dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     28/11/2014            
 
 
    
Bovinos  
Prevenção é melhor método contra raiva
Doença que não tem cura afeta sistema nervoso, provocando automutilação e morte de bovinos, além de outros mamíferos
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Kamila Pitombeira
08/08/2011

A raiva é uma das piores doenças que pode infectar mamíferos. Em um rebanho bovino, pode provocar perdas enormes. Depois de infectado, não há cura e o animal deve ser sacrificado. Além disso, ela passa de animal para animal, o que pode se alastrar pelo rebanho rapidamente. Para combater o problema, o melhor método é a prevenção através da vacinação e do combate de transmissores, como o morcego.

Segundo Pedro Paulo Pires, chefe adjunto de transferência de tecnologia e médico veterinário especialista em patologia animal da Embrapa Gado de Corte, essa doença é causada por um vírus transmitido entre os mamíferos, podendo passar do bovino para o homem. O vírus é chamado, na forma popular, de vírus rábico e causa muito prejuízo ao pecuarista.

— Por ser uma doença do sistema nervoso, ela tem inúmeros sintomas que variam desde o comportamento. O animal pode ser agressivo, ficar perturbado e se mutilar. A vaca, por exemplo, pode ficar nervosa e agressiva. Ela cai e fica tentando levantar e se alimentar. Esses sintomas evoluem até a morte — conta o médico veterinário.
 
De acordo com ele, os produtores costumam relatar que o primeiro sintoma apresentado pelo animal é como se estivesse engasgado. Pires explica que o bovino começa a salivar muito, apresentar perturbação nervosa e a boca pode ficar mais aberta do que o comum. Nesse caso, o produtor costuma tentar ver se há algum corpo estranho na garganta do animal. Para ele, esse é um dos principais problemas, pois é nessa hora que o pecuarista também se contamina.

O médico diz que a melhor medida é a prevenção. No Mato Grosso do Sul, por exemplo, onde existem muitas serras com cavernas, é realizado o combate aos morcegos hematófagos e a vacinação contra raiva em todos os mamíferos.

— Os bovinos, principalmente, pois estão em maior número. No entanto, cavalos e cães também devem ser vacinados. Isso porque depois que o animal é infectado, não há nenhuma forma de tratamento, apesar de existirem tentativas heróicas para quando o homem está doente — conta.

Cuidados especiais

Para os animais infectados, Pires recomenda isolá-los completamente para evitar que eles passem a doença para outros animais. Deve-se também chamar um profissional veterinário responsável que tomará as devidas providências. Portanto, o produtor não deve fazer nada além de isolar o animal.

— Ele também não deve matá-lo. Esse animal deve ser abatido pelo profissional que recolherá o material nervoso e o levará para um laboratório. Caso o diagnóstico seja positivo, todas as pessoas envolvidas naquele caso devem ser tratadas com soro hiperimune — orienta.

O vírus é passado de animal para animal geralmente por outro animal, como diz o veterinário. O morcego, por exemplo, suga o sangue do bovino ingerindo o vírus. Ele, como mamífero, também fica doente. No entanto, antes de morrer, esse morcego morderá tantos outros animais quanto conseguir, transmitindo assim a doença.

— O quanto a doença afetará a produção dependerá de quantos animais forem mordidos por esse doente. Existem surtos de raiva em rebanhos onde a perda é muito grande — conta Pires.

Para mais informações, basta entrar em contato com a Embrapa Gado de Corte através do número (67) 3368-2000.  

 

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Portal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Doenças
Palavras-chave

 
24/11/2014
V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental
Belo Horizonte - MG
05/05/2015
IV SIGERA - Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos Agropecuários e Agroindustriais
Rio de Janeiro - RJ
23/11/2015
6º Simpósio de Restauração Ecológica
São Paulo - SP

24/11/2014
Curso Aspiração folicular e manipulação de oócitos bovinos
Coronel Pacheco - MG
01/12/2014
18º Curso de Controle Biológico de Pragas da Embrapa
Brasília - DF

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada