dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     17/11/2017            
 
 
    

Por volta do século XVI, os portugueses introduziram no Brasil as primeiras sementes de mangueiras pertencentes à raça Filipínica, que são geralmente fibrosas e poliembriônicas, a exemplo da ‘Espada’. A variedade de manga Espada é a mais antiga e comum em todo território nacional, seguida pela manga “Rosa”. Muitas das variedades nacionais são comuns dependendo da região de cultivo, como as variedades Bourbon em São Paulo, Ubá em Minas Gerais, Carlotinha (Bahia), entre outras. No entanto, grande parte da manga consumida no Brasil é estrangeira, como as variedades Tommy Atkins, Palmer e Haden, entre outras, que também são as mais exportadas.
 

Variedade Espada

Possui porte elevado, produtiva e tem boa qualidade para o consumo ao natural. O fruto tem forma alongada (oblonga) e pesa em torno de 300g. A cor da casca é verde ou verde amarelada, polpa fibrosa e muito usada como porta-enxerto. Tem brix  de 18º a 20º e pode produzir duas vezes por ano.

Possui porte elevado, produtiva e tem boa qualidade para o consumo ao natural.

Variedade Rosa

Foi introduzida em São Paulo em 1923, sendo uma variedade brasileira tradicional e muito importante no Nordeste. Tem porte médio, poliembriônica e de produção precoce. O fruto tem forma oblonga cordiforme, pesa em torno de 350g e muito aromático. A cor da casca é atrativa (rosa avermelhada), polpa amarelo ouro, fibrosa com brix entre 14º a 16º. É resistente à doença fusariose ou à má formação vegetativa e floral.

Tem porte médio, poliembriônica e de produção precoce.

Variedade Tommy Atkins

Foi originada de uma progênie da variedade Haden, na década de 20, na Flórida, Estados Unidos, e introduzida no Brasil em 1960. Atualmente é a variedade mais cultivada no país e a principal manga de exportação no mundo. Tem fruto de tamanho médio a grande (450g a 500g), casca espessa e avermelhada, polpa firme, suculenta e brix de 17º.  A semente é monoembriônica.

É a variedade mais cultivada no país e a principal manga de exportação no mundo.

Variedade PalmerFoi originada no ano de 1945, Flórida, Estados Unidos, de parentais desconhecidos e introduzida no Brasil na década de 60. Tem copa aberta, semitardia e, atualmente, tem boa aceitação no mercado interno. Os frutos são verde arroxeados, quando imaturos, e tornam-se corados de vermelho escuro, quando maduros. A polpa é amarelada, firme com pouca ou nenhuma fibra e excelente paladar (brix 21,6º), concorrendo ao da variedade Tommy Atkins. As sementes são monoembriônicas e compridas.

Tem copa aberta, semitardia e, atualmente, tem boa aceitação no mercado interno.

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Bernd Strugale
28/09/2014 - 05:18
Matéria curta, objetiva e profissional.
Encontrei exatamente o que buscava.
Parabéns e obrigado.

Marcia M
04/05/2015 - 14:34
Na Região da Bahia existe uma variedade de manga adocicada e pequena, o caroço é fino e que costuma se consumida com a casca, que é mais fina que as outras. Quem souber o nome e se é possível encontrar mudas dessa variedade na Região Sudeste, por favor me enviem um e-mail: marcia_maki@terra.com.br

TADEU
10/07/2017 - 14:50
MUITO BOA A REPORTAGEM . MAS CURTA

Para comentar
esta matéria
clique aqui
3 comentários

Conteúdos Relacionados à: Fruticultura
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada