dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/07/2017            
 
 
    
Sanidade Vegetal      
Controle de psilídeo deve ser intensificado no período de chuvas
Pluviometria elevada colabora com aumento da população do inseto e dos riscos de contaminação de HLB
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Fundecitrus
10/02/2017

Chuvas frequentes como as que ocorreram em janeiro, com média de distribuição em 23 dias do mês, tornam necessária a intensificação do controle de psilídeo Diaphorina citri, inseto transmissor de HLB (huanglongbing/greening), pois colaboram com a ocorrência de um pico no surgimento de brotações nos pomares. Essa fase de desenvolvimento das plantas é a preferida do inseto para se alimentar e reproduzir, o que impacta em maior infestação e contaminação nos pomares.

Em janeiro choveu em média 306 milímetros em todo o parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais, 28% a mais do que a média histórica que é de 239 milímetros, de acordo com informações da Somar Meteorologia. Nesse mesmo período, o Alerta Fitossanitário do Fundecitrus, que monitora o índice de presença do inseto em nove regiões do parque citrícola, apontou a presença de ao menos um psilídeo para cada 10 armadilhas monitoradas pelo sistema e 27% das plantas estão com brotos novos. 

De acordo com o pesquisador do Fundecitrus Renato Bassanezi, os citricultores precisam estar atentos à presença de brotos e de psilídeos no pomar. “O momento é propício para que o psilídeo se multiplique e transmita a bactéria para as plantas, por isso é necessário intensificar o controle”, diz.

Um dos agravantes para essa situação é a diminuição do período residual das pulverizações. Resultados inicias de um estudo do Fundecitrus que está em desenvolvimento apontaram que chuvas a partir de cinco milímetros já afetam a eficiência das aplicações para o controle do inseto. 

“A ocorrência de chuvas todos os dias dificulta a aplicação, tanto no aspecto operacional quanto no efeito, pois lava os produtos. O indicado é que sejam feitas reaplicações logo após um período de chuvas seguidas para não deixar as plantas desprotegidas e assim diminuir as chances de infecção”, afirma o pesquisador do Fundecitrus Marcelo Miranda.

Devido à essa situação e aos dados do Alerta Fitossanitário, o Fundecitrus emitiu alertas de pulverizações conjuntas de 6 a 13 de fevereiro para os citricultores que participam do sistema em todas as regiões monitoradas, com o objetivo de aumentar a eficiência das aplicações e diminuir a incidência do inseto nos pomares.  Para mais informações acesse: http://www.fundecitrus.com.br/alerta-fitossanitario

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Citricultura
Palavras-chave

 
25/07/2017
IV Encontro Regional de Plantio Direto na Palha
Chapecó - SC
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada