dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     24/11/2017            
 
 
    
Fruticultura    
De olho na Mancha-marrom-de-Alternária na tangerina
Momento é oportuno para identificar frutos contaminados pela principal doença fúngica da cultura
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
EPAMIG
21/02/2017

A safra mineira da tangerina Ponkan se aproxima e com ela a expectativa de uma boa comercialização. Este é um momento oportuno para identificar frutos contaminados pela Mancha-marrom-de-Alternária, principal doença fúngica nas plantações de tangerina, que apresenta manchas escuras envoltas por um círculo amarelado.

Esta doença é provocada pelo fungo Alternaria alternata, que se multiplica em condições de alta temperatura e umidade relativa do ar. Este fungo libera uma toxina chamada ACT que, uma vez instalada nos pomares, se dissemina entre as folhas e frutos, tornando o combate ao fungo cada vez mais difícil. Por isso, é recomendável que as práticas de manejo para controle da doença se iniciem com a chegada da estação chuvosa, que nas principais regiões de Minas Gerais, ocorre entre os meses de outubro e março.

De acordo com informações da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), a incidência da doença é mais comuns nas variedades “Ponkan”, a mais produzida e comercializada, além da “Murcote”, “Dancy’, “Fortuna” e “Lee. A pesquisadora Ester Ferreira alerta que além da possibilidade de plantar cultivares resistentes a este fungo, existem práticas de manejo específicas para cada período do ano, como evitar excesso de adubação com Nitrogênio, realizar tratamento de inverno e pulverizar periodicamente com produtos químicos. Neste último, é recomendável realizar esse procedimento no início das brotações, no florescimento e frutificação, período em que os pomares estão vulneráveis à doença. "É importante que o produtor esteja atento e programe o manejo que irá utilizar durante o ciclo da cultura. Quem não atentou para um bom controle, provavelmente terá prejuízos com perdas na produção os frutos contaminados, que podem perder valor comercial", ressalta.

José Maria, produtor de tangerinas em Campanha, no Sul de Minas, conta sua experiência no combate à doença. “O controle feito nas plantações é importante para que o fruto seja comercializado em boas condições de consumo. Faço uso de produtos químicos, que são aplicados no intervalo de duas a três semanas”.

É possível obter mais informações sobre a Mancha-marrom e os cuidados devidos na Circular Técnica "Mancha-marrom-de-Alternária em tangerineiras e seus híbridos" (nº 244), disponível no site da EPAMIG, no menu publicações.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada