dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     20/05/2019            
 
 
    
Agronegócio  
A oportunidade aliada à necessidade no agronegócio
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Alfredo do Nascimento Junior
27/04/2012

O Brasil mantém a liderança nas exportações mundiais de carnes de frango e bovina e é o quarto maior produtor de carne suína, gerando receitas na ordem de 14 bilhões de dólares. Diante deste cenário, o aumento do custo da ração é o fato que mais preocupa o setor produtivo, devido ao valor de milho e farelo de soja, em patamares de preços históricos, não acompanhado pelos preços das carnes.

Os dados do IBGE permitem observar um crescimento de 12% do rebanho leiteiro entre 2004 e 2009, alcançando 22,4 milhões de cabeças no fim do período e um total de 1,3 milhão de estabelecimentos produtores de leite. O Brasil, sexto maior produtor mundial, tem aumentado sua produção de leite a um ritmo de + 4,5% ao ano no período 2006 – 2010, embora, com as novas estimativas, a taxa média anual deverá reduzir para + 1,7% ao ano entre 2011 e 2020, alcançando 34 bilhões de litros no final do período, de acordo com a CONAB.

A produção brasileira de carne e de leite tem como base alimentar o fornecimento de pasto, na forma de silagem ou feno, ou diretamente como pastagens cultivadas e naturais, altamente dependente da sazonalidade climática e temporal. As pastagens, em determinados períodos, denominados entressafras, disponibilizam quantidade de alimento inferior às necessidades dos animais, que poderiam ser contornadas através da suplementação com rações, feno ou silagem.

A estimativa do último levantamento da safra 2011/12 (CONAB, abril 2012), indica que a área cultivada é de 52,29 milhões de hectares, 4,8% maior que a área coberta no ano anterior. Dentre as culturas de verão, as safras de milho e de soja apresentaram crescimento, com destaque para o milho segunda safra ou "safrinha", com acréscimo de 20,1%, seguido da soja, com ganho de 3,4% e do milho primeira safra, com ganho de 8,4%. A produção estimada é de 159,20 milhões de toneladas, 2,2% inferior à obtida na safra 2010/11. Este resultado se deve às condições climáticas não favoráveis, principalmente no período entre novembro de 2011 e janeiro de 2012, que afetaram mais as lavouras de milho e de soja, sobretudo nos estados da região Sul, parte da Sudeste e no Sudoeste de Mato Grosso do Sul.

Nos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo e do Mato Grosso do Sul, a estimativa da safra 2011/12 em área plantada é de aproximadamente 22,9 milhões de hectares, ocupados pelas principais culturas (arroz, aveia, centeio, cevada, feijão, girassol, milho, soja, sorgo, trigo, triticale, etc.). Destes, 6,6 milhões de hectares são ocupados por milho e 11,5 milhões de hectares ocupados pela soja. Porém, apenas 2,37 milhões de hectares deverão ser utilizados com culturas de inverno para a produção de grãos (aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale), evidenciando elevado déficit e, ao mesmo tempo, grande oportunidade. São 15,7 milhões de hectares no inverno, que poderiam ser utilizados com cereais de inverno para a produção de grãos e pasto para atender às necessidades alimentares da produção de carne e de leite, através de tecnologias geradas pelos preceitos da integração Lavoura-Pecuária.

O uso de cereais de inverno para cultivo poderiam atender diversas demandas: pastagem, silagem ou feno, grãos para rações, cobertura de solo e fixação de carbono, rotação de culturas, movimentação das estruturas físicas e humanas disponíveis nas propriedades rurais. A sustentabilidade ambiental e econômica da agricultura familiar e dos recursos naturais é possível integrando diferentes sistemas de produção de bovinos de leite e de corte, de ovinos, de equinos, de suínos e aves, com sistemas de produção de culturas anuais baseadas em cereais de inverno.

Os demais segmentos das cadeias produtivas primárias, além da porteira, poderiam se reestruturar, física e politicamente, para permitir a diversificação nas propriedades rurais, a exemplo do passado, não muito remoto. Está na hora de produzir com lucratividade, conciliar as demandas com as oportunidades, otimizando o tempo, o conhecimento científico, a infraestrutura instalada e a terra disponível, agregando valor ao trabalho e aos produtos que podem ser gerados, visando equilibrar as contas da agropecuária e, por que não, com grãos e plantas diretamente para a produção animal.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Agronegócio
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada