dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     26/10/2020            
 
 
    
Meio Ambiente  
Projeto visa recuperação da Mata Atlântica
Objetivo é identificar em viveiro espécies arbóreas tolerantes à acidez dos solos degradados
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Kamila Pitombeira
03/06/2013

Visando a recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica, a Embrapa Solos, em parceria com a Pesagro-Rio, deu início ao projeto "Requerimentos nutricionais de espécies arbóreas da Mata Atlântica em condições de viveiro". O projeto visa identificar as espécies mais tolerantes ao solo de áreas de reflorestamento, com base em estudos sobre a nutrição de espécies nativas sob condições de estresse químico, gerando recomendações para sistemas de restauração da Mata Atlântica em solos ácidos.

— Temos identificado uma série de problemas com relação à sobrevivência de mudas em projetos de reflorestamento com espécies da Mata Atlântica. Então, estamos tentando identificar as que são mais tolerantes a condições críticas de solo — afirma Jorge Lima, pesquisador da Embrapa Solos.

Segundo ele, uma série de espécies de diversas famílias é analisada. Em geral, as leguminosas são mais interessantes, pois fixam nitrogênio, dispensando assim o adubo nitrogenado, um fator crítico de estabelecimento das espécies.

— Existem ainda outras espécies como a leiteira preta, milho torrado, negramina, periquiteira, bacupari, cajazeira e outras espécies que contam com certa tolerância à acidez do solo — acrescenta o pesquisador.

Estudos mostram que algumas espécies se tornam mais abundantes em solos mais deficientes, como diz Lima. Outras se tornam mais abundantes em solos mais exigentes. Por isso, o projeto realiza testes em viveiro onde é possível controlar a condição de fertilidade.

— Em geral, o plantio das espécies da Mata Atlântica sofre com a degradação do solo devido ao uso da terra pelo ciclo do café e da pecuária, por exemplo. O baixo teor de fosfato e o excesso de alumínio que aparecem junto com a acidez tornam o solo quimicamente difícil. Por isso, procuramos espécies tolerantes ao excesso de alumínio e menos exigentes em termos de fósforo — explica.

O projeto conta com uma lista de 20 espécies, testando tanto a tolerância ao alumínio como ao fósforo. No entanto, segundo o pesquisador, é preciso tomar alguns cuidados também com o sistema de restauração.

— É importante fazer um levantamento das pragas que ocorrem na região. Isso tem um custo relativamente elevado. Em segundo lugar, o produtor deve conferir se as espécies do viveiro atendem às condições do local. Do contrário, será preciso investir mais em tecnologia, como o uso de fertilizantes, calcário e espécies leguminosas — orienta.

Para mais informações, basta entrar em contato com a Embrapa Solos através do número (021) 2179-4500.

Reportagem exclusiva originalmente publicada em 30/12/2011

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Arbóreas
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada