dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     27/06/2019            
 
 
    
Sanidade vegetal  
Manejo e prevenção da ferrugem da soja são desafios para produtor brasileiro
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Lebna Landgraf, Embrapa Soja
20/12/2018

Apesar das condições climáticas desfavoráveis para a infecção da ferrugem-asiática da soja, nas últimas semanas, por causa da seca em algumas das regiões produtoras, o número de focos registrados pelo Consórcio Antiferrugem até o momento (110) é bem maior do que os relatados no mesmo período do ano passado (24 ocorrências de 16 de setembro a 19 de dezembro de 2017).

“Isso está ocorrendo, provavelmente, porque houve condições que favoreceram a manutenção tanto de plantas voluntárias de soja (guaxas ou tigueras), quanto do fungo causador da ferrugem-asiática na entressafra e em várias regiões produtoras as precipitações possibilitaram a semeadura em setembro. Com isso, a ferrugem incidiu mais cedo que em outros anos, e com condições propícias para a sua proliferação”, explica a pesquisadora, Claudine Seixas, da Embrapa Soja.

O elevado custo de controle da ferrugem-asiática e as perdas anuais de produtividade (média de U$ 2,8 bilhões por safra), assim como a constatação de resistência do fungo causador da doença aos fungicidas sítio-específicos e a redução da eficiência desses produtos trazem um alerta a todos os atores envolvidos na produção de soja. “Entendo que a informação qualificada, baseada em resultados de pesquisa, é a melhor ferramenta para que técnicos e produtores tomem as decisões mais acertadas para manejar essa doença, que é um dos maiores desafios fitossanitários para a cultura”, diz o chefe de Transferência de Tecnologias da Embrapa Soja, Alexandre Cattelan.

Para disponibilizar conteúdo amplo e atualizado a Embrapa Soja está incrementando o hotsite “Ferrugem da soja: Manejo e Prevenção”. A plataforma reúne os principais resultados de pesquisa, as informações sobre o manejo, os sintomas e a identificação da doença, a atuação do Consórcio Antiferrugem, publicações, notas técnicas e vídeos com depoimentos de pesquisadores da Embrapa e de parceiros apresentando diferentes abordagens. https://www.embrapa.br/soja/ferrugem

De acordo com o pesquisador Maurício Meyer, da Embrapa Soja, o manejo da ferrugem está ancorado em três estratégias, o uso de cultivares com genes de resistência, medidas legislativas como o vazio sanitário e a calendarização da semeadura da soja e o uso de fungicidas.

Vazio sanitário

A pesquisadora Claudine Seixas explica que o vazio sanitário é o período de, no mínimo, 60 dias sem plantas vivas de soja no campo. “O objetivo do vazio sanitário é reduzir a sobrevivência do fungo causador da ferrugem-asiática durante a entressafra e assim atrasar a ocorrência da doença na safra”, diz Claudine. No Brasil, 13 estados e o Distrito Federal adotaram essa medida, estabelecida por meio de normativas. E, além do Brasil, o Paraguai também estabeleceu o período de vazio sanitário, lá chamado de "pausa fitossanitária".

A pesquisadora explica que o fungo que causa a ferrugem-asiática é biotrófico, o que significa que precisa de hospedeiro vivo para se desenvolver e multiplicar. “Ao eliminarmos as plantas de soja na entressafra "quebramos" o ciclo da doença, reduzindo assim a quantidade de esporos (“sementes”) do fungo presentes no ambiente”, diz.

Calendarização da semeadura da soja
Essa medida prevê a determinação de data-limite para semear a soja na safra. É estabelecida por normativas estaduais, em sete estados produtores de soja: Goiás, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Tocantins, Bahia e Mato Grosso do Sul. “O objetivo da calendarização é reduzir o número de aplicações de fungicidas ao longo da safra e, com isso, reduzir a pressão de seleção para resistência do fungo aos fungicidas”, explica Maurício Meyer. Já foram constatados no campo populações menos sensíveis a fungicidas "triazóis", "estrobilurinas" e "carboxamidas".

Segundo Meyer, as semeaduras tardias de soja podem receber populações do fungo já no início do desenvolvimento da lavoura, o que exige a antecipação do uso de fungicidas e demanda maior número de aplicações. “Quanto maior o número de aplicações, maior a exposição do fungo aos fungicidas e maior a chance de acelerar o processo de seleção de populações resistentes a esses fungicidas”, reforça Meyer. “E apesar da contribuição dos fungicidas, a redução da eficiência dos produtos disponíveis no mercado vem sendo observada desde a safra 2007/08 em função da adaptação do fungo”, explica. “E, segundo a indústria química, não há perspectiva de novos princípios ativos de fungicidas nos próximos anos. Por isso, a aplicação dessas medidas restritivas se faz necessária enquanto não houver uma solução definitiva para o problema”, reforça.

Mais informações no hotsite da Embrapa - Ferrugem da soja: manejo e prevenção: www.embrapa.br/soja/ferrugem

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Notícia
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada