dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     01/12/2020            
 
 
    
Sanidade vegetal    
Embrapa orienta produtores sobre controle da cigarrinha-das-pastagens
Com a intensificação das chuvas os produtores rurais do Acre e outros estados da Amazônia devem estar atentos ao ataque do inseto
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Priscila Viudes, Embrapa Acre
18/01/2017

Com a intensificação das chuvas os produtores rurais do Acre e outros estados da Amazônia devem estar atentos ao ataque da cigarrinha-das-pastagens, praga que suga a seiva dos capins e danifica suas folhas, resultando na "queima" do pasto. O problema reduz a capacidade produtiva da pastagem, compromete a alimentação bovina e gera queda no peso do animal, com prejuízos para os pecuaristas, mas pode ser controlado com métodos químicos ou biológicos.

"As cigarrinhas-das-pastagens vivem, na fase adulta, na parte aérea dos capins. Suas ninfas, uma fase jovem do inseto, ficam sempre protegidas na base das plantas por uma espuma branca. Durante o período seco, os ovos do inseto permanecem no solo e com o início das chuvas, eclodem. Ataques mais severos, podem resultar na morte do capim e na infestação da área por plantas daninhas, o que torna a pastagem degradada", afirma o pesquisador da Embrapa Acre, Rodrigo Souza Santos.

Segundo o pesquisador Carlos Maurício de Andrade, alguns cuidados ajudam a controlar a presença da praga. "No Acre, diversas áreas de pastagens já foram atacadas e novos ciclos do inseto devem ocorrer durante toda a estação chuvosa. Para evitar as infestações, o produtor rural deve monitorar as áreas e adotar outras formas de controle", destaca

Na propriedade do pecuarista Sidney Zamora, no município de Rio Branco, a praga está presente em 90% das pastagens e as medidas de controle químico iniciaram no final de novembro. Em piquetes onde a praga já foi controlada o capim está verde e sadio e a diferença em relação a outras áreas é visível. "Este inverno a infestação está bem maior e nunca tinha ocorrido ataques nessas proporções. A alternativa é retirar o gado e aplicar o defensivo. Isso compromete o rendimento da atividade e gera um impacto negativo na economia local, já que a pecuária é a principal cadeia produtiva do Estado", diz o produtor.

Métodos de controle
Na Amazônia Legal, a área de pastagens cultivadas, em 2014, era de 48 milhões de hectares, de acordo com o último levantamento oficial. A cigarrinha-das-pastagens é um dos fatores que contribuem para o processo de degradação de boa parte das pastagens da região. Atacado pela praga, o capim começa a amarelar, seca e perde o vigor, abrindo espaço para o estabelecimento de plantas daninhas. A identificação dos focos iniciais do inseto é fundamental para evitar a sua proliferação e garantir forragem de qualidade para o gado, mas o produtor rural deve atuar de forma preventiva. O monitoramento contínuo das áreas ajuda a reduzir a incidência de ataques e auxilia, ainda, na escolha do método de controle mais adequado.

Atualmente, há duas formas de controle dessa praga. O controle biológico, por meio de aplicações utilizando o fungo Metarhizium anisopliae, disponível em lojas revendedoras de insumos agropecuários, pode ser realizado com uso de pulverizadores costais, tratores ou aviões, sem a necessidade de retirar os animais da pastagem. "Uma das principais vantagens desse método é que o fungo não prejudica o meio ambiente e nem é nocivo à saúde humana. Além disso, o fungo pode permanecer na pastagem por um tempo maior, desde que não haja dias ensolarados e secos até o seu estabelecimento", explica Santos.

Outra alternativa é o controle químico, mas a adoção desse método exige a retirada do gado da área a ser tratada. De acordo com o pesquisador Murilo Fazolin, é importante contar com a ajuda de um técnico para calcular a quantidade de aplicações e a dosagem adequada do inseticida. "Dependendo do nível de infestação e das condições climáticas poderão ser necessárias duas ou três aplicações do produto durante o período chuvoso. O produtor rural deve ficar atento à ocorrência de focos mesmo depois da primeira aplicação. Além disso, uma espécie maior e mais agressiva, a Mahanarva tristis, conhecida em algumas localidades como cigarrinha-da-cana, costuma ocorrer no final da época chuvosa", declara.

Outro aspecto que deve ser observado, segundo Fazolin, é que no manejo integrado dessa praga devem ser utilizados somente produtos registrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. "Seguir as recomendações técnicas do fabricante e utilizar equipamentos individuais de proteção são aspectos fundamentais para o controle com segurança e para a preservação do equilíbrio ambiental", afirma

Diversificação das pastagens

Existem diferentes espécies de cigarrinhas que atacam também distintos tipos de capins. Os capins braquiarinha, humidícola, tangola e a grama-estrela-roxa são atacados por espécies denominadas Notozulia entreriana e Deois flavopicta. Esses insetos, de coloração preta ou marrom, são menores e apresentam listras brancas nas asas. Já os capins brizantão, xaraés (MG-5), tanzânia, mombaça, tangola, BRS zuri e BRS piatã e a grama-estrela-roxa são mais susceptíveis ao ataque da Mahanarva tristis, espécie de tamanho maior.

A diversificação das pastagens com o uso de diferentes tipos de capim e o consórcio com leguminosas como amendoim forrageiro e puerária são alternativas eficientes para reduzir os danos causados pela cigarrinha-das-pastagens. "Essas plantas, além de não serem atacadas pela praga, servem de alimento para o gado e evitam infestação de ervas daninhas", diz o pesquisador Carlos Maurício de Andrade.

Outro procedimento importante é evitar a formação de grandes touceiras de capim, por meio do pastejo sistemático da área. O rebaixamento das forrageiras facilita a passagem de luz para o solo com maior intensidade, aspecto que reduz a umidade e as condições de proliferação do inseto.

Tais medidas são iniciativas a serem tomadas pelo produtor, mas, na outra ponta, o programa de melhoramento genético de forrageiras tropicais da Embrapa atua no desenvolvimento de materiais mais resistentes e com outros diferenciais significativos em relação às cultivares hoje disponíveis no mercado, tarefa que envolve a participação de diversas Unidades de pesquisa. A previsão é que em 2017 dois novos híbridos sejam lançados pela Empresa.

"Essas cultivares novas deverão atender as demandas dos diferentes sistemas de produção, nível tecnológico adotado pelos produtores, condições de clima e solo e problemas emergenciais como resistência às principais cigarrinhas típicas de pastagens, além das de cana-de-açúcar, nematoides de vários gêneros e percevejo castanho", reforça o melhorista Sanzio Barrios, pesquisador da Embrapa Gado de Corte.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada