/12/2010

BASF
Barter garante tranquilidade para o cafeicultor
21/12/2010

Bayer CropScience
Manejo e controle de cigarrinhas das raízes na cana-de-açúcar
20/12/2010

Basf
Tratamento industrial de sementes
17/11/2010

Bayer CropScience
Manejo de doenças no milho
16/11/2010

Basf
Setor sucroenergético se mobiliza em prol da sustentabilidade
20/10/2010

Bayer CropScience
Nematóide em soja
15/10/2010

Bayer CropScience
Controle da cochonilha-da-roseta no café Conilon
29/09/2010

Bayer CropScience
Manejo de doenças em cereais de inverno
13/09/2010

Syngenta
Pulgão provoca alerta nas lavouras de milho no planalto do Parecis
04/08/2010

Bayer CropScience
Plantas daninhas resistentes no Brasil
02/08/2010

Bayer CropScience
Manejo de plantas daninhas na cultura do milho
09/07/2010

Syngenta
A agricultura e as mudanças climáticas
05/07/2010

Bayer CropScience
Manejo de plantas daninhas no sistema inverno/verão
30/06/2010

Arysta
Clima chuvoso e quente favorece surgimento de Greening nos pomares paulistas
10/06/2010

Bayer CropScience
Controle de requeima na cultura tomateira
04/06/2010

Syngenta
Para uma safra mais produtiva
25/05/2010

Bayer CropScience
Requeima (Phytophthora infestans) em batata e tomate
20/05/2010

Bayer CropScience
O uso de maturadores na cultura do café
20/04/2010

Arysta
Aplicação de amicarbazone para controle eficiente da Brachiaria decumbens
13/04/2010

Syngenta
Percevejo ataca o milho no Sul de Minas Gerais
09/04/2010

Syngenta
Pulgão provoca alerta nas lavouras de milho no Planalto do Parecis
25/03/2010

Basf
Uso de fungicidas em arroz irrigado
18/03/2010

Bayer Cropscience
Manejo de Lagartas na Cultura da Soja
12/03/2010

Milenia Agrociências
Manejo correto pode reduzir os custos dos defensivos no plantio da soja em até 35%
05/03/2010

Arysta LifeScience
Alternativas à resistência de plantas daninhas a herbicidas
02/03/2010

Basf
Aplicações de Cabrio Top® e o aumento da concentração da arginina e do nitrogênio na videira
19/02/2010

Bayer CropScience
Florescimento deve trazer prejuízos para a cana-de-açúcar na safra 2010/2011
05/02/2010

Arysta LifeScience
Chuvas demandam aplicação mais efetiva de defensivos nas lavouras de hortaliças
27/01/2010

Milenia Agrociências
Peculiaridades da agricultura brasileira desafiam empresas de agroquímicos
25/01/2010

Basf
Requeima e Pinta Preta são batatas quentes na mão do produtor
21/01/2010

Bayer CropScience
Brasil pode sofrer forte epidemia da ferrugem da soja
21/12/2009

Basf
Yield Max e as aplicações de defensivos na soja
21/12/2009

Basf
Serviço Digilab dá suporte ao produtor e ambiente
17/11/2009

Milenia Agrociências
Sistema de trocas beneficia produtor
11/11/2009

Bayer CropScience
Manejo de buva resistente
05/11/2009

Conteúdos Relacionados à: Doenças
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada