dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     30/10/2020            
 
 
    
Manejo da Lavoura    
Arroz BRS Esmeralda gera lucro de 39% sobre investimento
Para pesquisadora, tecnologia é economicamente viável e proporciona ao agricultor maior segurança na obtenção de alta produtividade, qualidade de grãos e boa lucratividade
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Rodrigo Peixoto, Embrapa Arroz e Feijão
08/09/2015

Os produtores mato-grossenses obtiveram 39% de lucro sobre o investimento para a produção de arroz de terras altas na safra 2013/2014 com o uso da cultivar BRS Esmeralda, desenvolvida pela Embrapa. Esse foi o resultado de um estudo que analisou a viabilidade econômica dessa cultivar para a rizicultura empresarial naquele estado. O levantamento de dados se baseou nos gastos com os fatores de produção e no preço de comercialização da saca de 60 quilos do produto.
 
Realizado pela Embrapa Arroz e Feijão (GO), o trabalho levou em consideração a aquisição de insumos (sementes, fertilizantes, corretivos de solo e defensivos), as operações com máquinas e implementos e os serviços (mão de obra). Além disso, foi contabilizado o dispêndio com a pós-colheita na secagem do grão. Não foram incluídos custos fixos, como, por exemplo, a depreciação de tratores e o preço da terra. Complementarmente, o investimento para a produção foi calculado para a obtenção de uma produtividade de 3,6 mil quilos por hectare. A produtividade média no Mato Grosso é 3,2 mil quilos por hectare, com uso de outras cultivares.
 
Esses custos dos fatores de produção foram baseados nos preços médios praticados nas praças de Rondonópolis, Água Boa, Sinop e Paranatinga em abril de 2014. Já a receita bruta, que também teve como referência essas mesmas localidades e período, foi aferida presumindo um rendimento de 55% de grãos inteiros no beneficiamento industrial do produto.
 
A analista da Embrapa Osmira Fátima da Silva, que participou do levantamento, avalia que esses resultados evidenciam que a BRS Esmeralda contribui para o fortalecimento da cadeia produtiva do arroz de terras altas no Mato Grosso. "Acreditamos que essa tecnologia seja economicamente viável e proporcione ao agricultor maior segurança na obtenção de alta produtividade, qualidade de grãos e boa lucratividade sobre os investimentos no sistema de produção", afirma.
 
Osmira acrescenta que os insumos foram o fator que mais onerou o custo de produção (53%), com destaque para os fertilizantes e corretivos de solo, que tiveram uma participação de 41%. Já as operações com máquinas e implementos corresponderam a 29%, os serviços, 16%; e a pós-colheita, 2%.
 
A análise da viabilidade econômica da BRS Esmeralda para o agronegócio na safra 2013/2014 foi um dos trabalhos apresentados no 9º Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado, que aconteceu em agosto, em Pelotas (RS). O evento foi promovido pela Sociedade Sul-Brasileira de Arroz Irrigado (Sosbai) e teve como tema Ciência e Tecnologia para a Otimização da Orizicultura.
 
Versatilidade de cultivo
A BRS Esmeralda foi lançada pela Embrapa e parceiros em abril de 2013. Ela é fruto do cruzamento de outras cultivares, realizado em 1997, e seu desenvolvimento se estendeu até o ano 2008.
 
A BRS Esmeralda atinge produtividade média acima de quatro mil quilos por hectare e oferece boa segurança fitossanitária, com graus de resistência às doenças mancha-parda, escaldadura-das-folhas, mancha-de-grãos e brusone.
 
A cultivar tem grãos com qualidade agulhinha e possui ciclo precoce (entre 105 a 110 dias). Apresenta porte ereto, o que facilita a colheita mecanizada, e tolerância ao acamamento, o que significa que, mesmo sob o peso dos cachos cheios e pesados, a planta não costuma se "deitar" facilmente sobre o solo.
 
Ainda segundo a Embrapa, outra característica importante da BRS Esmeralda é a senescência tardia (stay green), ou seja, a persistência da coloração verde das folhas na fase de maturação de grãos, o que permite manter o produto sem perdas, à espera da colheita, por mais tempo no campo.
 
No Município de Água Boa (MT), o diretor da empresa Sementes Cabeça Branca, Dorival Ruiz, e o responsável técnico, Emílio Pascoal, confirmaram as características da BRS Esmeralda. Segundo eles, a cultivar é rústica, resistente ao acamamento e tem boa produtividade, com média de 4,05 mil quilos por hectare.
 
Para o pesquisador e melhorista de plantas da Embrapa Adriano Castro, a BRS Esmeralda favorece o desenvolvimento do agronegócio orizícola. Isso porque ela pode ser cultivada em rotação de culturas em áreas com agricultura intensiva (terras velhas) e em renovação de pastagens. "As características da planta, como o vigor inicial, altura reduzida e boa tolerância ao acamamento, tornam a cultivar bastante eficiente nos sistemas de integração lavoura-pecuária, em que a competição com as forrageiras é forte. Além disso, a BRS Esmeralda contribui para revitalizar a cultura do arroz de terras altas no Mato Grosso, principalmente, como opção em sistemas de rotação, como por exemplo, com a soja", esclarece Castro.
 
Segundo a Embrapa Arroz e Feijão, em 2013, a área plantada com a cultura alcançou a faixa dos 160 mil hectares; a produtividade média foi de 3,2 mil quilos por hectare; e a produção do estado atingiu cerca de 500 mil toneladas. Isso faz com que o Mato Grosso seja o principal produtor de arroz de terras altas do País.
 
O pesquisador da Embrapa crê também que, por causa da qualidade de grão da cultivar e pelo fato de o arroz estar bastante presente na mesa dos brasileiros, o benefício da BRS Esmeralda alcança toda a cadeia produtiva. "É uma enorme satisfação, por meio de sementes que carregam inovações tecnológicas, impactar positivamente a vida de produtores, indústrias e consumidores. Em especial, porque o arroz é um alimento básico da população", conclui Adriano Castro.
 
A BRS Esmeralda é indicada para os estados de Mato Grosso, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Produção
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada