dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     03/07/2020            
 
 
    
Manejo da Lavoura          
Agroecologia: cultivo de pimenta-do-reino em troncos de nim
Técnica adotada por produtor no ES tem reduzido significativamente a incidência de pragas na lavoura
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Incaper
13/07/2015

Cultivar a pimenta-do-reino no tronco de uma planta que realiza o controle natural de insetos, o nim (Azadirachta indica), tem reduzido bastante a incidência de pragas na produção do senhor Aristeu Nardi, agricultor que reside no município de Jaguaré, ES. Há cerca de quatro anos, ele iniciou essa experiência em uma lavoura de 600 pés de pimenta, que se tornou uma unidade de observação acompanhada pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), órgão vinculado à Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag).

De acordo com o senhor Aristeu, um agricultor que adota práticas agroecológicas, o motivo principal que o levou a iniciar essa experiência foi a necessidade de utilizar um tutor para o plantio da pimenta que fosse econômico e não estivesse contaminado com produtos químicos. “Eu já tinha o nim plantado em minha propriedade e utilizava seu óleo como inseticida natural. Por meio do contato com o Incaper, tomei conhecimento da possibilidade de utilizá-lo como tutor vivo, natural, para o plantio da pimenta, o que é fundamental para a produção agroecológica dessa cultura”, relatou Aristeu.

Uma alternativa agroecológica
O senhor Aristeu disse que, há mais de 10 anos, possuía 3 mil pés de pimentas plantados no sistema convencional. Porém, devido a uma doença chamada fusariose, toda sua lavoura foi devastada, fato que fez com que ele buscasse novas alternativas dentro dos princípios agroecológicos.

“A agroecologia oferece conhecimentos e os caminhos para desenvolver uma agricultura ambientalmente adequada, socialmente equitativa e economicamente viável. Através da aplicação dos princípios agroecológicos, é possível fazer um melhor uso dos recursos da propriedade, minimizar o uso de insumos externos, reciclar e gerar recursos no interior dos agroecossistemas, como é o caso da utilização do nim como tutor vivo da pimenta”, falou Aristeu.

Para o extensionista do Incaper em Jaguaré, Valchirio Martins, que acompanha esse trabalho, a iniciativa do senhor Aristeu resultou na implantação de uma Unidade de Observação no município. “Em uma visita técnica à propriedade do senhor Aristeu, ele me levou na área de cultivo do nim. Fiquei animado com o bom desenvolvimento das árvores e comentei com o produtor sobre algumas pesquisas que estavam sendo realizadas com cultivo de pimenta-do-reino em tutor vivo de nim. Ele ficou animado e decidiu implantar uma unidade de observação em toda área plantada”, afirmou Valchirio.

No caminho da comprovação científica
De acordo com o pesquisador do Incaper, José Aires Ventura, que também visitou a propriedade do senhor Aristeu, a unidade de observação de pimenta-do-reino com o nim como tutor vivo é bastante promissora. “A atividade do nim como inseticida natural já possui comprovação milenar. No entanto, sua utilização como tutor vivo na pimenta-do-reino, tem mostrado bons resultados, além de também poder servir como repelente natural de afídeos, que são vetores de uma virose desta planta, mas que ainda precisa de comprovação científica. A unidade de observação do senhor Aristeu possui uma série de indicadores que apontam que a utilização do nim pode facilitar a condução do pimental. No entanto, somente a comprovação científica pode validar essa tecnologia a fim de disseminá-la entre os agricultores”, falou José Aires.

O próprio Aristeu aponta a importância da validação da experiência pela pesquisa. “Matenho o plantio de 600 pés de pimenta em tutores vivos de nim desde o início de utilização da técnica. Mesmo com bons resultados, não aumentei o plantio justamente porque é preciso comprovar esses resultados cientificamente”, relatou.

Manejo da lavoura
A lavoura do senhor Aristeu é conduzida pelos princípios da agroecologia, sem a utilização de agrotóxicos, adubos químicos ou qualquer outro tipo de agroquímico. “O produtor utiliza apenas fosfatos naturais, calcário proveniente de algas marinhas, diversas formas de adubos orgânicos, adubação verde, cobertura morta, biofertilizantes, produtos de origem biológica, inseticidas naturais, como óleo de nim, bioalho, entre outros”, explicou o extensionista do Incaper Valchirio Martins.

Ele disse que a lavoura é irrigada por micro aspersão e o manejo do mato nas estrelinhas é feito através de roçadas. “O mato é utilizado como cobertura morta para manter o solo protegido e com umidade necessária ao bom desenvolvimento das plantas”, disse Valchirio.

O manejo correto das copas das árvores de nim é uma das práticas mais importantes para o equilíbrio do sistema. “Anualmente, são feitas duas podas de manejo das copas para manter a luminosidade necessária para o bom desenvolvimento e produção da lavoura”, falou o extensionista de Jaguaré.

Destaca-se ainda que as plantas de pimenta-do-reino são altamente sensíveis à falta de luminosidade e o excesso de sombreamento interfere significativamente na produtividade da lavoura. Dessa forma, deve-se utilizar um espaçamento adequado e efetuar o cultivo no sentido leste/oeste para facilitar o manejo e proporcionar maior luminosidade para as plantas.

Redução de custos
Outra vantagem percebida com a utilização do tutor vivo de nim para cultivo de pimenta-do-reino é a redução no custo de implantação da lavoura. De acordo com o extensionista do Incaper, Valchirio Martins, o custo de produção de 1 hectare de pimenta, no que refere à compra de estacas, despesas com transportes e fixação é de, aproximadamente, R$ 16 mil. Esse valor representa 55% do custo total de implantação da lavoura no primeiro ano.

Com a utilização do tutor vivo de nim ao invés do eucalipto, os custos são bastante reduzidos. “No primeiro ano de implantação de uma lavoura de 1 hectare gastam-se R$ 4.100,00 com a aquisição de mudas, plantio e manutenção do nim. A partir do segundo ano, há um custo adicional de manejo das copas das árvores de nim, que é feito duas vezes ao ano. Essa prática representa um acréscimo de, aproximadamente, R$ 2.700,00”.

“Ressaltamos que não estamos comparando o custo de produção de uma lavoura convencional com o cultivo agroecológico da pimenta-do-reino. Consideramos apenas as despesas decorrentes da utilização de tutores vivos em relação ao uso de tutores de eucalipto tratado, visto que aquela opção poderá ser utilizada em qualquer uma das modalidades de cultivo”, esclareceu Valchirio.

Técnica desperta interesse de agricultores de outros municípios
A experiência do senhor Aristeu Nardi animou produtores de pimenta de municípios do Norte capixaba. De acordo com o chefe do escritório local do Incaper em Ecoporanga, Geraldo Francisco Costa, após a realização de uma excursão técnica a Jaguaré em maio, quatro unidades de observação dessa tecnologia começaram a ser implantadas no município.

“Agricultores que já trabalham com pimenta-do-reino no modelo convencional e outros que começaram a trabalhar agora com essa cultura gostaram do que viram em Jaguaré. Muitos tiveram as lavouras exterminadas pela fusariose. Agora enxergam no nim uma possibilidade de repelente natural para os insetos da pimenta”, disse Geraldo.

De acordo com o produtor de Nova Venécia, Geraldo Eliandro Rodrigues, que também participou da excursão técnica, a experiência de Jaguaré apresentou uma alternativa para a redução de custos na produção da pimenta-do-reino. “Comecei o plantio de pimenta há um ano como alternativa de diversificação da produção. Porém, o custo de implantação é muito alto. Me chamou a atenção o plantio em tutor vivo de nim porque é uma forma de reduzir custos e também de evitar ataque de pragas e doenças”, disse Geraldo. Ele possui 1.750 pés de pimenta plantados em, aproximadamente, 1 hectare.

Propriedades do nim
De acordo com informações da literatura da Embrapa, o nim é uma planta natural do sudeste da Ásia e do subcontinente indiano. Pertence à família Meliaceae, a mesma que inclui espécies como o cinamomo, o cedro e o mogno. É uma planta de clima tropical, resistente à seca, de crescimento rápido, copa densa, chegando a alcançar 15 metros de altura, podendo ser cultivada em regiões de clima quente e solos bem drenados.

O Nim é utilizado há séculos em sua região de origem, na medicina humana e animal. Na agricultura, pode ser utilizado para o controle de insetos-praga. Apresenta ação nematicida e atua sobre alguns fungos e bactérias. É utilizado na fabricação de cosméticos, reflorestamento e na arborização urbana, como madeira de lei, além de fertilizante.

Produção de pimenta-do-reino no Espírito Santo
De acordo com informações da Seag, nos últimos anos, os preços da pimenta-do-reino permaneceram em alta, fato que animou produtores e empresários do setor. Somente no primeiro semestre de 2013, foram exportadas quase 3,6 mil toneladas de pimenta para os Estados Unidos e vários países da Europa e Ásia, um volume 83% superior em relação ao mesmo período 2013. As divisas geradas com as exportações somaram US$ 22,5 milhões de janeiro a junho deste ano, ficando atrás apenas de celulose e cafés, no ranking das exportações do agronegócio capixaba.

“A expansão e a renovação dos plantios, aliadas à melhoria da qualidade do produto verificadas nos últimos anos, comprovam a rentabilidade da atividade, que gera mais de R$ 70 milhões por ano de renda bruta para os produtores. O cenário é de que vamos atingir uma produção acima de 10 mil toneladas, nos próximos três ou quatro anos”, estimou Valchirio.

O Estado do Espírito Santo é o segundo produtor e exportador nacional, com 6,7 mil toneladas de pimenta-do-reino produzidas anualmente. A atividade é tipicamente familiar, pois ocupa 2,9 mil hectares em 2,4 mil propriedades rurais. Os plantios concentram-se no Norte do Estado, tendo como destaque os municípios de São Mateus e Jaguaré, com mais de 75% da área cultivada e da produção. O rendimento médio das lavouras está em torno de 2.700 a 3.000 kg por hectare, porém, existem produtividades de até 5.000 kg por hectare.

Publicações sobre pimenta-do-reino
A biblioteca Rui Tendinha, do Incaper, possui algumas publicações sobre pimenta-do-reino, as quais podem ser adquiridas por um preço simbólico. Uma delas é “A cultura da pimenteira-do-reino no Espírito Santo”, obra de Luiz Augusto Lopes Serrano, Inobert de Melo Lima e Marlon Vagner Valentim Martins. A publicação apresenta um panorama geral da cultura, incluindo condições climáticas e de solo favoráveis, variedades, recomendação de adubação para plantio e formação, entre outros pontos.

“A Colheita e Pós-colheita da pimenta do reino”, de Luiz Augusto Lopes Serrano, Leandro Reis Novak e Inobert de Melo Lima, trata, entre outros aspectos, do processo de beneficiamento da pimenta, embalagens, acondicionamento e rotulagem do produto.

Já a publicação “Manejo da Fusariose da primenta-do-reino no Estado do Espírito Santo”, de José Aires Ventura e Hélcio Costa, aborda os sintomas da doença, manejo, escolha do local de implantação dos pimentais e tratos culturais da lavoura.

A publicação “Cultura da Pimenta-do-reino”, de Danilo Milanez, José Aires Ventura e César José Fanton, que contém informações gerais da cultura no Estado, incluindo tutores, pragas e doenças, colheita e beneficiamento; e a circular técnica “Produção de mudas de pimenta-do-reino”, de Danilo Milanez e José Aires Ventura” estão disponíveis apenas para consulta na biblioteca Rui Tendinha.

Para consulta ou aquisição de algum desses materiais ou de publicações sobre outras temáticas agropecuárias, entre em contato com a biblioteca Rui Tendinha pelo e-mail biblioteca@incaper.es.gov.br ou pelos telefones (27) 3636-9846 e (27) 3636-9847.

Reportagem originalmente publicada em 16/6/2014

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Antonia Baía
27/12/2015 - 17:01
fh2de

Maria Consolacao Cardoso Bezerra
14/06/2016 - 14:30
Sensacional e muito esclarecedora a matéria em questão vou colocar em pratica no meu sitio

Carlos Alberto de Jesus
15/08/2016 - 23:22
A matéria é excelente e muito esclarecedora.

Mas gostaria de saber se após concluídas as experiências levadas a efeito na propriedade do Sr. Aristeu e em outras, se a INCAPER conclui pela viabilidade do uso do tutor NIM ou outro para plantio da pimenta do reino no norte do Espirito Santo, como por exemplo Sao Mateus, Pinheiros etc ??

Para comentar
esta matéria
clique aqui
3 comentários

Conteúdos Relacionados à: Agroecologia
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada