dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     21/11/2017            
 
 
    

http://www.diadecampo.com.br/arquivos/image_bank/especiais/Marcos_novembro_17_ARTIGOS_2017117142913.jpg

Nos últimos 20 anos, tem se falado muito sobre a necessidade de adoção de medidas que viabilizem o uso sustentável dos recursos hídricos no país. Fóruns de discussão técnico-científicos têm abordado sistematicamente sobre a urgência nas ações de proteção dos mananciais, tanto superficiais quanto subterrâneos.

Programas de Educação Ambiental nos âmbitos municipal, estadual e federal, têm se multiplicado pelo país afora, aliados a tantos outros sobre “recomposição de vegetação de mata ciliar”, “recuperação/proteção de nascentes” e “produtor de água”, além ainda, daqueles relacionados à construção de açudes, barragens e reservatórios, estes principalmente nas regiões de baixo índice pluviométrico ou semiáridas.

No entanto, na prática, o conjunto de programas citados não tem se traduzido em resultados de alto impacto positivo, salvo algumas exceções, uma vez que os problemas relacionados não só à deficiência de cobertura vegetal, tanto junto às nascentes quanto nas faixas de matas ciliares, como também à escassez e ao déficit hídrico continuam de modo persistente.

Não se trata aqui de uma análise crítica aos programas existentes do ponto de vista conceitual e metodológico, mas de uma reflexão sobre como dimensionar e resolver ou, pelo menos, minimizar o problema hídrico que tende a se agravar com o aumento da população e com as mudanças climáticas em curso em todo o Planeta. Aliás, esse cenário é endossado pela existência de um desequilíbrio entre o contingente populacional e a disponibilidade hídrica, afetando praticamente todo o país. Somente a região Norte ainda apresenta algum conforto, diante da oferta considerável de água para a população, considerando apenas o aspecto quantitativo, seguida de parte da região Centro-Oeste. As demais regiões do país, apresentam alta vulnerabilidade quanto à escassez de água para consumo.

Associado ao problema da escassez de água, existe um consumo desequilibrado entres as atividades que mais demandam água – agricultura irrigada, indústria e uso doméstico, aliado ainda a grandes desperdícios, principalmente no processo de distribuição nos centros urbanos. Aproximadamente 72% de toda a água potável ou em condições de ser tratada para consumo humano é utilizada para irrigação, enquanto as atividades industriais consomem cerca de 18% e o uso doméstico cerca de 10%, de acordo com relatório da ANA (2013).

A sustentabilidade desse consumo nas três atividades citadas passa, necessariamente, pelo reuso da água em duas delas - industriais e domésticas e pela consolidação das áreas de proteção de nascentes/matas ciliares, aliadas ao manejo racional do solo e da água no meio agrícola. No entanto, na prática, não se pode dizer que a irrigação consome 72% de água disponível para consumo, pois existe um volume significativo, quantificado a partir do balanço hídrico, que recarrega o lençol freático e assim retorna ao ambiente contribuindo para a formação de diversas nascentes d’água.

De qualquer modo, o conjunto de cenários expostos, remete pois a uma ação coordenada e integrada por parte dos gestores ambientais, públicos e privados. Só assim, o país conseguirá enfrentar os desafios da restrição hídrica que já se iniciou e que deverá se intensificar nas próximas décadas.

Fonte:
Recursos hídricos no Brasil: problemas, desafios e estratégias para o futuro / José Galizia Tundisi (coordenador). – Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 2014. 76 p.: 25 cm.

Relatório de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil 2013 disponível em:

http://arquivos.ana.gov.br/institucional/spr/conjuntura/webSite_relatorioConjuntura/projeto/index.html

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Recursos Hídricos
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada