dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     15/08/2020            
 
 
    
Genética  
Embrapa participa do sequenciamento do genoma do feijão
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Rodrigo Peixoto, Embrapa Arroz e Feijão
13/04/2016
 
Uma equipe internacional de cientistas da Argentina, Brasil, México e Espanha sequenciou o genoma do feijão, o que poderá ajudar na geração de plantas mais fortes, com melhor resistência a doenças e mais produtivas.
 
Os pesquisadores sequenciaram a espécie de feijão (Phaseolus vulgaris), de origem mesoamericana, cujo tipo de grão é o mais consumido do Brasil, abrangendo os grupos carioca, mulatinho, preto e roxinho, entre outros.
 
A equipe que sequenciou o genoma do feijão faz parte do projeto PhasibeAm, integrando o Programa Ibero-americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento (CYTED), com sede em Madri (Espanha).
 
No Brasil, a iniciativa contou com o apoio financeiro do CNPq, através do projeto Prosul (490725/2010-4), sob a liderança da pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão, Rosana P. Vianello. Nesse trabalho, houve também a participação da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, com apoio do pesquisador Georgios Pappas, na área de bioinformática dos dados.
 
O estudo de sequenciamento foi baseado na linhagem de feijão BAT 93, que está relacionada à geração de uma série de cultivares comercializadas e amplamente cultivadas no Brasil.
 
Essa pesquisa envolveu a montagem de 620 milhões de pares de bases do genoma e a identificação de 30.491 genes, com a respectiva análise de expressão. Foram também observados e determinados eventos cruciais durante a evolução que moldaram o feijoeiro como é conhecido hoje.
 
"Os programas de melhoramento agora detêm uma informação valiosa que auxiliará fortemente a pesquisa para o desenvolvimento de cultivares com caracteres agronômicos desejáveis e mais adaptadas aos diferentes ecossistemas", afirmou Rosana Vianello.
 
Ainda segundo a pesquisadora, o sequenciamento do feijão possibilita estabelecer uma relação direta com os genomas de outras leguminosas de interesse, como a soja, abrindo perspectivas para efetuar a seleção de sequências genômicas que afetam a expressão de características de relevância para o melhoramento dessas espécies.
 
Além do feijão de origem mesoamericana, as variedades andinas já tinham sido também sequenciadas e uma terceira fase para a equipe do PhasibeAm é o sequenciamento do genoma de pelo menos outras doze espécies de feijão cultivados em diversos países.
 
Para mais detalhes, acesse o trabalho publicado no Centro de Regulação Genômica.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada