dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     13/10/2019            
 
 
    

    

Quando os colonizadores Ibéricos chegaram a terras americanas, depararam com uma fauna e flora diversa da existente na Europa e outras colônias da África e da Ásia. Juntamente com as famílias de colonizadores, vieram diversas espécies de animais domésticos com a finalidade de auxiliar o homem na sua árdua tarefa de desbravar e assegurar o domínio sobre o "Novo Mundo" que então se descortinava. Dentro dessa premissa, destacaram-se os bovinos, que forneceram couro, leite, carne e trabalho aos nossos antepassados, colaborando sobremaneira para a exploração e desenvolvimento das novas colônias.

Os primeiros bovinos importados para a América chegaram em 1493, na costa norte da ilha então denominada Hispaniola, hoje República Dominicana e Haiti. Todos os bovinos que povoaram a América Latina e o Sudeste dos Estados Unidos vieram nos primeiros anos da colonização e não passavam de mil cabeças. Aqueles bovinos que foram importados direta ou indiretamente da Península Ibérica no período de colonização da América são aqui definidos como gado crioulo. 

A maioria do gado importado era originária do sudeste da Espanha havendo semelhanças fenotípicas entre o gado crioulo e as raças atuais Retinta Andaluza e Berrenda. Entretanto, Colombo embarcou seu gado nas Ilhas Canárias, que havia sido comprado no Norte da Espanha alguns anos antes para trazê-los às Américas. 

A menor distância entre as Ilhas Ibéricas e a América era obviamente, vantajosa. Também foi dessas Ilhas que em 1542 partiu a primeira remessa de gado para a Colômbia e para San Antonio, Texas, em 1731. Portanto, não é surpresa a semelhança entre o gado Crioulo e as atuais raças da Galicia e Asturia do Norte da Espanha. 

A população original de bovinos multiplicou-se, sendo contada aos milhões no início do século XIX passando a povoar toda a América Latina, do Sul dos Estados Unidos até a Patagônia na Argentina, em vários tipos de ambientes e ecossistemas. As relações genéticas entre Texas Longhorn no Norte e o Crioulo argentino no Sul, foram confirmadas por pesquisas com marcadores genéticos com Crioulos argentinos com resultados de um estudo similar realizado na raça Texas Longhorn. 

O gado crioulo da raça Caracu, no Brasil, tem origem e semelhanças com as raças conhecidas como Minhota, Barrosã, Arouquesa e Mirandesa. Todas essas raças são provenientes do Norte de Portugal e a raça Minhota do Norte da Espanha é extremamente semelhante a raça Galicia. A semelhança fenotípica entre as raças naturalizadas do Brasil e da América Espanhola se deve às proximidades geográficas de suas origens.

As informações a respeito da introdução do gado bovino no Brasil, embora haja discordância em relação a datas, dão um roteiro historicamente seguro de como isto ocorreu. Para alguns historiadores as primeiras cabeças de gado bovino foram introduzidas na região Nordeste (Pernambuco e Bahia) em 1535 por Tomé de Sousa, vindas diretamente da ilha de Cabo Verde. 

Segundo Santiago (1960), foi Martim Afonso de Sousa quem primeiro importou bovinos para a capitania de São Vicente em 1534, da qual era donatário, proveniente da Ilha da Madeira e de Cabo Verde. Esses animais eram trazidos juntos com os escravos e trocados por açúcar e outras mercadorias. 

Essas raças chamadas de crioulas, nativas, locais ou naturalizadas deram início ao povoamento dos campos naturais do Brasil, adaptando-se ao novo ambiente. O gado Crioulo formou grandes rebanhos e deu origem a diversas variedades, algumas das quais hoje já foram melhoradas, estando a grande maioria em perigo de extinção
Em 1958, Athanassof descreve 13 raças Crioulas no Brasil, entre elas o Caracu, Igarapé, Pedreiro, Tourino, China, Mocho Nacional, Lageano, Pantaneiro, Junqueira, Franqueiro, Pé-Duro e Malabar. Apenas a raça Caracu não se encontra mais em perigo de extinção. Enquanto algumas raças já se extinguiram como a Igarapé, Pedreiro, Tourino, China, Franqueiro e Malabar, outras como a Junqueira, Mocho Nacional, Pantaneira, Lageano e Pé-Duro encontram-se em perigo de extinção e são conservadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). 

Conforme José Herculano Carvalho, 1985, os primeiros bovinos foram introduzidos no Piauí por volta de 1674, por Domingos Afonso Mafrense, membro da casa d'Ávila, a partir do Rio São Francisco. Esses animais ocuparam inicialmente as regiões dos rios Canindé, Tranqueiras, Piauí e Gurguéia, espalhando-se depois para o Norte. 
Outros tipos que tiveram participação menor na formação do rebanho de origem colonial foram o Caracu, o Turino e o Malabar. Essas raças foram as principais responsáveis pela formação do tipo peculiar de bovinos que, comumente, é denominado no Piauí e no Nordeste do Brasil em geral, como Pé-Duro. Esses Bovinos foram ambientando-se ao calor e a outros fatores adversos, resultando, depois de séculos, em animais muito resistentes e adaptados a essas condições desfavoráveis.

Portanto, os bovinos que habitam o Semiárido do Nordeste brasileiro foram introduzidos através do Rio São Francisco, de onde foram levados para os campos e cerrados de Minas Gerais e Goiás, dando origem ao gado Curraleiro no Planalto Central do Brasil. Para alguns autores, essa raça seria descendente direta da Mirandesa e, mais particularmente, da variedade Beiroa, que, além de Portugal, é encontrada na província espanhola de León. 

Entretanto, parece pouco provável que apenas bovinos mirandeses tenham dado origem ao gado Pé-Duro, mas sim um conjunto de reses de diferentes grupos genéticos, naquela época ainda não estabelecidos como raça. Por meio de seleção natural, predominaram os animais mais aptos a sobreviver e se multiplicar nessas regiões, constituindo assim o gado Pé-Duro.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Renato Alves Machado
12/06/2013 14:12:13
Quantos exemplares da raça Junqueira ainda existem? Outro dia vi na televisão uma expo no Rio Grande do Sul, se não me falha a memória, o que seriam exemplares do Franqueiro morfologicamente muito próximos do Lageano, particularmente acho que a Mertolenga deve ter participado da formação de ambas as raças!Por que não fazer testes de DNA para ter certeza? Quanto ao curraleiro acho possível a participação da maiorquina também na formação da raça já que a semelhança morfológica como o curraleiro e vários outros crioulos sul-americanos é notória.Foi um dos melhores artigos que já li sobre o assunto, parabéns!

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário
Estrobirulina não é agente causador da má formação de espiga
Ao contrário do que se pensava, experimentos mostram que o uso de produtos à base de estrobirulina podem não ter relação com a ocorrência da síndrome
Época é ideal para adubação em pastos recuperados
Dentro da programação para recuperar pastagens, outubro e novembro são meses em que o produtor deve fazer a adubação
Transgenia em trigo encontra dificuldades
Constituição genética complexa e questões culturais e religiosas são barreiras para transgenia em cereais de inverno
Nova cana tem até 18% a mais de sacarose
Variedades mais produtivas chegam ao mercado, para o Centro-Sul, com boa adaptação à colheita mecânica
Manejo correto começa cedo
Cura do umbigo requer cuidados e tratos específicos
Um mal silencioso
Prejuízos com a cisticercose bovina chegam a 50% do valor do arroba
Produtividade recorde de soja
Produtor do Paraná foi destaque no Fórum Nacional
Cultivo racional: menos impactos ambientais
É possível desenvolver uma agricultura racional usando produtos convencionais
Qualidade ambiental da bacia do rio Japaratuba
Diversas ações compõem a metodologia do estudo, em busca de uma ferramenta de avaliação dos corpos d’água
A origem do bovino da Raça Pé-Duro
Todos os bovinos que povoaram a América Latina e o Sudeste dos Estados Unidos vieram nos primeiros anos da colonização e não passavam de mil cabeças
Boa nutrição é importante para controlar doenças bovinas
Alimentação equilibrada ajuda a combater problemas sanitários como tristeza parasitária, brucelose e até tuberculose
Medidas evitam prejuízos com estresse térmico
Ambiente ventilado, densidade de alojamento adequado e rações especiais podem melhorar desempenho da produção
Novos híbridos de tomate para as cinco regiões do País
Isla lança no mercado dez cultivares do tipo salada ou saladete com resistência às principais doenças da cultura

Conteúdos Relacionados à: Genética
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada