dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     15/08/2020            
 
 
    
Agronegócio  
Feijões especiais de preferência internacional, estamos prontos para exportar?
De uma maneira geral, os países mais desenvolvidos requerem melhor qualidade de grãos e, normalmente, essa qualidade é expressa com maior tamanho de grãos
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Michael Thung, consultor técnico da Embrapa Arroz e Feijão
10/03/2016
 
Os feijões tipo exportação ou feijões especiais são todos os tipos de grãos graúdos que não se produz em grande escala no Brasil, mas que em o maior número de produtores e, também, o maior em consumo de grãos pequenos como carioca, preto e rajado. Porém, do ponto de vista da exportação, esses tipos de grãos pequenos não têm demandas no mercado internacional.
 
 
A combinação das características de feijões especiais, comercializados internacionalmente, são definidos pelas:
 
Forma de negócio - Em grandes quantidades são as variedades: Pinto, Great Northern, Dark Red Kidney (DRK) para enlatamento e Light Red Kidney vendido como grão seco; em menor escala: Cranberry e Sugar Beans.
 
Comercialização - Em embalagem de 500 g (Dry Pack), enlatado e em grãos secos. Tendo maior preferência por enlatados, seguido por grãos secos disponibilizados em supermercados.
 
Preferência do consumidor - Em países desenvolvidos, a maior preferência é pelos feijões semiprontos e enlatados.
 
Demanda - Pelos grãos de tamanho médio, como os tipos Sugar, Cranberry e branco (grande). A maior demanda pelos feijões brancos de tamanho médio e pequeno são os países árabes, com populações de alto poder aquisitivo.
 
Peculiaridades - Myanmar produz DRK, exclusivamente para a Índia. Portugal é grande importador e atua principalmente como intermediário, tendo uma rede estabelecida de revenda no Mediterrâneo. O tipo especial e caro é o Flageolett que é comercializado na França, Alemanha, Espanha e Países Baixos.
 
As instituições de pesquisa de feijão tipo exportação - São localizadas, em sua maioria, nos Estados Unidos e são as mais antigas em melhoramento: Univ. Fed. de Nova York, em Michigan, de UC Davis, Idaho.
 
No Brasil, o melhoramento do feijão é realizado, quase que exclusivamente, pelo setor público. A Embrapa, por exemplo, tem cultivares para exportar como os tipos: Sugar Bean, BRS Executivo e BRS Radiante; Cranberry, DRK, BRS Embaixador. Com essas cultivares disponíveis o país pode se tornar um importante exportador de feijões.
 
 
 
De uma maneira geral, os países mais desenvolvidos requerem melhor qualidade de grãos e, normalmente, essa qualidade é expressa com maior tamanho de grãos. No cenário mundial o que se observa é que existe grande potencial de demanda para o feijão de classe comercial internacional.
 
Dentre o potencial produtivo no país, os resultados das avaliações realizadas no Cerrado brasileiro, para adaptação de feijões tipo exportação, confirmam que o país está pronto para exportar. As variedades comerciais disponíveis reúnem as espécies de feijão branco (grande, médio e pequeno), Dark Red Kidney, Cranberry e Sugar Bean.
 
Com a ampliação das exportações de feijões será possível diversificar as cultivares de feijões e iniciar o hábito de consumo de outros tipos de grãos, ampliando a rotação de culturas e a sustentabilidade produtiva com mais uma opção de rotação, agregando valor ao produto, além de estabilizar o preço do mercado interno pela possibilidade de exportação de excedentes.
 
Uma importante estratégia que pode ser criada pelos produtores de feijões é criar novidade no mercado interno, cujo nicho ainda é pequeno, mas que, por outro lado, não tem concorrência.
 
Diante da pergunta levantada nesta análise, podemos afirmar que o Brasil está pronto para exportar, necessitando apenas que alguns produtores mais tecnificados produzam significativa quantidade e com frequência, para atender às exigências dos países importadores.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Feijão
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada