dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     18/03/2019            
 
 
    

A vacinação é um dos métodos mais eficazes na prevenção de doenças. No Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) preconiza a vacinação obrigatória para algumas doenças como febre aftosa, raiva e brucelose. A prática de vacinação contra clostridioses, rinotraqueíte infecciosa bovina (IBR), diarreia viral bovina (BVD), leptospiroses, entre outras, previne vários prejuízos causados por elas.

Como vacinar

A aplicação correta da vacina influencia no resultado e garante a saúde do rebanho. Uma boa resposta vacinal depende da qualidade da vacina, da resposta imune do animal e do processo de vacinação, que deve ser feito corretamente.

Um ponto primordial é adquirir produtos confiáveis (fabricantes idôneos), de alta qualidade, eficácia e segurança. Os pecuaristas devem sempre consultar um médico veterinário. Não é recomendado vacinar animais doentes, debilitados e estressados (ex.: estresse de transporte e desmame).

O processo de vacinação deve ser conduzido de uma maneira tranquila, de preferência nos horários mais frescos do dia.

A vacina deve ser mantida em geladeira (temperatura correta de conservação entre 2° e 8° C).

Durante o processo de vacinação, as vacinas também devem estar refrigeradas (em caixa de isopor com gelo, por exemplo). Não guardar as vacinas em congelador. Agitar o frasco antes de usar. Não guardar frascos abertos, utilizar todo o conteúdo. Sobras de vacinas devem ser destruídas.

Utilizar seringas e agulhas limpas e esterilizadas. Cuidados com a contaminação de todo o material, pois poderá causar abscessos nos animais vacinados.

Durante a vacinação, é recomendado sempre trocar de agulha. As agulhas com ponta romba, com sujidades, contaminantes ou que tenham caído no chão devem ser substituídas.

Em animais primovacinados (vacinados pela primeira vez), a dose reforço é muito importante para a obtenção de níveis ótimos de proteção.

Para que o animal produza os anticorpos necessários à sua proteção, é imprescindível que seja vacinado em condições de saúde e que não esteja sob administração de medicamentos imunossupressores, por exemplo, com corticoides.

No Brasil, os animais são vacinados principalmente contra as seguintes enfermidades:

Febre aftosa

A vacinação contra febre aftosa é obrigatória em todos os Estados, exceto Santa Catarina. Todas as vacinas são inativadas e acrescidas de adjuvante oleoso. O calendário é determinado pelo MAPA.

Brucelose

A vacina contra brucelose é feita em dose única e somente em fêmeas entre 3 e 8 meses de idade, com amostra B19 de Brucella abortus. A vacinação deve ser feita sob orientação de um médico veterinário responsável, de acordo com a legislação vigente.

Clostridioses

Ourovac® Clostridium deve ser aplicada em todos os animais, pois as clostridioses causam a mortalidade rapidamente e são impossíveis de serem erradicadas, já que os esporos das bactérias estão disseminados no ambiente.

A primeira dose é recomendada a partir dos dois meses de idade com reforço 30 dias após em bezerros filhos de mães vacinadas. Caso a mãe não tenha sido vacinada e a região seja de alto desafio, a primeira dose pode ser feita com duas semanas de idade, e o reforço após 30 dias. Neste caso é recomendado fazer a revacinação aos seis meses. Recomenda-se revacinar todos os animais anualmente.

Botulismo

A vacinação contra o botulismo é feita em regiões onde haja sua ocorrência. Geralmente recomenda-se o uso de duas doses iniciais com quatro a seis semanas de intervalo e a seguir uma dose anual em todo o rebanho.

Leptospirose

A primeira dose da vacina contra leptospirose deve ser aplicada entre quatro e seis meses de idade, com reforço após quatro semanas. Todo o rebanho deve ser vacinado a cada seis meses ou em intervalos menores, a critério do médico veterinário.

Raiva bovina

A vacinação contra raiva bovina é feita em regiões onde existem colônias permanentes de morcegos hematófagos (sugadores de sangue). A vacinação se torna obrigatória em 100% dos animais quando aparecem focos esporádicos da doença, em certas regiões. A aplicação da vacina é anual e todo o rebanho deve ser vacinado, independente da idade. O esquema recomendado é de duas doses iniciais, com intervalo de 30 dias e revacinação anual de todos os animais.
A vacinação dos bovinos deve ser associada à imunização dos demais animais existentes na propriedade, tais como cães, gatos, equídeos, suínos, caprinos e ovinos.

IBR, BVD

Recomenda-se a vacinação aos três meses de idade, com reforço após quatro semanas e revacinação anual em dose única. É importante vacinar os animais em reprodução um mês antes do início da estação de monta.

Procedimentos de vacinação

O procedimento de vacinação deve ser planejado com antecedência para evitar falhas no manejo na data programada.
Antes da vacinação deve ser feita uma inspeção no tronco de contenção para verificar e recolher materiais que possam causar lesões nos animais, como pontas de madeiras e pregos.
Deve-se estabelecer o cronograma para a vacinação e determinar o funcionário responsável pela atividade, desde separar o gado até o retorno dos animais ao pasto.

Aplicação da vacina

O local da aplicação deve ser sempre na tábua do pescoço, evitando outras partes do corpo como cupim, lombo, dorso e prega da cauda.
Para a aplicação subcutânea, a seringa deverá ser posicionada paralelamente ao pescoço do animal. A pele deverá ser puxada, formando uma prega, onde será introduzida a agulha para aplicação da vacina. Após a vacina aplicada, aguarde um segundo para que não haja refluxo.
Para aplicação intramuscular, a seringa deverá ser posicionada perpendicularmente ao pescoço do animal.

Soltura do animal e repetição do processo

Observações durante o processo de vacinação:
- De tempos em tempos, verificar a caixa de isopor (se ainda permanece gelada).
- A cada cinco a dez animais, trocar a agulha. Colocar as agulhas utilizadas no recipiente com água fervendo e retirar conforme a necessidade do uso.
- Ao final da vacinação, observar os animais para identificar possíveis reações adversas.
- Após o uso, fazer a lavagem e desinfecção da pistola e agulhas. Retirar a agulha e desmontar a seringa cuidadosamente, colocando as peças em um recipiente com uma solução com CB-30 TA.
- Lavar todas as peças cuidadosamente com uma escova e esponjas limpas.
- Colocar as peças em um recipiente com água e deixar ferver por 15 minutos.
- Retirar todas as peças da água fervente e colocar sobre uma toalha de papel; lembrar de mantê-las cobertas enquanto as peças secam. Após todos os procedimentos e pistola completamente seca, montar a seringa e guardá-la frouxa. Lubrificar com óleo específico indicado pelo fabricante. Recomenda-se guardar a seringa lubrificada e lavar antes do uso. Não é indicado fazer a lubrificação antes da vacinação para que não ocorra mistura com a vacina. Guardar o equipamento em local limpo, fresco e organizado.

Uma vacinação adequada, de acordo com a orientação do médico veterinário e com as boas práticas garante a saúde do rebanho e a lucratividade do negócio.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Murilo Bichuette
19/04/2011 - 13:41
Ëtimo material. ParabÚns aos autores!

manoel fernandes
29/10/2014 - 20:24
POR QUE A VACINA EM ALGUNS ANIMAIS PROVOCAM REAÇÃO OU UM CAROÇO SEM PUS

Graciela Braccini
27/10/2015 - 16:00
Material bem elaborado. Parabéns!

Loureiro
27/05/2016 - 16:15
Para que a mateira ficasse completa seria melhor se tivesse sido colocado a quantidade em ml. para cada tipo de vacina.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
4 comentários

Sanidade Animal - Artigos já Publicados

Sanex
Ambiência: uma preocupação da avicultura brasileira
16/02/2012

Ourofino
A importância do consumo da carne vermelha
02/02/2012

Sanex
Criação de bezerras: Como prevenir diarreias e melhorar resultados com o uso de eletrólitos
05/01/2012

Sanex
O uso dos eletrólitos na produção de aves
01/12/2011

Ourofino
Novos desafios da produção leiteira
24/11/2011

Sanex
Ácidos orgânicos e Salmonella
06/10/2011

Ourofino Agronegócio
Doença respiratória de bovinos
20/09/2011

Sanex
Práticas de acidificação em água e ração
30/08/2011

Ourofino Agronegócio
Confinamento bovino
09/08/2011

Ourofino Agronegócio
Febre do leite
12/07/2011

Ourofino
Berne/Dermatobiose (Dermatobia hominis)
01/03/2011

Ourofino Agronegócio
Stomoxus calcitrans: mosca dos estábulos
19/01/2011

Novartis
Efeitos das parasitoses sobre a reprodução bovina
17/01/2011

Ourofino
Boas práticas de ordenha
07/12/2010

Novartis
Mosca-do-estábulo: problema em área rural
05/11/2010

Ourofino
Um mal silencioso
25/10/2010

Novartis
Controle do carrapato: por que se deve “quebrar” as gerações?
01/10/2010

Ourofino
Controle estratégico da verminose dos bovinos
23/09/2010

Syntec
Utilização de maleato de acepromazina em laminite
08/09/2010

Novartis
O médico veterinário e a área comercial
02/09/2010

Merial Saúde Animal
Controle parasitário em bovinos leiteiros - Parte II
01/09/2010

Ourofino
Planejamento e organização de medicamentos contribuem no combate às doenças no rebanho
25/08/2010

Ourofino
IATF: um atalho para maior produtividade
12/08/2010

Merial
Programa de Controle Parasitário Estratégico Integrado das Parasitoses
11/08/2010

Syntec
Importância da gentamicina no tratamento de mastite em búfalas
10/08/2010

Novartis
Problemas causados por roedores em áreas rurais
30/07/2010

Syntec
Importância da diarreia em bezerros
28/07/2010

Ourofino
Pneumonia Bovina
21/07/2010

Tortuga
Produção de volumoso
19/07/2010

Novartis
O teste de sensibilidade aos carrapaticidas e suas vantagens
12/07/2010

Vallée
Qualidade do Leite
08/07/2010

Novartis
Produção Animal: Bases Fisiológicas da Produtividade
16/06/2010

Merial
Controle parasitário em bovinos leiteiros - parte I
15/06/2010

Ourofino
Manejo Sanitário na seca: momento decisivo!
08/06/2010

Syntec
Considerações sobre as cirurgias abdominais com equino em posição quadrupedal
02/06/2010

Pfizer
Diarreia neonatal: inimiga do bezerro, prejuízo para o produtor
27/05/2010

Vallée
Intoxicação em animais domésticos
21/05/2010

Merial Saúde Animal
Época da desmama exige cuidados sanitários e de manejo
18/05/2010

Novartis
Resistência aos carrapaticidas: um fantasma recorrente
14/05/2010

Novartis
Problemas causados pelas moscas domésticas na produção animal
11/05/2010

Pfizer
Importância do controle estratégico e integrado de parasitas
07/05/2010

Ourofino
Qualificação no campo contribui para a prevenção da mastite
04/05/2010

Syntec
O que é Síndrome Metabólica Equina?
30/04/2010

Vallée
Uso correto de vacinas e vacinações
23/04/2010

Merial
Controle de clostridioses em confinamento
19/04/2010

Ourofino
A sanidade no foco das discussões
16/04/2010

Syntec
Artrite infecciosa (Artrite Séptica): Uma ameaça para equinos atletas
12/04/2010

Pfizer
Doenças infecciosas em suínos
07/04/2010

Novartis
Fundamentos da mastite bovina e seus impactos na produção
06/04/2010

Vallée
Como tratar e identificar a Tristeza Parasitária Bovina
30/03/2010

Ourofino
Mastite bovina: Higiene pode evitar a doença
12/03/2010

Pfizer
Controle da coccidiose em aves evita queda de produção
11/03/2010

Syntec
Cesárea em vacas: Sim ou Não?
10/03/2010

Vallée S.A
Manejo do Neonato
08/03/2010

Merial Saúde Animal
Casos subclínicos de mastite podem colocar em risco sanidade do rebanho
24/02/2010

Novartis
Espiroquetose Intestinal Aviária: Uma realidade brasileira
23/02/2010

Ourofino
Um problema ambiental chamado Stomoxys Calcitrans (Mosca dos Estábulos)
15/02/2010

Syntec
Treinamento sob Tranquilização. É possível?
12/02/2010

Pfizer
Selante interno: ferramenta importante no controle da mastite
08/02/2010

Merial Saúde Animal
Manejo e controle sanitário são fundamentais na criação de equinos
04/02/2010

Vallée S/A
Verminoses causam grandes prejuízos ao produtor
30/01/2010

Tortuga
A importância da utilização da oxitetraciclina na clínica veterinária
29/01/2010

Novartis
Efeitos na produção e controle das para das parasitoses bovinas
23/01/2010

Real H
Otimizando a atividade leiteira através da Homeopatia Populacional
19/01/2010

Merial
Controle da Bronquite Infecciosa nos plantéis aviários brasileiros ainda é um desafio
18/01/2010

Pfizer
Doenças reprodutivas causam perdas em gado de corte
08/01/2010

Vallée
Clostridioses em Bovinos
22/12/2009

Novartis
Moscas domésticas: um risco subestimado à produção
22/12/2009

Ourofino
A importância da estação de monta no sistema de produção de bovinos de corte
22/12/2009

Pfizer
Um bom começo
10/12/2009

Merial
Ingestão de colostro pelos leitões é o primeiro passo para uma perfeita resposta imune
09/12/2009

Ourofino
Prejuízo com mosca-dos-chifres no rebanho brasileiro pode chegar a US$ 150 milhões por ano
03/12/2009

Novartis
Medicação via água na Suinocultura
03/12/2009

Pfizer
Inseminação Artificial em Tempo Fixo aumenta produtividade em fazendas
11/11/2009

Merial
Calendário sanitário nas fazendas garante lucro, eficiência e bem-estar animal
23/10/2009

Novartis
A importância do controle das verminoses
23/10/2009

Ourofino
Clostridioses
21/10/2009

Conteúdos Relacionados à: Manejo
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada