dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     05/08/2020            
 
 
    
Bovinos    
Carrapato bovino não deve ser erradicado
Quando bem controlado, parasita promove imunidade natural dos animais contra tristeza parasitária
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Kamila Pitombeira
16/04/2012

Por se alimentar do sangue dos animais, o carrapato bovino pode levar a quadros de anemia e enfraquecimento do animal no que diz respeito à sua imunidade. Com isso, o produtor acaba sofrendo uma queda da produtividade, tanto da carne como do leite. Ao se alimentar, o parasita também libera toxinas no organismo que diminuem o apetite dos bovinos. Além disso, ele também causa lesão no couro, o que diminui sua qualidade e valor no mercado. No entanto, apesar de todos esses problemas que o carrapato pode causar na produção, o produtor deve ter em mente que ele não pode ser eliminado totalmente do rebanho. Isso porque ele é responsável pela transmissão da tristeza parasitária bovina, mas também pela promoção de imunidade natural contra a doença.

Segundo Cláudia Gomes, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, o carrapato tende a aumentar em número nas épocas mais quentes do ano, pois o calor e a alta umidade aceleram seu desenvolvimento. Por isso, os produtores rurais devem ter um planejamento de controle do parasita.

— Se não existir um planejamento de controle de reinfestação no campo, a tendência é que essa infestação aumente de forma descontrolada — afirma a pesquisadora.

 A circulação de animais silvestres, a introdução de animais no rebanho, o tipo de vegetação, a criação do gado com outras espécies animais, a lotação dos campos, os métodos de controle químicos e não-químicos e a resistência do hospedeiro são alguns dos fatores que influenciam no crescimento populacional do carrapato.

— O manejo dos animais também influencia no controle desses parasitas, como a não utilização de alta população nos pastos. A qualidade da alimentação do animal também é importante porque interfere diretamente na imunidade do organismo. Além disso, o manejo dos pastos merece atenção. Isso porque a maior parte da contaminação está nos pastos. Se o produtor faz um descanso do pasto, ele dá oportunidade para as larvas usarem as reservas nutricionais que têm, ficando enfraquecidas. Com isso, a capacidade de infestar os animais é diminuída — explica Cláudia.
 
O controle químico, como o uso de carrapaticidas e a utilização de predadores naturais, além dos fatores genéticos de resistência natural dos animais são outras medidas que podem ser usadas para controlar a população dos parasitas no rebanho.

Principais erros

Para a pesquisadora, existem alguns erros que costumam ser cometidos pelos produtores rurais. No caso do controle químico, por exemplo, ela conta que, o manejo incorreto do carrapaticida pode levar a uma subdosagem do acaricida. Essa subdosagem, segundo Cláudia, faz com que alguns dos carrapatos permaneçam vivos. Com isso, além de reduzir os intervalos dos tratamentos, ocorre o risco de aceleração do processo de resistência contra aquele produto.

— Se o produtor utiliza acaricida de aplicação injetável, ele deve estar atento à dosagem que irá aplicar, de acordo com o peso do animal. Já se o carrapaticida é usado em banheira de imersão, ele precisa seguir a orientação do fabricante em relação à quantidade do produto, de acordo com o volume da banheira. É importante também que os bicos ejetores desse banho estejam sempre limpos para que a pressão da água seja suficiente para penetrar entre os pelos do animal. O produtor deve ainda evitar banhar os animais em dias de chuva, pois o produto sobre o corpo do animal acaba sendo lavado, o que elimina o efeito residual do carrapaticida — orienta.

Ainda segundo a pesquisadora, o carrapato também é transmissor da tristeza parasitária bovina e a imunidade natural contra essa doença se dá pelo contato do animal com o carrapato. Portanto, o produtor deve pensar no controle do carrapato para evitar perdas econômicas sem a erradicação total desse parasita, o que levaria à baixa imunidade dos animais contra essa doença e também provocaria perdas.

Para mais informações, basta entrar em contato com a Embrapa Pecuária Sul através do número (53) 3240-4650.

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Luciano Bastos Lopes - Pesquisador Embrapa (CPAMT)
13/09/2011 - 14:34
Acredito que a escolha do tÝtulo da matÚria tenha sido infeliz. NÒo hß como o carrapato trazer qualquer tipo de benefÝcio para o pecuarista, independente da infestaþÒo. Realmente, hß produþÒo de anticorpos contra os agentes causadores do complexo tristeza parasitßria, porÚm, a doenþa ocorre devido a presenþa do pr¾prio carrapato no rebanho. O carrapato nÒo traz qualquer tipo de efeito protetor, ele Ú o vetor dos agentes causadores da doenþa, Ú um fator de risco para que o quadro de tristeza parasitßria ocorra. Dessa forma, a redaþÒo do texto deveria ser revista em minha opiniÒo para nÒo causar confundimento aos pecuaristas.

Kamila Pitombeira
13/09/2011 - 20:43
Olß, Luciano. Realmente o tÝtulo da matÚria poderia ser confundido,causando diverg~encia de ideias. Portanto, ele jß foi alterado. Agradecemos pela sugestÒo e pela participaþÒo na matÚria.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Parasitas
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada