dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     02/09/2014            
 
 
    
Bovinos        
Plantas potencializam ação de químicos contra parasitas em bovinos
Princípios ativos naturais matam insetos, inibem crescimento de vermes e melhoram a ação dos remédios
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo
04/08/2010

Os bovinos, tanto de corte quanto de leite, sofrem muito com problemas causados por parasitas e os produtores precisam lançar mão do uso de remédios como carrapaticidas e vermífugos com frequência. Porém, com a constante e grande quantidade de aplicação dos produtos, muitos parasitas ficaram resistentes aos químicos, tornando o controle mais difícil e mais caro para os produtores. A fitoterapia, que usa os extratos e princípios ativos de plantas naturais, pode ajudar a melhorar este problema dos produtores de bovinos. As plantas podem até ser oferecidas diretamente aos animais, mas a forma mais comum e, talvez, mais eficiente é a incorporação destas substâncias aos próprios remédios, mudando a formulação dos produtos e potencializando a ação deles.

— Em bovinos de leite, o carrapato é um grande problema e em bovinos de corte o maior problema já é a mosca dos chifres. A fitoterapia não tem um uso pontual, você pode pensar em administrar uma folha de alguma planta para um animal de forma direta na alimentação ou utilizar esta planta identificando o princípio ativo que ela tem, fazendo a síntese deste princípio ativo e utilizando isto em um produto comercial. Se a gente consegue chegar a algum fitoterápico ativo, isso não quer dizer que ele vai excluir o uso de algum produto comercial, na verdade, é um produto a mais para ser usado. Você acrescenta na formulação algum princípio ativo vegetal que vai potencializar e melhorar a ação do produto. O uso da fitoterapia não necessariamente exclui o uso de produtos químicos tradicionais — explica a bióloga e doutora em medicina veterinária preventiva Ana Carolina de Souza Chagas, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste.

A tecnologia com o uso de fitoterápicos aplicados aos remédios antiparasitários ainda não está disponível no mercado brasileiro. A Embrapa Pecuária Sudeste, em parceria com outras unidades da Embrapa como a Gado de Leite e universidades como a Unicamp, está desenvolvendo um grande projeto para avaliar o potencial antiparasitário de diversas plantas. O universo a ser estudado é muito grande porque dezenas de espécies podem ser utilizadas. As pesquisas nos laboratórios também querem descobrir se as plantas com poder de controle de parasitas têm algum efeito tóxico sobre os animais e, para isso, são usadas cobaias ao longo do projeto, antes delas serem testadas nos bovinos a campo.

Os resultados, até agora, mostram que há uma diversidade de plantas que consegue matar carrapatos, reduzir a fertilidade da fêmea ou inibir a eclosão das larvas. O projeto tem final previsto para o ano que vem e, até lá, os pesquisadores esperam conseguir resultados mais práticos com a comparação de grupos de animais que receberam o controle fitoterápico com os que não receberam para saber se efetivamente a planta estudada pode controlar o parasita. A doutora em medicina veterinária preventiva chama a atenção para os cuidados que os produtores devem ter no uso de qualquer produto, mesmo que eles sejam à base de substâncias naturais.

— É importante ressaltar que nós não temos produtos disponíveis no mercado registrados para uso porque é uma área nova de pesquisa tanto no Brasil quanto no exterior. Se nós chegarmos a um produto ao final deste projeto é importante que o produtor tenha consciência de que se ele não usar este produto de uma forma racional ele vai incentivar que os parasitas desenvolvam rapidamente a resistência também ao fitoterápico. Existe um novo conceito hoje em controle de parasitas que é utilizar o mínimo possível os produtos antiparasitários porque você não expõe a carne e o leite. O produtor precisa entender que ele deve ficar atento ao que ele ouve o vizinho falar, não é porque é um produto natural que o animal não vai ter uma reação tóxica ou até aborto. É preciso ter cuidado com produtos com propaganda que existem por aí e não foram registrados e devidamente estudados do início ao fim — alerta Ana Carolina.

Foto na home: Acervo do Laboratório de Sanidade Animal do CPPSE

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Portal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Portal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Cupim
05/08/2010 - 10:53
Parabens pela matÚria e iniciativa de pesquisa tÒo importante para os dias atuais e o futuro.
Apenas critico a reportagem por nÒo citar as plantas que vÛm sendo testadas e por sempre citarem, ou primarem, que ainda nÒo hß produtos disponÝveis para tal.
Creio que o problema nÒo seja ter ou nÒo produtos, mas sim o agricultor dominar ou nÒo e poder testar tecnologias que estejam a seu alcance.
Longa discussÒo, porÚm nÒo antes se deixar meus cumprimentos e abraþos.
Obrigado

Juliana Royo
05/08/2010 - 11:07
Bom dia, Cupim
Fico feliz que o senhor tenha gostado da reportagem.
As pesquisas ainda estÒo em andamento e como sÒo dezenas de plantas pesquisadas, o nome delas s¾ serß divulgado ao final dos estudos quando os pesquisadores tiverem chegado a um resultado conclusivo de quais plantas exatamente tÛm poder antiparasitßrio. Por enquanto, ainda estÒo sendo feitos testes. Quando os pesquisadores concluirem os estudos e divulgarem o nome das plantas, o Portal Dia de Campo farß uma outra reportagem.
Muito obrigada pela sua participaþÒo,
Juliana Royo.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Fitoterapia
Palavras-chave

 
08/09/2014
Exphomig 2014
Barbacena - MG
14/09/2014
25º Congresso Brasileiro de Entomologia (CBE)
Goiânia - GO
07/10/2014
IV Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno
Brasília - DF
04/11/2014
XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste
Natal - RN
24/11/2014
V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental
Belo Horizonte - MG
05/05/2015
IV SIGERA - Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos Agropecuários e Agroindustriais
Rio de Janeiro - RJ
23/11/2015
6º Simpósio de Restauração Ecológica
São Paulo - SP

30/08/2014
Curso teórico e demonstrativo em Agricultura Orgânica - Módulo II
Indaiatuba e Serra Negra - SP
18/09/2014
Curso de Identificação de Árvores e Madeiras do Bioma Cerrado
Sinop - MT
27/09/2014
Curso teórico e demonstrativo em Agricultura Orgânica - Módulo III
Indaiatuba e Serra Negra - SP

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada