dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     25/07/2017            
 
 
    
Produtos e Serviços    
Biodiversidade brasileira é opção para inovação e novos negócios
Frutas nativas como araçá, pitanga, cagaita, cambuci ou perinha-do-cerrado vêm ganhando espaço
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Vera Scholze Borges, Embrapa Produtos e Mercado
16/09/2016

Sorvete de morango, abacaxi, uva e limão todo brasileiro conhece, entretanto, quando falamos de frutas nativas como araçá, pitanga, cagaita, cambuci ou perinha-do-cerrado, você vai ter que pensar um pouco para afirmar se conhece, não é mesmo? Pode ser que não esteja familiarizado com algumas delas na sua região.

Começamos a falar de sorvete e frutas nativas por ser um dos assuntos que serão apresentados durante o "Workshop Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial", nos dias 21 e 22 de setembro de 2016, que este ano traz o tema biodiversidade brasileira e vai tratar sobre conhecimentos, tecnologias e negócios dentro de dois blocos: "Alimentos dos biomas do Brasil" e "Cosméticos e fragrâncias".

O "Workshop Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial" é um modelo de evento criado pela Embrapa Produtos e Mercado para aproximar públicos de interesses comuns e abrir espaço de articulação e negociação com empresas interessadas em ampliar ou mesmo iniciar um negócio com base em ciência, tecnologia e a troca de conhecimentos existentes no setor. Este ano, o foco do workshop é a utilização de matérias-primas da biodiversidade.

Dentro do setor de alimentos existem alguns segmentos de mercado que buscam inovações que agreguem valor ao produto e ampliem o seu consumo, um deles é a indústria de sorvetes.

Atualmente, o Brasil conta com oito mil empresas ligadas à produção e comercialização de sorvete. O setor gera 75 mil empregos diretos, 200 mil indiretos e tem faturamento anual acima de R$ 12 bi.

Segundo Eduardo Weisberg, presidente da Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (ABIS), o consumo do produto em 2015 foi de 1,1 bilhão de litros. O executivo, que também é proprietário de uma indústria de produção de sorvetes, é um entusiasta da inovação e se preocupa em ampliar e diversificar as matérias-primas usadas no setor.

"O mercado brasileiro ainda utiliza muito pouco de suas riquezas, constata o presidente da Associação, sendo fundamental impulsionar o intercâmbio de alimentos nas diversas regiões do país, trazendo novas opções de sabores e funcionalidades ao produto. Desta forma, aproveitaremos um de nossos grandes diferenciais, que é a biodiversidade, com frutas ricas em sabor e em propriedades nutricionais que trazem benefícios ao organismo".

Weisberg acredita que esta é uma cadeia produtiva que tem tudo para atingir o objetivo de maior aproveitamento de nossa biodiversidade. "É preciso desenvolver a agricultura familiar, com foco na produção de frutos nativos, para que possamos contar com a produção dentro dos pilares necessários para a indústria, que são volume, regularidade e qualidade em frutos e castanhas, mas, acho que estamos caminhando para isso", afirma.

Para o presidente da ABIS, com um bom planejamento de marketing, a indústria do setor não só conseguirá ampliar o consumo nacional, como também exportar sorvetes com foco na biodiversidade brasileira.

"O workshop é uma boa oportunidade de avançar na organização deste tema no setor e acredito que a Embrapa seja o parceiro certo para desenvolvermos fornecedores para a indústria", finaliza Eduardo Weisberg.

Sobre o objetivo e programação do evento
Rafael Vivian, gerente adjunto de mercado da Embrapa Produtos e Mercado, lembra que "além da diversidade de espécies nativas, existe a diversidade cultural encontrada nos biomas brasileiros, com infinitas possibilidades para novos produtos e novas oportunidades de agregação de valor às cadeias produtivas".

Os programas de melhoramento genético são fundamentais nesse processo e muitas espécies nativas já estão contempladas nas pesquisas da Embrapa, a exemplo do umbu, cajuí (caju nativo do bioma cerrado), abricó-do-pará, sapotá, cajá e bacuri. Além do sabor diferenciado, estas e outras espécies brasileiras possuem propriedades nutracêuticas e funcionais, algumas ainda desconhecidas.

Vivian acredita que o incentivo ao consumo de produtos da biodiversidade e a articulação com empresas interessadas nesse segmento são essenciais para ampliar o mercado de nicho do setor no país e também o mercado internacional, por isso organizamos este workshop, conclui.

"A indústria de alimentos é um elo crítico e estratégico de várias cadeias produtivas, inclusive de nichos de mercado, e sua participação no processo é relevante para alavancar ações com espécies nativas, ressalta Fernando Matsuura, pesquisador da Embrapa Produtos e Mercado na área de alimentos e um dos coordenadores do workshop. "O uso de frutas da biodiversidade brasileira mostra-se como uma possibilidade para o setor de sorvetes", conclui o pesquisador.

O estudo de caso "Panorama e perspectivas do Setor de Sorvetes no Brasil - Desenvolvimento de sorvetes com frutas e castanhas nativas" será apresentado e debatido no dia 21 de setembro, com a presença do presidente da ABIS.

Além deste tema, o workshop tem na programação representantes dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, falando sobre "Políticas públicas para o aproveitamento racional e sustentável dos produtos da biodiversidade do Brasil" e "Biodiversidade para alimentação e nutrição", e pesquisador da Embrapa, sobre "Agroextrativismo: potencial sócio-econômico e conservação da biodiversidade".

A programação segue com a palestra "Alimentos de espécies nativas do Brasil: atualidades e tendências", um painel "Pesquisa, conhecimento e tecnologias da Embrapa em recursos genéticos e biotecnologia de espécies nativas do Brasil" e outro sobre "Pesquisa, conhecimento e tecnologias da Embrapa em frutas nativas brasileiras", e mais dois estudos de caso "Liotécnica e os ingredientes alimentícios com produtos da biodiversidade do Brasil", e "Brasil a Gosto: uma experiência gastronômica com ingredientes brasileiros" com Ana Luiza Trajano, chef e pesquisadora do tema.

No fechamento deste primeiro dia acontece uma aula show com degustação sobre gastronomia regional dos biomas do sul com Marcos Livi, chef dos bares Quintana e Veríssimo. Veja a programação completa e informações sobre as inscrições no site: embrapa.br/workshopnichos2016

Propriedades nutracêuticas - Os alimentos funcionais situam-se no limite dos alimentos comuns e dos fármacos tradicionais, sendo definidos como alimentos que promovem algum efeito benéfico no organismo, retardando ou impedindo o aparecimento de doenças crônicas e, principalmente o envelhecimento (Fonte: Embrapa).

Serviço
Evento: Workshop Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial.
Tema: "Espécies nativas do Brasil: conhecimentos, tecnologias e negócios"
Data: 21 e 22 de setembro de 2016.
Horário: 8h00 às 18h00.
Local: Auditório 5 FCM/Unicamp
Endereço: Rua Albert Sabin. s/nº – Cidade Universitária "Zeferino Vaz"
Distrito de Barão Geraldo - Campinas, SP

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Agroindustria
Palavras-chave

 
25/07/2017
IV Encontro Regional de Plantio Direto na Palha
Chapecó - SC
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada