dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     24/06/2019            
 
 
    
Agroenergia    
Embrapa lança sistema de produção de cana-de-açúcar para o RS
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Francisco Lima, Embrapa Clima Temperado
31/10/2017

Nesta segunda-feira (30), durante a 6ª Reunião Técnica da Agroenergia e o 9º Simpósio de Energia e Meio Ambiente, a Embrapa Clima Temperado (Pelotas, RS) lançou a publicação “Sistema de Produção da Cana-de-açúcar para o Rio Grande do Sul”, com orientações sobre todos os aspectos ligados à cultura. “Fala tudo, desde a escolha da área, do solo, das variedades, chegando até a parte da agroindústria. Pelo que conheço de cana no Brasil, é o primeiro sistema de produção completo sobre a cultura”, explica o pesquisador responsável, Sérgio dos Anjos.

A publicação é resultado de dez anos de pesquisa e atende a uma demanda dos produtores gaúchos. Segundo o pesquisador, a cana movimenta cerca de 53 milhões de reais só no Rio Grande do Sul, sendo a 11ª cultura em importância socioeconômica. E, apesar de ser associada à produção de etanol no país, no Estado está tradicionalmente ligada às propriedades familiares. Da cana derivam produtos como melado, açúcar mascavo, rapadura e cachaça.

A publicação já está disponível em pdf e também pode ser adquirida em versão física na Embrapa.

Produção de cachaça
Durante o primeiro dia do evento, um dos pontos altos foi a produção de cachaça. O Estado é o terceiro maior produtor do país e o segundo em exportação. De acordo com o empresário rural responsável por uma cachaçaria no município gaúcho de Harmonia e um dos palestrantes, Leandro Hilgert, alguns produtores chegam a produzir 300 mil litros por ano. Uma tonelada de cana gera, em média, 600 litros de caldo, resultando em torno de 60 litros de cachaça de qualidade.

Segundo o empresário, o Estado possui cerca de 30 agroindústrias legalizadas e perto de quatro mil clandestinas. Essa informalidade, juntamente da falta de mão-de-obra, do preconceito à cachaça, e da alta tributação são, para ele, os principais desafios para a atividade. “Outras cachaçarias não são minhas concorrentes, são minhas parceiras. Meu concorrente hoje é a cachaçaria clandestina e a aguardente de cana”, afirma. Da pesquisa, ele espera apoio para a colheita em pequena escala, hoje feita de forma manual.

Energia distribuída

Outro tema importante debatido foi a energia distribuída – quando os consumidores ou geradores de pequeno porte produzem e colocam energia na rede. De acordo com o especialista em energia eólica de uma empresa do setor, Maurício Rutz, os benefícios desse tipo de produção são a diversificação da matriz produtiva, a minimização de perdas em transmissão e distribuição, a diminuição de investimentos para expansão dos sistemas e o aproveitamento de recursos locais.

O modelo chegou ao Brasil em 2004, apenas para empresas. Mas, desde 2012 a microgeração e a minigeração passaram a ser permitidas, com compensação de crédito por meio da injeção de energia nas concessionárias. Ao todo, segundo dados da Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o país conta com mais de 10 mil conexões, sendo o Rio Grande do Sul o terceiro estado mais conectado, com 1,8 mil pontos. A geração total de energia é de 115 megawatts (MW), atendendo cerca de 12 mil beneficiários. Em torno de 90% dessa energia é produzida em sistema fotovoltaico (solar).

No evento, o secretário adjunto de Minas e Energia do Rio Grande do Sul, José Francisco Pereira Braga, apresentou um panorama do setor elétrico no Brasil e no Estado. Para ele, a energia distribuída é um dos principais desafios para o Estado.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada