dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     23/10/2014            
 
 
    
Bovinos Leiteiros    
Leite: 50% a mais de produtividade com novo sistema de pastejo rotacionado
Técnica substitui período de descanso fixo por altura ideal em que cada capim deve ser pastejado
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo
11/05/2010

A pastagem rotacionada já é uma técnica bem conhecida pelos produtores brasileiros. Ela consiste em  dividir o pasto em porções, ou piquetes, e colocar os animais para pastejar cada piquete por vez. Só que a maioria dos produtores faz a rotação de pasto de acordo com um período fixo de dias, não levando em consideração que cada planta tem suas necessidades nutricionais e reage de forma diferente em cada pasto. A nova proposta de pastagem rotacionada aumenta a produtividade do animal de 30% a 50% porque trabalha com as particularidades de cada capim. O animal só deve entrar no pasto quando o capim atingir a altura ideal, que não é determinada por dias fixos.

— Para aumentar esta produtividade, não há custos adicionais porque não depende de investimentos e sim da atenção do produtor ir lá e organizar o seu pasto para colher na hora certa. Primeiro, ele deve conhecer a planta que está utilizando. A gente tem uma infinidade de plantas e cada planta tem uma exigência de manejo diferente, então é importante saber qual é a planta, se o ambiente atende à exigência da planta em termos nutricionais, em quantidade de água, em solo, relevo, e a partir disto encontrar o manejo adequado, a altura e a lotação, para que o pasto tenha um bom rendimento e se perpetue ao longo do tempo — explica Roberta Carnevalli, pesquisadora da Embrapa Gado de Leite.

Planejamento e atenção são palavras-chave para a melhoria da pastagem rotacionada. A pesquisadora diz que o produtor deve lançar mão de estratégias de planejamento para que ele consiga maiores benefícios como aumento de lotação, conservação de forragem, fornecimento de suplemento, diminuição do período de ocupação e aumento da velocidade de rotação dos pastos. Isto porque ele deve estar atento à meta de altura de entrada (que é a altura ideal que o capim atinge para os animais serem colocados no pasto) e a meta de altura de saída. Segundo Roberta, esta meta vai depender das condições das pastagens dos outros piquetes e o produtor precisa ficar atento a isto.

— O capim-mombaça é uma planta de alta exigência nutricional, mas que também responde com uma alta produção de forragem. Os animais devem ser colocados no pasto com este capim quando ele atinge 90 centímetros de altura. Já um capim-tanzânia, que é da mesma família e também tem uma correspondência em produtividade, deve ser manejado com 70 centímetros de altura. Quando a gente pega uma braquiária como o capim-marandú, ele já é manejado em 35 ou 30 centímetros de altura. Então cada capim vai ter uma altura de manejo adequado para o seu rendimento — exemplifica Roberta.

"Planejamento e aten-
 ção são palavras-
 chave para melhoria
 da pastagem rotaci-
 onada"

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Portal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Portal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
paulo joel costa
09/09/2014 - 20:16
estou desenvolvendo este projeto em minha propriedade,junto com a emater de minas Vou usar capim mombaça,tenho uma area de 2(duas) ha para 20 vacas.quantos metros quadrados deverá ser cada piquete.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Manejo
Palavras-chave

 
29/10/2014
V Seminário Sobre Segurança e Saúde na Agricultura
Jundiaí - SP
03/11/2014
27ª Reunião Anual do Instituto Biológico - RAIB
São Paulo - SP
04/11/2014
2º Simpósio Internacional sobre Magnésio na Agricultura, Qualidade dos Alimentos e Saúde Humana
São Paulo - SP
04/11/2014
XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste
Natal - RN
18/11/2014
Simpósio Nacional de Instrumentação Agropecuária (SIAGRO)
São Carlos - SP
19/11/2014
Agroecol2014
Dourados - MS
19/11/2014
Agroecol 2014
Dourados - MS
24/11/2014
V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental
Belo Horizonte - MG
05/05/2015
IV SIGERA - Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos Agropecuários e Agroindustriais
Rio de Janeiro - RJ
23/11/2015
6º Simpósio de Restauração Ecológica
São Paulo - SP

24/11/2014
Curso Aspiração folicular e manipulação de oócitos bovinos
Coronel Pacheco - MG

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada