dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     29/04/2017            
 
 
    

http://www.diadecampo.com.br/arquivos/image_bank/especiais/Virginia_de_Souza_Alvares_ARTIGOS_201732714551.jpg

A fruticultura é um dos setores mais relevantes para o agronegócio brasileiro, que gera oportunidades de emprego e renda, além de estimular a industrialização. Segundo dados do Serviço Nacional de Apoio a Micro e Pequena Empresa (SEBRAE, 2015), em 2013 o Brasil foi o terceiro maior produtor de frutas no mundo, ficando atrás apenas da China e Índia, o que mostra a relevância do setor para a economia brasileira. Em 2014, a produção de frutos superou 39 milhões de toneladas e apresentou valor bruto total de R$ 25,4 bilhões conforme informações do banco de dados Agregados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2016).

Ainda de acordo com esse banco de dados, a região Amazônica no mesmo ano respondeu por 7,34% do total de frutas produzidas no Brasil. Embora a participação possa parecer reduzida em termos percentuais, a região proporcionou uma receita de R$ 2,7 bilhões para uma produção de 2.928.040 toneladas de frutas, obtida em uma área de 226.178 ha. Os estados com maior produção de frutas nessa região foram o Pará (52,09%) e o Amazonas (10,67%), com destaque para a produção de banana e abacaxi no Pará e melancia e abacaxi no Amazonas. Já os estados do Amapá (1,47%), Rondônia (4,60%), Acre (5,02%), Roraima (5,37%), Maranhão (6,22%), Mato Grosso (6,34%) e Tocantins (8,22%) tiveram menor participação.

Analisando os dados do IBGE (2016) percebe-se que embora a produção brasileira, em 2014, tenha tido um leve decréscimo em relação a 2013 (0,76%), alguns estados amazônicos mantiveram um crescimento considerável da produção nesse período. Exemplo disso são os estados de Rondônia e Acre com aumentos de 19,5% e 24,3%, respectivamente, em relação a 2013, sendo a banana o fruto de maior destaque nessa tendência, além do abacaxi para Rondônia. Adicionalmente, tiveram incrementos na produção de frutas, em 2014, os estados de Roraima e Mato Grosso, que merecem atenção e incentivos de continuidade na produção. Já o Amapá se manteve sem redução na produção de frutas nessa análise.

Em uma análise da expansão da fruticultura na Amazônia entre os anos de 2004 e 2014, observaram-se acréscimos consideráveis na produção, como os de 233% no Amapá e 229% em Roraima, enquanto o crescimento de frutas no Brasil foi de apenas 1,7% (IBGE, 2016). Nesse mesmo período, esses dados apontam que a produção de outros estados cresceu, embora com menores proporções, como Acre (71%), Rondônia (27,4%), Tocantins (14,97%), Mato Grosso (13,17%) e Pará (3,16%). Apenas Maranhão e Amazonas tiveram decréscimo da produção de frutas nesse período, com queda de 23,23% e 22,91%, respectivamente, sendo a banana a principal responsável por essa redução.

Para alguns estados amazônicos, as perspectivas são ainda melhores na previsão de safra do IBGE para 2015 e 2016, mesmo considerando apenas cinco frutas produzidas na região (abacaxi, banana, castanha-de-caju, coco-da-baía e laranja). Isso porque, segundo dados de previsão, quatro estados amazônicos terão crescimento na produção de frutas, principalmente Tocantins com a marca elevadíssima de 86,5% (2016 em relação a 2014), além de Amazonas (33,6%), Acre (23,9%) e Roraima (17,55%), totalizando 155.800 toneladas se forem considerados somente os estados que tiveram incremento da produção. Esses resultados poderão ser concretizados, especialmente, devido ao aumento na produção de abacaxi em Tocantins e de banana para os demais estados. Contudo, o Amazonas se destacou com relação a esse total (155.800 t), sendo o grande responsável pelo sucesso da região e também pelo aumento na produção de banana.

Ao analisar o banco de dados Agregados do IBGE em relação à evolução da produção e incremento no valor bruto da extração de frutas nativas da Amazônia, que constituem alternativas potenciais para industrialização local e com grandes possibilidades de expansão de comercialização nacional e internacional, destaca-se o desempenho do guaraná e do açaí, por apresentarem grande potencial de exploração comercial. Já os demais produtos, como o cupuaçu, o cajá e a pupunha (frutos), dentre muitos outros, provavelmente por possuírem pouca expressão econômica nacional, embora tenham excelentes características nutricionais e de sabor e aroma, não fazem parte da estatística nacional e não têm despertado maiores interesses comerciais. Nesse contexto, o guaraná alcançou uma produção de 3.588 toneladas de sementes produzidas em 2014, sendo o Amazonas o segundo produtor nacional, com 624 toneladas, atrás do Estado da Bahia, com 2.691 toneladas.

A produção dos estados da Amazônia Legal (restritos, nesse caso, principalmente ao Amazonas, mas também ao Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre) já corresponde a 25% de todo o guaraná produzido no Brasil (IBGE, 2016). O País é o único do mundo a produzir guaraná em escala comercial com praticamente toda a produção nacional consumida no mercado interno. De acordo com a literatura, cerca de 70% são absorvidos pela indústria de refrigerantes, aproximadamente 15% são industrializados para a venda na forma de bastão e o restante na forma de xarope, pó ou extrato para exportação e para a indústria farmacêutica. Segundo dados do IBGE, o açaí é um produto tipicamente amazônico, já que, por exemplo, em 2014, 100% da produção do Brasil foi oriunda de estados da Amazônia Legal, sendo 55,4% do Pará, 33,6% do Amazonas, 7% do Maranhão e os demais com 4% da produção total.

A fruticultura na Amazônia é uma opção interessante de incremento de renda para os agricultores rurais e desenvolvimento da agropecuária, que alia diversificação com manutenção da biodiversidade local. Estados que são emergentes na produção de frutas como Pará e Amazonas, em contraposição às dificuldades de logística no escoamento da produção, baixo acesso a insumos de custo reduzido, baixo nível tecnológico, falta de experiência/tradição dos agricultores locais, limitações ambientais para algumas espécies, dentre outros fatores, podem transferir tecnologias e conhecimentos adquiridos para outros estados amazônicos com menor produção. Esses últimos merecem maiores estudos no tema a fim de aumentar a produção, com a finalidade de reduzir a importação de frutas de outras regiões, gerando emprego e renda para os agricultores locais, além de diminuir custos para os consumidores.

Considera-se, enfim, que a ascensão da fruticultura na Amazônia, embora possua potencial, enfrenta também enormes desafios a serem alcançados, a começar pela necessidade da domesticação de frutas nativas que possuem maior adaptabilidade às condições ambientais da região. É possível produzir frutas na Amazônia, com qualidade e em quantidade satisfatória. Os dados de produção comprovam por si e são um bom começo para auxiliar no desenvolvimento da agricultura da região.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Fruticultura
Palavras-chave

 
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
16/05/2017
AgroBrasília 2017
Brasília - DF
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada