dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     11/08/2020            
 
 
    
 
 
A área cultivada com milho no Rio Grande do Sul foi reduzida mais uma vez, segundo lavamento de safra da Conab passou de 941 mil hectares na safra 2014/15 para 900 mil hectares na safra 2015/16, uma variação de 4,4%. Dentre os vários fatores que contribuíram para essa redução o preço da saca de soja, altos custos com insumos e em alguns casos o atraso na implantação da lavoura, provocado pelas chuvas constantes no Estado durante o período de semeadura, foram os mais significativos, colocando o cultivo de milho em um patamar de alto risco.
 
Devido ao fato do milho necessitar de uma precipitação média de 400 a 600 mm de água durante o ciclo, o déficit hídrico ou o excesso de chuva em determinadas fases do desenvolvimento podem comprometer a produtividade final. Sendo assim, os grandes volumes de chuva registrados nos últimos meses podem trazer consequências danosas para o milho, principalmente para aqueles que se encontram em fase de pendoamento, pois, a chuva pode lavar o pólen impossibilitando a polinização e fecundação da boneca.
 
Considerando ainda o excesso de chuvas, outros problemas indiretos que podem ser observados são a falta de luminosidade, que influencia diretamente na produção de biomassa a ser utilizada no enchimento de grãos. Quanto maior a luminosidade, maior a interceptação de radiação que será convertida em fotoassimilados, os quais serão distribuídos na planta para compor o grão. A planta de milho necessita também de temperaturas mais elevadas para o seu desenvolvimento, portanto é possível haver um retardamento no ciclo dessas plantas quando há grande número de dias com nebulosidade e baixas temperaturas.
 
Os produtores devem ter muito cuidado com controle de plantas daninhas que em época de altas pluviosidades se desenvolvem mais rapidamente, podendo ser necessário a realização de mais aplicações de herbicidas para o controle. Outra preocupação importante, é que essas condições são favoráveis ao aparecimento de doenças, principalmente doenças que podem afetar a espiga e por consequência a qualidade do grão.
 
Finalmente, para os que fizeram a semeadura do tarde, é preciso atentar para a aplicação do nitrogênio, pois a intensidade das chuvas pode causar a lixiviação do fertilizante, sendo preciso refazer a aplicação de cobertura.
 
Mesmo com os alertas acima, a expectativa dos produtores é de uma boa safra em 2015/16, um pouco abaixo da produção de 2014/15, mas mantendo um patamar elevado quando comparado com a safra 2013/14.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Milhocultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada