dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     29/04/2017            
 
 
    
Máquinas e Implementos  
Semeadura de culturas de inverno
As máquinas utilizadas para a semeadura das culturas de inverno são denominadas de semeadoras de fluxo contínuo. Essas distribuem as sementes de forma contínua
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Semeato
22/02/2010

Em qualquer sistema, a semeadura deve possibilitar o estabelecimento rápido e uniforme da população de plantas desejada. Para isso, a semeadora deve formar um ambiente de semeadura que possibilite a absorção de água pelas sementes e as condições de temperatura e disponibilidade de oxigênio adequadas ao processo de germinação. A germinação deverá ocorrer o mais rápido possível para reduzir o risco de ataque de pragas de solo e, para isso, a semente necessita de um contato total com o solo, de modo a acelerar a absorção de água.

As máquinas utilizadas para a semeadura das culturas de inverno ou culturas de grãos miúdos (trigo, aveia, cevada,...), são denominadas de semeadoras de fluxo contínuo, ou seja, apresentam sistema de distribuição de sementes através de rotores acanalados helicoidais, que distribuem as sementes de forma contínua, diferentemente das semeadoras de precisão que distribuem as sementes de forma individual. Outra característica marcante das semeadoras de grãos miúdos é o espaçamento entre linhas. Estas máquinas apresentam espaçamentos entre linhas reduzido, normalmente de 17 cm.

Basicamente, existem dois tipos de semeadoras que podem ser utilizadas para a semeadura de grãos miúdos:

-semeadoras específicas para grãos miúdos, tipo TD;
-semeadoras múltiplas, que realizam tanto a semeadura de grãos miúdos como de grãos graúdos.

No caso das máquinas múltiplas, se faz necessário prepará-las para a semeadura com espaçamento reduzido, visto que o último trabalho realizado por estas máquinas foi a semeadura de culturas de grãos graúdos (soja, milho,...), que se utilizam de espaçamentos entre linhas maiores.

A transformação destas máquinas de grãos graúdos para grãos miúdos é específica para cada modelo, mas, basicamente, resume-se na retirada dos sulcadores de adubo (tipo facão) e a retirada do sistema distribuidor de sementes de grãos graúdos (tipo alveolado ou pneumático). Após a retirada destes conjuntos, deve-se montar e reposicionar as linhas que irão realizar a semeadura de grãos miúdos, de acordo com o espaçamento que será utilizado. Esse tipo de máquina oferece uma gama maior de opções quando se trata do espaçamento entre as linhas.


Máquina múltipla utilizada no plantio do trigo


As máquinas múltiplas são importantes, pois, além de proporcionarem melhorias na qualidade do Sistema Plantio Direto, possibilitam a introdução de novas espécies, viabilizando, desta forma, a rotação de culturas que é fundamental para o sucesso do sistema.  Estas máquinas também apresentam algumas particularidades no que se refere à qualidade da semeadura: pelo fato de trabalharem com rodas limitadoras de profundidade apresentam uma semeadura mais uniforme e menor revolvimento de solo, o que são características muito favoráveis em se tratando de Plantio Direto. Outro ponto favorável às múltiplas é que, pelo fato de utilizarem as linhas fixadas em dois tubos porta ferramentas, apresentam uma maior defasagem entre as mesmas. Essa é uma característica importante, pois possibilita maior vazão da palhada, diminuindo significativamente a possibilidade da ocorrência dos “embuchamentos”, principalmente quando a semeadura se realiza sobre resteva de milho, que possui um volume bastante grande de palhada.
 

Calibração da semeadora

O conhecimento da semeadora e a velocidade empregada durante a semeadura, são importantes para a uniformidade populacional de plantas e, consequentemente, para o rendimento de grãos. Esses fatores determinarão o sucesso na distribuição de sementes no solo e o estabelecimento da lavoura, que terão reflexos diretos na produtividade final da lavoura.

A recomendação oficial da quantidade de sementes para as culturas de inverno varia, conforme a cultura, de 200 a 330 sementes aptas/m². A recomendação para o trigo, por exemplo, é de 300 a 330 sementes aptas/m². Já para a cevada, recomenda-se de 225 a 250 sementes aptas/m². Como o peso de mil sementes dessas culturas podem variar muito em função das condições climáticas, da adubação, principalmente nitrogenada, e da cultivar, entre outros, o ideal é que a regulagem seja feita em função do número de sementes por metro linear. Desta forma, em uma semeadura com espaçamento de 17 cm entre linhas, deverão ser distribuídas, entre 50 até 60 sementes por metro linear, o que resultará em 300 a 330 plantas/m². 

Para calcular a quantidade de sementes a ser distribuída por hectare, deve-se seguir os seguintes passos:

a)considerando-se um stand desejado de 300 plantas/m², deve-se corrigir o poder germinativo da semente (90%): sem/m² = 300 x 0,9 = 330 sem/m²  ou 3.330.000 sem/ha.

b)supondo-se que o peso de mil sementes seja de 40 gr a quantidade em kg/ha será:Kg/ha = 3.330.000 x 40 gr = 133,2 kg/ha

c)se o espaçamento utilizado for de 17 cm entre linhas, então teremos uma constante de 588,2 (10.000 m² : 17 cm), assim:133,2 kg/ha : 588,2 = 226,5 gr/100metros

d)se em 40 gr temos 1000 sementes, em 226,5 gr teremos 5.662,5 sementes.

Desta forma, para regular a quantidade de sementes, a semeadora, apóspercorrer 100 metros, deverá distribuir 226,5 gramas de sementes em cada uma das linhas, ou então, deverá distribuir 56,6 sementes por metro linear.

A regulagem de fertilizante segue o mesmo raciocínio utilizado para a regulagem de sementes, por exemplo: a quantidade desejada de fertilizante é de 250 kg/ha e a máquina apresenta espaçamento entre linhas de 17 cm (constante de 588,2), então teremos:

250 kg/ha : 588,2 = 425 gr/100metros
A máquina deverá distribuir, em 100 metros percorridos, 425 gr de adubo em cada uma das linhas.


Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Máquinas e Implementos - Artigos já Publicados

Massey Ferguson
Palha que vira energia
01/11/2011

Branco
E se você pudesse tirar energia do lixo?
18/08/2011

Cia Caetano Branco
Garantindo energia e produtividade
26/07/2011

AgroPlan-UFV
Equipamento de baixo custo para produção de biodiesel
05/07/2011

Massey Ferguson
Necessidade do presente, padrão do futuro
21/06/2011

Massey Ferguson
Novidades na agricultura de precisão
03/05/2011

Massey Ferguson
Boas perspectivas
31/03/2011

Massey Ferguson
Conforto que gera resultado
24/02/2011

Massey Ferguson
O trator ideal
21/01/2011

Massey Ferguson
Precisão na lavoura e no bolso
17/12/2010

Massey Ferguson
O manual do operador como ferramenta de quem não pode parar na lavoura
17/11/2010

Semeato
Semeadoras prontas para o próximo plantio
06/05/2010

Colombo
Colheita mecanizada do feijão: Sempre um desafio
24/03/2010

Semeato
Problemas na semeadura: de quem é a culpa?
12/11/2009

Mecmaq Solomaq
Calda Pronta
05/11/2009

Conteúdos Relacionados à: Mecanização
Palavras-chave

 
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
16/05/2017
AgroBrasília 2017
Brasília - DF
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada