dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     21/11/2017            
 
 
    
Nutrição Vegetal      
Novo fertilizante nitrogenado diminui o consumo de ureia
Parceria Embrapa/Esalq-USP desenvolveu o produto
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Carlos Dias, Embrapa Solos
02/10/2017

Tecnologia desenvolvida pela Embrapa Solos (Rio de Janeiro, RJ) em parceria com a Esalq/USP (Piracicaba, SP) pode gerar grande economia na compra de ureia pelos produtores rurais. Vale lembrar que a ureia é o fertilizante mais utilizado na agricultura brasileira como fonte de hidrogênio. O ‘fertilizante nitrogenado com aditivos incorporados aos grânulos' será lançado durante a ESALQSHOW, que acontecerá em Piracicaba, nos dias 10 e 11 de outubro.

A inovação da tecnologia é que os inibidores de urease, que evitam a transformação do nitrogênio presente no fertilizante em amônia gasosa ou em nitrato, em vez de estarem aplicados ao redor do grânulo do produto estão, agora, incorporados ao grânulo. Os produtos foram desenvolvidos no laboratório da Embrapa e os testes (volatilização de nitrogênio) foram realizados na ESALQ, no Departamento de Ciência do Solo.

“Desenvolvemos essa tecnologia porque o fertilizante nitrogenado é caro, em grande parte, importado e, mais de 40% é perdido para a atmosfera ou para a água quando aplicado no campo” revela o chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Solos, José Carlos Polidoro. “Os inibidores de urease são conhecidos há bastante tempo, com sua incorporação aos grânulos conseguimos aumentar sua eficiência. Assim sendo, a vantagem competitiva do produto para a indústria é grande, já que ele utiliza um inibidor conhecido, em menor dose”.

A tecnologia, desenvolvida no âmbito da Rede FertBrasil (grupo de pesquisa em fertilizante na Embrapa), está disponível no centro de pesquisa carioca. Vale lembrar que o ‘fertilizante nitrogenado com aditivos incorporados aos grânulos’ é de fácil fabricação, sem necessidade de grandes adaptações nas instalações das fábricas interessadas em produzi-lo.

“Com base no conhecimento da dinâmica do nitrogênio proveniente da aplicação da ureia no solo, este fertilizante se insere num contexto estratégico e econômico da busca de maneiras para minimizar as perdas deste nutriente”, diz Polidoro. Os inibidores de urease (NBPT, H3BO3, Cu) proporcionam menor perda de nitrogênio por volatilização e lixiviação e, consequentemente, produtos com esses inibidores apresentam maior eficiência agronômica em relação à ureia perolada e aos fertilizantes comerciais revestidos com esses mesmos aditivos.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Fertilizantes
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada