dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     16/08/2017            
 
 
    
Solo    
Cobertura morta entre as linhas de café: uma alternativa de conservação de água e solo
Agricultores utilizam a cobertura morta nas lavouras de café em propriedade no Espírito Santo
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Luciana Silvestre Girelli, Incaper
19/04/2017

Deixar o solo das lavouras de café completamente limpo não é a melhor opção para manter o cafezal bem nutrido e evitar perdas na produção em decorrência do déficit hídrico. A utilização de cobertura morta com recursos internos da propriedade pode ser uma excelente alternativa para manter a conservação do solo e ampliar a infiltração de água.

No município de São Gabriel da Palha (ES), agricultores têm seguido a recomendação do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e obtido resultados satisfatórios. A família do senhor Zilto Acerbi, da comunidade de São Jorge da Barra Seca, possui 15 hectares de café e utiliza a cobertura morta em sua lavoura. São utilizados restos vegetais da poda e da desbrota do café, assim como a palha gerada no processo de beneficiamento do produto.

Segundo Edney Acerbi, filho do proprietário, eles utilizam a cobertura morta há alguns anos e os resultados são muito benéficos. “De primeira mão, percebemos os efeitos no solo. Passamos a trabalhar com um solo muito mais enriquecido e a incorporação da matéria orgânica ficou visível. Dessa forma, há menos necessidade de adubação e a absorção de água é maior. É possível ver o resultado na planta a cada renovação da cobertura morta.

Uso dos recursos internos da propriedade
O engenheiro agrônomo do Incaper e extensionista João Luís Perinni explicou que a cobertura morta é qualquer resto vegetal que você coloca na lavoura. “Na maioria das propriedades, utilizam-se os recursos internos disponíveis no local, a fim de não gerar custos”, falou.

Perinni informou que na região Norte do Estado usa-se muito a palha do café, resíduo que não pode ficar nas unidades de secagem e precisa de destinação correta por questões ambientais. Outro resíduo gerado de forma bastante elevada são os da poda ou desbrota do café. “Tanto a poda quanto a desbrota geram, naturalmente, muitos resíduos que podem ser distribuídos no meio da lavoura”, falou.

Além de proteger o solo e economizar água, a cobertura morta proporciona a reciclagem de nutrientes no solo. “A planta absorve nutrientes do solo, que são devolvidos por meio da casca do café e dos restos vegetais, que se decompõem e fornecem novos nutrientes para as plantas. Com isso, você vai ter uma proteção do sistema radicular e consequentemente uma nutrição melhor para o seu cafeeiro”, explicou o extensionista.

Ele acrescentou que o produtor deve verificar, por meio de análise de folha e solo, se há necessidade de complementação de nutrientes. “Um dos benefícios da cobertura morta é que a matéria orgânica ajuda a diminuir o investimento do produtor em adubo”, ressaltou João Luís.

Alternativa para enfrentamento da seca
O agricultor Edney Acerb disse que no período de longa estiagem pela qual passou a região Norte do Espírito Santo houve grande mortalidade de plantas e queda na produtividade das lavouras. As lavouras dessa família, porém, mantiveram e até superaram a produtividade em relação a dos agricultores que não utilizam a cobertura morta.

“Tivemos que restringir o uso da irrigação devido à seca, mas nossas lavouras superaram as expectativas e o resultado foi muito bom principalmente nos solos mais protegidos”. A produtividade de suas lavouras cafeeiras no período de seca foi de 70 a 80 sacas por hectare. Em um ano normal, a produtividade nessa propriedade chegou a 145 sacas por hectare.

“Os solos da nossa região foram erodidos e a capacidade de infiltração de água reduziu muito. Por isso, é importante colocar cobertura morta ou cobertura viva e fazer alguma proteção desse solo para que a chuva não escorra e se perca. A água infiltrada vai abastecer o lençol freático, o qual vai dar perenidade às nascentes”, explicou João Luís.

Ele destacou o trabalho de conscientização dos agricultores em relação à conservação de água e solo realizado pelo Incaper na região Norte do Estado, profundamente atingida pela crise hídrica nos últimos três anos. “Os produtores achavam que tinham que deixar o solo das lavouras limpo igual ao quintal da própria casa. Isso foi acabando com a infiltração da água. Porém, é preciso entender que mato no meio do café é totalmente diferente de café no meio do mato. Tem que ter mato no meio do café. Se o agricultor mantiver o mato baixo, controlado só traz benefícios para a lavoura”, explicou João Luís.

Implantação da cobertura morta
O agricultor Edney Acerb, que utiliza os 13 clones da variedade Vitória desenvolvida pelo Incaper, explicou o passo a passo da implantação da cobertura morta nas suas lavouras de café. “Após a colheita, o grão é levado até o secador, onde ocorre o beneficiamento do café. A palha gerada nesse processo retorna para a lavoura e é espalhada nos trilhos do cafezal após o final da colheita, quando também ocorre a poda. Os galhos que não serão utilizados na próxima safra e os brotos retirados dos pés de café durante o ano são descartados no meio da lavoura”, explicou Acerb.

Ele disse que, logo no início, o agricultor pode achar que essa dinâmica dá mais trabalho. Porém, para quem já faz isso há algum tempo facilita o trabalho. “A lavoura fica bem nutrida, brota menos e adoece menos. Sendo assim, usa-se menos agrotóxico e adubação. Eu vejo pelas minhas análises de solo que a cada ano os resultados são melhores. Além disso, você protege o solo de uma erosão”, registrou Edney.

Mais informações sobre cobertura morta e outras técnicas de conservação de água e solo podem ser obtidas por meio dos Escritórios Locais de Desenvolvimento Rural do Incaper em cada um dos municípios capixabas.

Clique aqui e acesse o vídeo dessa tecnologia.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada