dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     07/07/2020            
 
 
    

A febre do leite, conhecida também como paresia puerperal, hipocalcemia puerperal, febre vitular ou mal da vaca caída, é uma doença metabólica que ocorre comumente na primeira semana pós-parto, devido ao desequilíbrio orgânico de cálcio e fósforo, resultando em sinais clínicos de hipocalcemia aguda, que normalmente ocorre nas primeiras 72 horas após o parto, porém pode ocorrer antes ou mesmo durante os primeiros 30 dias de lactação.

Tal alteração normalmente ocorre devido às altas exigências de cálcio para a produção de colostro e leite, situação de elevada demanda deste mineral que em situações normais é plenamente atendida pela ação do paratormônio (PTH), hormônio secretado pela paratireóide que atua disponibilizando o cálcio dos ossos para uso sistêmico do animal. Em situações em que ocorra a abrupta elevação de demanda de cálcio, no intervalo de liberação de PTH e sua atividade disponibilizando cálcio para o organismo pode ser observado o quadro clínico de hipocalcemia.

Eventualmente a febre do leite pode ser confundida com deficiências nutricionais, balanço energético negativo ou subnutrição, problemas comuns durante períodos de estiagem mais severos e que embora distintos, tem a conduta de tratamento muito semelhante.

A febre do leite pode predispor complicações secundárias (retenção de placenta, metrite, mastite, atonia ruminal, entre outros) e mortes; causam sérios prejuízos à pecuária brasileira, podendo em alguns casos acarretar em perdas de 5 a 10% na produção leiteira e redução de até três anos na vida útil destes animais. Bezerros filhos de vacas que sofreram com a febre do leite tendem a tornarem-se fracos e tardios.

SINAIS CLÍNICOS

Os sinais clínicos da febre do leite são divididos em três fases distintas. No estágio inicial o animal apresenta um breve período de excitação com mugidos frequentes, tremores, ranger de dentes, respiração difícil e inapetência também se observam diminuição da sensibilidade a estímulos táteis e sonoros. No segundo estágio o sinal mais evidente é o animal em decúbito com a cabeça voltada para o flanco; observa-se diminuição da consciência, midríase, reflexo pupilar diminuído ou ausente, flacidez muscular (membros), aumento da frequência cardíaca, hipotermia (extremidades), narinas secas e sem brilho; o animal pode ter parada ruminal e timpanismo secundário. No terceiro estágio o animal apresenta-se em decúbito com completa flacidez muscular, pulso diminuído e consideráveis alterações na frequência cardíaca; a perda da consciência fica ainda mais evidente, evoluindo para o coma e morte do animal.

O diagnóstico muitas vezes é fechado por meio dos sinais clínicos e a resposta positiva ao tratamento é uma das maneiras eficazes de confirmar a enfermidade em questão. A resposta ao correto tratamento é quão mais eficaz, quanto mais precocemente este é iniciado.

PREVENÇÃO

A melhor forma de prevenir essa enfermidade é a adoção de uma dieta equilibrada e adequada para as distintas categorias animais. Boas práticas de manejo, redução do estresse para os animais e ambiência são também fundamentais para o sucesso do intento. O manejo pré-parto deve ser iniciado 40 dias antes do parto e alguns cuidados na fase de peri-parto 48 horas antes e 48 horas após o parto, garantem uma boa redução do índice de hipocalcemia no rebanho.

É comum a adoção de dietas com baixo nível de cálcio e alto nível de fósforo durante a gestação, no intento de estimular a atividade do PTH e, desta forma, prevenir a hipocalcemia puerperal. A administração de vitamina D na última semana de gestação também é comumente utilizada e tem sua indicação respaldada para animais com déficit nutricional e/ou estabulados e com pouca ou nenhuma exposição à irradiação solar (raios ultravioletas); uma vez que a vitamina D tem importante papel na metabolização do cálcio pelo organismo.

A utilização preventiva de cálcio via subcutânea no pós-parto imediato tem sido largamente utilizada e tem apresentado bons resultados para vacas leiteiras de alta produção.

TRATAMENTO

O tratamento da febre do leite consiste na reposição imediata de cálcio para o organismo animal, que se restabelecerá, interrompendo os espasmos e permitindo a sua retomada ao status sanitário compatível com a vida. Entretanto o fornecimento de cálcio via intravenosa exige alguns cuidados: a administração dever ser lenta e preferencialmente associado a um composto fluido vitamínico e energético. A Ourofino indica a associação intravenosa de Cálcio Reforçado Ourofino + Fortemil. Tal terapia deve ser adotada até que o animal manifeste melhora clínica e reverta o estado de convalescência; é comum os animais apresentarem melhora imediata após a adoção da terapia. O volume de cálcio a ser utilizado depende da gravidade do caso, e pode variar de 1 a 4 frascos de Cálcio Reforçado Ourofino e Fortemil.

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Sanidade Animal - Artigos já Publicados

Sanex
Ambiência: uma preocupação da avicultura brasileira
16/02/2012

Ourofino
A importância do consumo da carne vermelha
02/02/2012

Sanex
Criação de bezerras: Como prevenir diarreias e melhorar resultados com o uso de eletrólitos
05/01/2012

Sanex
O uso dos eletrólitos na produção de aves
01/12/2011

Ourofino
Novos desafios da produção leiteira
24/11/2011

Sanex
Ácidos orgânicos e Salmonella
06/10/2011

Ourofino Agronegócio
Doença respiratória de bovinos
20/09/2011

Sanex
Práticas de acidificação em água e ração
30/08/2011

Ourofino Agronegócio
Confinamento bovino
09/08/2011

Ourofino
Boas práticas de vacinação
19/04/2011

Ourofino
Berne/Dermatobiose (Dermatobia hominis)
01/03/2011

Ourofino Agronegócio
Stomoxus calcitrans: mosca dos estábulos
19/01/2011

Novartis
Efeitos das parasitoses sobre a reprodução bovina
17/01/2011

Ourofino
Boas práticas de ordenha
07/12/2010

Novartis
Mosca-do-estábulo: problema em área rural
05/11/2010

Ourofino
Um mal silencioso
25/10/2010

Novartis
Controle do carrapato: por que se deve “quebrar” as gerações?
01/10/2010

Ourofino
Controle estratégico da verminose dos bovinos
23/09/2010

Syntec
Utilização de maleato de acepromazina em laminite
08/09/2010

Novartis
O médico veterinário e a área comercial
02/09/2010

Merial Saúde Animal
Controle parasitário em bovinos leiteiros - Parte II
01/09/2010

Ourofino
Planejamento e organização de medicamentos contribuem no combate às doenças no rebanho
25/08/2010

Ourofino
IATF: um atalho para maior produtividade
12/08/2010

Merial
Programa de Controle Parasitário Estratégico Integrado das Parasitoses
11/08/2010

Syntec
Importância da gentamicina no tratamento de mastite em búfalas
10/08/2010

Novartis
Problemas causados por roedores em áreas rurais
30/07/2010

Syntec
Importância da diarreia em bezerros
28/07/2010

Ourofino
Pneumonia Bovina
21/07/2010

Tortuga
Produção de volumoso
19/07/2010

Novartis
O teste de sensibilidade aos carrapaticidas e suas vantagens
12/07/2010

Vallée
Qualidade do Leite
08/07/2010

Novartis
Produção Animal: Bases Fisiológicas da Produtividade
16/06/2010

Merial
Controle parasitário em bovinos leiteiros - parte I
15/06/2010

Ourofino
Manejo Sanitário na seca: momento decisivo!
08/06/2010

Syntec
Considerações sobre as cirurgias abdominais com equino em posição quadrupedal
02/06/2010

Pfizer
Diarreia neonatal: inimiga do bezerro, prejuízo para o produtor
27/05/2010

Vallée
Intoxicação em animais domésticos
21/05/2010

Merial Saúde Animal
Época da desmama exige cuidados sanitários e de manejo
18/05/2010

Novartis
Resistência aos carrapaticidas: um fantasma recorrente
14/05/2010

Novartis
Problemas causados pelas moscas domésticas na produção animal
11/05/2010

Pfizer
Importância do controle estratégico e integrado de parasitas
07/05/2010

Ourofino
Qualificação no campo contribui para a prevenção da mastite
04/05/2010

Syntec
O que é Síndrome Metabólica Equina?
30/04/2010

Vallée
Uso correto de vacinas e vacinações
23/04/2010

Merial
Controle de clostridioses em confinamento
19/04/2010

Ourofino
A sanidade no foco das discussões
16/04/2010

Syntec
Artrite infecciosa (Artrite Séptica): Uma ameaça para equinos atletas
12/04/2010

Pfizer
Doenças infecciosas em suínos
07/04/2010

Novartis
Fundamentos da mastite bovina e seus impactos na produção
06/04/2010

Vallée
Como tratar e identificar a Tristeza Parasitária Bovina
30/03/2010

Ourofino
Mastite bovina: Higiene pode evitar a doença
12/03/2010

Pfizer
Controle da coccidiose em aves evita queda de produção
11/03/2010

Syntec
Cesárea em vacas: Sim ou Não?
10/03/2010

Vallée S.A
Manejo do Neonato
08/03/2010

Merial Saúde Animal
Casos subclínicos de mastite podem colocar em risco sanidade do rebanho
24/02/2010

Novartis
Espiroquetose Intestinal Aviária: Uma realidade brasileira
23/02/2010

Ourofino
Um problema ambiental chamado Stomoxys Calcitrans (Mosca dos Estábulos)
15/02/2010

Syntec
Treinamento sob Tranquilização. É possível?
12/02/2010

Pfizer
Selante interno: ferramenta importante no controle da mastite
08/02/2010

Merial Saúde Animal
Manejo e controle sanitário são fundamentais na criação de equinos
04/02/2010

Vallée S/A
Verminoses causam grandes prejuízos ao produtor
30/01/2010

Tortuga
A importância da utilização da oxitetraciclina na clínica veterinária
29/01/2010

Novartis
Efeitos na produção e controle das para das parasitoses bovinas
23/01/2010

Real H
Otimizando a atividade leiteira através da Homeopatia Populacional
19/01/2010

Merial
Controle da Bronquite Infecciosa nos plantéis aviários brasileiros ainda é um desafio
18/01/2010

Pfizer
Doenças reprodutivas causam perdas em gado de corte
08/01/2010

Vallée
Clostridioses em Bovinos
22/12/2009

Novartis
Moscas domésticas: um risco subestimado à produção
22/12/2009

Ourofino
A importância da estação de monta no sistema de produção de bovinos de corte
22/12/2009

Pfizer
Um bom começo
10/12/2009

Merial
Ingestão de colostro pelos leitões é o primeiro passo para uma perfeita resposta imune
09/12/2009

Ourofino
Prejuízo com mosca-dos-chifres no rebanho brasileiro pode chegar a US$ 150 milhões por ano
03/12/2009

Novartis
Medicação via água na Suinocultura
03/12/2009

Pfizer
Inseminação Artificial em Tempo Fixo aumenta produtividade em fazendas
11/11/2009

Merial
Calendário sanitário nas fazendas garante lucro, eficiência e bem-estar animal
23/10/2009

Novartis
A importância do controle das verminoses
23/10/2009

Ourofino
Clostridioses
21/10/2009

Conteúdos Relacionados à: Manejo
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada