dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     27/04/2017            
 
 
    
Máquinas e Implementos  
Colheita mecanizada do feijão: Sempre um desafio
A colheita é uma das mais importantes etapas de produção e, quando mal processada, pode provocar perda de grãos, quebras ou danos mecânicos interferindo de maneira decisiva na qualidade e valor comercial do produto.
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Colombo
24/03/2010

Na produção de feijão os sistemas de colheita semi mecanizado e mecanizado são os mais comuns na atualidade, mas para se obter boa qualidade na colheita é preciso planejamento e uso correto dos equipamentos disponíveis. No feijão uma boa colheita depende, entre outros fatores, do estado de conservação das máquinas, conhecimento dos recursos das máquinas e sua regulagem, das condições da lavoura, hábito de crescimento do feijão e de um bom preparo do solo.

Das etapas de produção do feijão, a colheita é uma das mais importantes e, quando mal processada, pode provocar perda de grãos, quebras ou danos mecânicos e provocar o escurecimento ou “barreamento” dos grãos interferindo de maneira decisiva na qualidade do produto e no seu valor comercial.

No Brasil os feijões “tipo carioca” são plantados e consumidos em larga escala, chegando a representar cerca de 60% do consumo. A variedade pérola se destaca por ser de alta produtividade e bastante aceita no mercado. É uma planta de crescimento indeterminado, ou seja, na época da colheita encontramos no mesmo pé vagens secas, vagens no ponto ideal e vagens verdes. Isso torna a colheita um processo complexo onde, via de regra, a colheita em etapas resulta em grãos ou sementes de melhor qualidade, com menos perdas, menos danos mecânicos e limpos. A colheita direta feita com automotriz necessita obrigatoriamente da aplicação de dessecantes, é mais rápida, mas gera mais perdas e depreciação do produto na comercialização. Contudo, em algumas situações como o excesso de chuvas na época de colheita, a colheita direta com automotriz torna-se o único processo viável para retirar a produção do campo.

A colheita em etapas, ideal para quem visa a qualidade, é feita basicamente em 3 operações :

 Corte/enleiramento feito por um Ceifador Ceiflex 4.2

corte/enleiramento – realizada por um ceifador enleirador composto basicamente por uma barra de corte, um sistema de dedos recolhedores e 2 esteiras de borracha que conduzem as plantas cortadas para o centro da máquina e as depositam enleiradas no solo.

2- Inversão da leira – realizada por um virador que recolhe a leira e a deposita lateralmente e invertida. É um equipamento opcional para uniformizar e acelerar a secagem. Melhora a qualidade dos grãos.

3- Recolhimento/trilha – feito por uma recolhedora trilhadora que separa as vagens das plantas elimina o excesso de impurezas e as deposita num tanque graneleiro  para depois descarregá-las num transbordo, numa carreta ou no caminhão. 

Recolhimento/trilha com uma Double master IV


A seguir vamos detalhar alguns pontos importantes que devem ser considerados na condução da lavoura visando à colheita mecanizada com qualidade.

A-PREPARO DO SOLO

Preparo convencional : é importantíssimo no preparo do solo que se procure uniformizar a superfície do solo o máximo possível. Não é declividade que importa e sim a uniformidade. Para isso, deve-se eliminar as depressões do solo através da grade niveladora, fazendo o repasse uma ou mais vezes nos locais onde as ondulações são mais fortes, principalmente em áreas onde havia pastagens.  O custo de se fazer alguns repasses é facilmente compensado com a diminuição das perdas na operação de corte/enleiramento.

Plantio Direto : no plantio direto como não há mobilização do solo o cuidado a ser tomado é em relação aos restos da cultura anterior. No caso do milho é importante fazer o manejo da palhada procurando uniformizar e triturar os restos de cultura. O colmo de milho que fica após a colheita deve ser triturado, caso contrário, além de dificultar o bom funcionamento das plantadeiras, irá prejudicar o corte do pé de feijão na colheita. Os restos de cultura do milho normalmente não se deterioram em 90 dias (ciclo médio do feijão).

B-PLANTIO

A principal fonte de problemas na colheita são os sulcos que as hastes de adubação deixam no solo após o plantio. As “botinhas” normalmente deixam sulcos onde poderão se localizar algumas vagens de feijão na época da colheita. Quando a planta de feijão atinge o período de maturação ocorre um acamamento natural e as vagens acabam ficando dentro desses sulcos. Durante o corte/enleiramento a barra de corte pode cortar a planta de feijão antes dessas vagens serem erguidas pelos dedos levantadores. Esse é um fator gerador de perdas. Nesses casos aconselha-se o uso de rolos niveladores/destorroadores logo após o plantio. Além de promover um melhor contato entre a semente e o solo, o rolo irá eliminar os sulcos de plantio e desmanchar boa parte dos torrões.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
osmar barbieri
16/06/2014 - 19:06
Porque não colheita direta do feijão , sem uso manual, não pode ser feito um ceifador juntamente com a colheita ?

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Máquinas e Implementos - Artigos já Publicados

Massey Ferguson
Palha que vira energia
01/11/2011

Branco
E se você pudesse tirar energia do lixo?
18/08/2011

Cia Caetano Branco
Garantindo energia e produtividade
26/07/2011

AgroPlan-UFV
Equipamento de baixo custo para produção de biodiesel
05/07/2011

Massey Ferguson
Necessidade do presente, padrão do futuro
21/06/2011

Massey Ferguson
Novidades na agricultura de precisão
03/05/2011

Massey Ferguson
Boas perspectivas
31/03/2011

Massey Ferguson
Conforto que gera resultado
24/02/2011

Massey Ferguson
O trator ideal
21/01/2011

Massey Ferguson
Precisão na lavoura e no bolso
17/12/2010

Massey Ferguson
O manual do operador como ferramenta de quem não pode parar na lavoura
17/11/2010

Semeato
Semeadoras prontas para o próximo plantio
06/05/2010

Semeato
Semeadura de culturas de inverno
22/02/2010

Semeato
Problemas na semeadura: de quem é a culpa?
12/11/2009

Mecmaq Solomaq
Calda Pronta
05/11/2009

Conteúdos Relacionados à: Mecanização
Palavras-chave

 
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
16/05/2017
AgroBrasília 2017
Brasília - DF
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada