dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     29/03/2020            
 
 
    

A manga, principal fruta in natura que o Brasil exporta, tem uma produção crescente. De 2004 a 2008 a produção passou de 950.000 t para 1.155.000 t, representando 21% de aumento. O programa de melhoramento da Embrapa tem como objetivo desenvolver novas cultivares com melhor qualidade de fruto, resistente a pragas e doenças e adaptadas aos diversos ambientes. Entretanto, os objetivos do melhoramento de manga são de longo prazo, devido ao seu longo período juvenil. A cultura de tecidos pode apoiar o programa de melhoramento através da multiplicação rápida dos genótipos de interesse, mantendo a identidade genética e diminuindo o tempo de obtenção de clones para avaliações com várias repetições e em diferentes ambientes. Atualmente, a embriogênese somática é o único método descrito de micropropagação de manga. O método apresenta alguns problemas como a limitação da época de inoculação no meio de cultura ao período de frutificação, longo período para obtenção de embriões somáticos e alto índice de variação somaclonal. O desenvolvimento de protocolos de micropropagação por gemas laterais e ápices caulinares tem sido tentado por diversos pesquisadores, mas ainda sem nenhum sucesso. Os principais problemas são a intensa contaminação endógena dos explantes e a exsudação de fenóis no meio de cultivo. Assim, a Embrapa desenvolveu um projeto que visava obter um protocolo para controlar o desenvolvimento de microorganismos em meio de cultura.

Os resultados demonstraram que para diminuir a contaminação por fungos os explantes precisavam de uma limpeza inicial em água de torneira com detergente neutro, seguido de tratamento em solução de hipoclorito de sódio 1% e Tween 80, finalizando com sonicação de 15 segundo em 500 mg.L-1 Benomyl (Benlate) e suspensão de 30 minutos na mesma solução. No entanto, persistiu o problema de contaminação por fungos. Assim, foram realizados estudos para isolar e identificar os microrganismos que desenvolvem no meio de cultura após a inoculação do explante visando obter um controle melhor da contaminação fúngica.

Os principais gêneros de fungos identificados foram: Curvularia sp., Fusarium sp. e Aspergillus sp., Alternaria sp., Helminthosporium sp., Cladosporium sp., Colletotrichum sp., Gliocadium sp., Penicillium sp. e fungos do grupo de leveduras. Verificou-se também que a contaminação por fungos é proveniente de fragmentos de tecido externos. Com o objetivo de diminuir a quantidade de inóculo desses fungos submetemos as matrizes de Tommy Atkins do campo experimental a tratamentos com diferentes tipos de fungicidas. Foram testados 20 mg.L-1 de Tebuconazole (Folicur 200 CE®), Mancozeb (Manzate 800®) e Procimidona (Sialex 500®). Embora o fungicida Mancozeb (Manzate®) tenha apresentado os menores índices de contaminação, não houve diferença significativa entre os tratamentos. No entanto, sugerimos o tratamento das matrizes com o objetivo de diminuir a quantidade de inóculo de fungos.

Com o intuito de controlar o desenvolvimento dos fungos em meio de cultura foi avaliado o efeito in vitro de fungicidas e de Sulfato de Cobre. Segmentos nodais da cultivar Tommy Atkins foram inoculados em meio MS contendo 2 g.L-1 dos seguintes fungicidas Tebuconazole (Folicur 200 CE® ), Mancozeb (Manzate 800®), Procimidona (Sialex 500®) e Benzimidazol (Derosal®) e testemunha sem fungicida. As análises estatísticas demonstraram que houve diferença significativa no efeito dos fungicidas, e que o princípio Tebuconazole apresentou maior eficiência no controle de fungos. Também foram realizados estudos com concentrações crescentes de sulfato de cobre, variando de 100 a 2.000 vezes a concentração sugerida para meio MS,  e verificamos uma queda na contaminação por fungos, principalmente nos tratamentos de 25 e 50 mg.L-1 de sulfato de cobre, o que seria esperado considerando que o sulfato de cobre é o componente ativo de vários fungicidas comerciais. Com isso, o Tebuconazole passou a ser adicionado ao meio de cultivo juntamente com 25 mg.L-1 de Sulfato de Cobre.

Com o intuito de identificar um substituto para o Benomyl, que não é mais fabricado, foram comparados o efeito dos seguintes fungicidas na descontaminação superficial: 500 mg.L-1 Benomyl (Benlate), 500 mg.L-1 Clorotalonil + Tiofanato-metílico (Cerconil) e 500 mg.L-1 Carbendazin (Derosal). Embora os fungicidas sejam do mesmo grupo químico (benzimidazol) e possuam o mesmo modo de ação (sistêmico), o princípio ativo Carbendazin apresentou o melhor resultado, sendo incorporado ao protocolo de desinfestação superficial.

Por fim, a metodologia foi eficiente para diminuir a contaminação fúngica em meios inoculados com explantes de mangueira e também pode ser utilizada para outras espécies lenhosas, que apresentam dificuldades muito similares para o estabelecimento de protocolos de cultivo in vitro.

Artigo originalmente publicado em 19/08/2010

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Agronegócio
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada