dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/09/2019            
 
 
    
Soja      
Análise de solo pode reduzir custos do produtor
Dose correta de fertilizantes que precisa ser aplicada evita carência de nutrientes, que limita a produtividade, e o excesso de adubação, que desperdiça dinheiro
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo
05/11/2010

Conhecer bem o solo da propriedade é um ponto-chave para ter sucesso na lavoura. Saber que nutrientes existem na terra, qual é a quantidade deles disponível e qual é a necessidade de cada cultura é fundamental para a lucratividade do produtor. Se houver carência de nutrientes, a planta não consegue se desenvolver da melhor forma possível, não atinge todo o seu potencial e limita a produtividade da lavoura. No caso comntrário também há um impacto grande no bolso do produtor. Se ele não conhece o seu solo e aplica fertilizantes sem saber quais são as necessidades pode estar jogando dinheiro fora. O excesso de nutrientes não faz a cultura produzir mais do que o potencial dela, então, a aplicação dos fertilizantes é feita à toa. Isto pode representar um peso muito grande para alguns produtores já que os gastos com adubação chegam a representar entre 30% a 40% de todo o custo de produção.

— O que pode acontecer com o agricultor que não faz a análise de solo e não acompanha a sua lavoura é que ele pode estar colocando quantidades muito grandes de um fertilizante e poucas de outro, limitando a produtividade dele ou gastando dinheiro desnecessariamente. Por exemplo, o teor de fósforo no solo dele pode ser extremamente alto e ele continuar jogando fósforo, só que a produção não aumenta e ele está gastando dinheiro à toa. Dois agricultores que produziram a mesma quantidade de soja não ganharam necessariamente a mesma quantidade de dinheiro porque um gastou mais do que o outro. Ganhou mais aquele que economizou dinheiro na aplicação dos insumos. A principal recomendação é: não deixe de fazer a análise de solo. Não tem como acertar a adubação se ele não fizer a análise. É importante lembrar que o custo dos fertilizantes representa, em algumas regiões, de 30% a 40% do custo de toda a implantação da lavoura — ressalta o pesquisador Cesar de Castro, da Embrapa Soja.

Castro diz que a soja é uma cultura que exige todos os nutrientes, tanto os macro como nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre, quanto os micronutrientes como boro, ferro, manganês e molibdênio. Os principais, que precisam estar disponíveis para a planta em maior quantidade, são o nitrogênio, fósforo e potássio. No entanto, o nitrogênio não precisa ser aplicado à cultura em forma de fertilizante. Graças à tecnologia de inoculação, bactérias do tipo rizóbias são introduzidas nas sementes de soja. Elas têm o poder de fixar nitrogênio, o que elimina a necessidade de adubo nitrogenado já que a inoculação é um processo muito mais barato do que a compra de todo o fertilizante nitrogenado que seria necessário para satisfazer a soja. O fato do potássio, fósforo e nitrogênio serem os mais importantes para a cultura, não significa que os nutrientes devam ser ignorados. A soja precisa de todos eles para se desenvolver plenamente, atingir altas produtividades e todos eles são limitantes da produção.

— O sucesso da adubação começa com a análise de solo. A quantidade de fertilizantes a ser aplicada à soja vai ser definida em função da análise do solo. Se nós fizermos um paralelo com o ser humano, quando nós vamos ao médico é em função do exame que ele pode recomendar o remédio adequado caso a pessoa esteja doente. Então, caso o solo não tenha a quantidade adequada de nutrientes nós vamos colocá-los em função de uma tabela que determina as quantidades para atender a necessidade da cultura. Com base no resultado da análise de solo, ele pode fazer aplicação de potássio em cobertura antes do plantio ou no suco de semeadura junto com o fósforo. No acaso do nitrogênio, em que as sementes serão inoculadas com bactérias, são usadas cerca de 1.200 bactérias por semente — esclarece.

O pesquisador explica que a análise de solo deve ser feita alguns emses antes do plantio para dar tempo da coleta ser feita em todos os talhões da lavoura, sair o resultado e o produtor conseguir decidir que fertilizante de qual marca ele vai utilizar naquela safra. A análise precisa ser feita com antecedência porque é ela que vai determinar todas as estratégias de adubação utilizadas. Mas mesmo o produtor que fez a análise de solo de forma correta e está plantando a soja agora precisa ficar atento. É preciso saber como a planta está respondendo à adubação. Por isso, o pesquisador recomenda que sejam feitas análises foliares, na época de início do florecimento da soja. Dessa forma, o agricultor sabe exatamente como está a nutrição da planta e se ele está absorvendo os nutrientes que foram aplicados ao solo corretamente.

— A análise foliar também é importante. Fazendo mais um paralelo com o Homem, não é porque uma pessoa come que ela está bem. É preciso fazer um exame de sangue para saber se ela está com anemia ou não e se está realmente tudo bem. Tanto an análise foliar quanto na análise de solo é preciso que o produtor faça coletas em cada talhão para conhecer todas as áreas da propriedade e saber em que talhão ele precisa utilizar mais ou menos fertilizante. O produtor pode se basear na publicação anual sobre a cultura que é a Tecnologias de Produção da Soja para a Região Central do Brasil. A publicação de 2011 já saiu e pode ser encontrada no site da Embrapa Soja (www.cnpso.embrapa.br) — explica Castro.

 

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Jornal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Leandro do Prado Wildner
05/11/2010 - 14:25
+ lamentßvel que em pleno sÚculo 21 existam produtores do agroneg¾cio que nÒo atendam a um requisisto bßsico da produþÒo de grÒos: fazer a anßlise do solo.
Por outro lado, os tÚcnicos devem ser mais incisivos em suas afirmativas: "anßlise do solo REDUZ (e nÒo pode reduzir) os custos de produþÒo.
PARAB+NS PELO TEMA E OPORTUNIDADE.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Adubação
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada