dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     24/09/2021            
 
 
    
Gestão em Criatórios de Caprinos e Ovinos    
Uso de braquiária para pequenos ruminantes
Falta de cuidados com o manejo da pastagem para pequenos ruminantes pode reduzir índices produtivos destes animais
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Emanoel Elzo Leal de Barros
11/10/2012

O Brasil possui cerca de 230 milhões de hectares de pastagens, deste montante, 150 milhões são de pastagens cultivadas. Porém, 80% deste total são utilizados pelas braquiárias, tendo como principais representantes as B. brizantha cv. Marandu (capim-marandu), B. humidicola (quicuio ou humidícola) e a B. decumbens cv. Basilisk (capim-braquiária), as quais podem ser pastejadas por caprinos e ovinos.

Entretanto, as braquiárias apresentam alguns problemas, dentre os quais as cigarrinhas, a degradação e os casos de fotossensibilização, são de grande importância. A fotossensibilização observada em pastagens de Brachiaria spp. era atribuída à toxina esporodesmina produzida por esporos do fungo Pithomyces chartarum nas pastagens, com alta quantidade de material senescente. Atualmente, a toxicidade para animais em pastagens de Brachiaria spp. é atribuída à presença de uma substância chamada saponina na própria gramínea. Esta intoxicação ocorre em qualquer época do ano, principalmente em bezerros, próximo ao desmame, todavia, ovinos são mais suscetíveis do que bovinos e animais jovens mais do que os adultos.

Desta forma, deve-se buscar manejar adequadamente a braquiária, para que não haja possibilidade de causar este mal, cujo sintoma principal é a irritação da pele, mas que pode levar à morte em sua forma aguda.

Como solução para este problema, existem informações a cerca de manejo de altura de entrada e de saída dos animais na pastagem; fazer com que animais que nunca pastejaram em brachiária sejam submetidos a um processo de adaptação/aprendizado. Deve-se levar em consideração também a indicação de altura de pastejo e do resíduo pós-pastejo para algumas forrageiras tropicais, considerando dois níveis de fertilidade ou de adubação. Sendo assim, a recomendação para braquiária é de 25 cm de altura para entrada dos animais na pastagem e a altura de resíduo pós-pastejo deve seguir a seguinte recomendação: para solos de alta fertilidade esta altura deve ser de 10 cm, enquanto que para solos com média fertilidade, deve ser de 15 cm.

Com o objetivo de evitar ou controlar a intoxicação, outras práticas podem ser utilizadas, dentre elas podemos destacar: colocar à sombra os animais doentes e iniciar tratamento específico, sob orientação de um profissional capacitado; como prevenção, utilizar mistura mineral com teor adequado de zinco; não colocar cordeiros (categoria mais sensível), em pastagem de Brachiaria; manejar corretamente as pastagens, evitando o acúmulo de massa seca em decomposição.

Vale a pena destacar que há tendência dos ovinos adultos adaptarem-se a certos níveis de esporos, observando-se, ao longo do tempo, significativa redução da incidência do problema; trato no cocho com outro tipo de forragem.

De toda forma, cuidados se fazem necessários com o manejo de pastagens para pequenos ruminantes, sob pena de redução nos índices produtivos destes animais.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
francisco
17/11/2012 - 21:15
Olá Professor, gostaria de saber se existe algum tipo especifico de braquiária para Ovinos que não libere essa toxina para os animais.

Obrigado.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Gestão em Criatórios de Caprinos e Ovinos - Artigos já Publicados

Leite de cabra: características e posicionamento no mercado consumidor
26/03/2012

Expectativas para a caprinocultura e ovinocultura em 2012
30/01/2012

Medidas alternativas no controle de verminose em caprinos e ovinos
09/11/2011

Índices zootécnicos aplicados na caprinocultura e ovinocultura
02/09/2011

Importância de um planejamento alimentar para caprinos e ovinos
06/07/2011

Aspectos da mineralização de ovinos
02/05/2011

Considerações sobre instalações para caprinos e ovinos
02/02/2011

Utilização de alimentos alternativos para ovinos e caprinos
30/12/2010

Consorciação de ovinos com fruteiras
17/11/2010

“Comprovação de origem” e “DNA” para a ovinocultura
08/10/2010

Ovinocultura e caprinocultura no contexto da agricultura familiar
02/09/2010

Mercado para os produtos da ovinocultura
06/08/2010

Rastreabilidade e sua importância para a ovinocultura e caprinocultura
06/07/2010

Utilização do método Monte Carlo para avaliação de risco em um sistema produtivo de ovinos de corte a pasto
25/05/2010

Importância da gestão na caprinocultura e na ovinocultura
15/04/2010

Características da ovinocultura de corte no Brasil
11/03/2010

Conteúdos Relacionados à: Caprinocultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada