dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     28/02/2020            
 
 
    
Cebola  
Vantagens e vantagens da cebola irrigada no Semiárido
Sistema de gotejamento para a cultura da cebola no semiárido traz benefícios operacionais e mercadológicos para produtores
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Marcelo Pimentel
23/10/2012

Produzir quase quatro vezes mais, melhorar a qualidade do produto final, elevar seu tempo de prateleira, diminuir o consumo de água, reduzir em até 40% os gastos com mão-de-obra e ainda aumentar a renda familiar dos produtores. São estes alguns dos benefícios que o emprego das técnicas de gotejamento e fertirrigação está trazendo para o agronegócio da cebola na região do semiárido na região do Vale do São Francisco, nos Estados de Bahia e Pernambuco.

A técnica já é conhecida de longa data na região e foi trazida por iniciativa de produtores e empresários locais. Porém, apenas nos últimos anos vem ganhando mais e mais adeptos. De acordo com o pesquisador Nivaldo Duarte Costa, da Embrapa Semiárido, cerca de 20% dos produtores de cebola da região já optam pelo sistema e a tendência é de uma expansão rápida.

Irrigação pontual economiza água, aumenta a produção e melhora a qualidade do produto final

“Sob o ponto de vista operacional, enquanto o sistema de irrigação convencional da cebola requer por todo o ciclo da planta, que é de 120 dias, ao menos dois funcionários durante o dia inteiro e com a enxada nas costas para molhar um hectare de lavoura. No gotejamento, às 7 horas da manhã o produtor liga a bomba que vai levar a água ao pé da planta pelo gotejador e vai fazer outra coisa. Duas ou três horas depois volta apenas para desligar a bomba e está pronto o serviço”, destaca o pesquisador.

Valorização
A produtividade média regional é de 22 toneladas por hectare. Nas áreas que utilizam o gotejamento, esse número sobre para 60 e pode chegar a 80 toneladas de cebola por hectare. O aumento da produção é acompanhado ainda pela melhoria na qualidade do produto e também por sua valorização no mercado.

Segundo Costa, no caso da irrigação convencional, os bulbos de cebola ficam excessivamente molhados em função do maior volume de água utilizado. O efeito direto é um produto de qualidade inferior e também tempo de prateleira menor. Por outro lado, bulbos irrigados pontualmente e na quantidade certa não sofrem tanto com o excesso de umidade, o que lhes assegura uma melhor qualidade e também uma conservação superior no pós-colheita, o que significa mais tempo de prateleira.

Trabalho da Embrapa definiu ajustes técnicos no adesamento para adequação do sistema de irrigação à região semiárida 

Expansão
O custo de implantação do sistema de irrigação é muito variável uma vez que depende da distância entre a lavoura e a fonte de captação da água. Quanto maior a distância, maior o custo. De acordo com o pesquisador, o investimento gira em torno de R$ 8 mil a R$ 10 mil por hectare.

“Há linhas de crédito estimulando o investimento na tecnologia e o principal motivo é o fato de ser uma medida que reduz em até 40% do consumo de água e, portanto, interessa a todos. Então o crédito através de instituições como o Banco do Brasil e o Banco do Nordeste está bastante acessível e com taxas de juros bastante atraentes para o produtor”.

Na região do Vale do São Francisco, a área total plantada com cebola varia de 10 a 14 mil hectares por ano. A variação se dá de acordo com as leis de oferta e procura do mercado. Anos de preços bons estimulam o plantio. Dentre os produtores que ocupam essas áreas, cerca de 20% já utilizam o sistema de gotejamento e a tendência atual é de crescimento ano a ano, segundo Costa.

A fim de difundir a técnica na região, a Embrapa Semiárido, em parceria com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco, Chesf, tem promovido ações divulgação junto aos produtores de até um hectare de cebola. Dias de campo também orientam sobre outras técnicas de manejo, sanidade e nutrição vegetal.

No site da Embrapa Semiárido é possível encontrar mais informações sobre o trabalho desenvolvido. www.cpatsa.embrapa.br

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
M.G.C.Churata Masca
27/10/2012 - 11:16
Ótima tecnologia. Apenas gostaria lembrar a compatibilização entre colocar água via gotejamento e o arranjo da fileira de cebola, no caso de solos pre-salinizados. Outra coisa: aarejamento da água para evitar entupimento nos gotejadores....Se for necessário teria que sem em outro artigo.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Horticultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada