dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     11/07/2020            
 
 
    

As clostridioses são uma das principais causas de mortalidade dos bovinos em confinamento. O problema é causado por bactérias do gênero Clostridium, sendo que as mais comuns nos bovinos confinados são o botulismo e as enterotoxemias. Além destas doenças, podem ocorrer outras clostridioses como o carbúnculo sintomático (ou manqueira), a gangrena gasosa, o tétano, a morte súbita por clostrídeos e a hemoglobinúria bacilar.

Nos surtos de clostridioses, o que chama a atenção do confinador é a morte de vários animais do lote. Em alguns casos, o proprietário chega a perder mais da metade dos bovinos confinados. 

Morte súbita, abatimento, andar cambaleante, manqueira, paralisia dos músculos dos membros e da mastigação são alguns dos sintomas que podem indicar a presença de uma clostridiose no rebanho. O diagnóstico da doença deve ser feito por um médico veterinário, que levará em consideração, além da sintomatologia, o manejo do rebanho, a origem e a natureza dos alimentos fornecidos, as lesões encontradas na necropsia dos animais e os exames de laboratório. 

Mas o que o pecuarista pode fazer para evitar as mortes por clostridioses? Para responder a esta pergunta, precisamos saber um pouco mais sobre os clostrídeos e como estes micróbios provocam a morte em bovinos confinados.

Os clostrídeos normalmente estão presentes no solo, cadáveres, pastagens e tubo digestivo dos animais, mesmo em bovinos sadios. Como estes micróbios podem desenvolver esporos resistentes, são capazes de permanecer em áreas contaminadas durante muitos anos. As bactérias responsáveis pelas clostridioses produzem toxinas que são as causadoras dos sintomas e lesões nos animais afetados. Estas toxinas podem ser produzidas dentro do próprio animal afetado, como acontece nas enterotoxemias, ou externamente, como ocorre no botulismo.

Nos confinamentos, as toxinas do botulismo são ingeridas com os alimentos fornecidos aos bovinos como a silagem. Na silagem, a toxina do botulismo pode estar associada à presença de cadáveres de pequenos animais ou a áreas de putrefação próximas a furos na lona que criam condições ideais para a multiplicação do Clostridium botulinum  e formação de toxinas.

Nas enterotoxemias, os clostrídeos envolvidos são outros: o Clostridium perfringens e o Clostridium sordellii. Estes micróbios, ingeridos com alimentos ou água, podem ser encontrados no estômago e intestino dos bovinos sadios sem produzir qualquer alteração no animal, pois os outros microorganismos, presentes normalmente no tubo digestivo dos bovinos, evitam uma multiplicação excessiva dessas bactérias. Além disso, o próprio movimento dos alimentos no tubo digestivo ajuda a eliminar as toxinas produzidas por estes clostrídeos. No entanto, se ocorrer uma estase intestinal (paralisia do intestino) ou uma alteração na flora digestiva, os clostrídeos citados podem multiplicar-se excessivamente até provocar uma enterotoxemia.

As enterotoxemias não são doenças contagiosas. A contaminação dos animais por clostrídeos não é suficiente para causar a doença. Nestes casos, a clostridiose é desencadeada por uma multiplicação excessiva dessas bactérias no estômago ou no intestino dos bovinos devido a fatores ligados ao animal e ao meio ambiente, principalmente o manejo e a alimentação. Como todos os animais do rebanho são submetidos aos mesmos fatores de risco, as enterotoxemias podem provocar a morte simultânea de vários bovinos em um mesmo lote. Mudanças bruscas do tipo de alimentação, sobrecarga alimentar, rações ricas em proteína e carboidratos de fácil fermentação são alguns dos fatores de risco associados a surtos dessa doença em bovinos confinados.

Os clostrídeos, presentes normalmente no solo e tubo digestivo dos animais, são bactérias extremamente resistentes: não é possível, portanto, eliminá-los das fazendas contaminadas. Por outro lado, no dia-a-dia de uma fazenda, é difícil controlar todas as mudanças de alimentação e manejo do rebanho suscetíveis de desencadear uma enterotoxemia. Assim, a prevenção das enterotoxemias baseia-se na aplicação de vacinas. 
 
Prevenção de mortes por enterotoxemia

No mercado brasileiro existem muitas vacinas monovalentes e polivalentes contra clostridioses.  As vacinas monovalentes (contra o carbúnculo sintomático) são produzidas apenas com um clostrídeo, o Clostridium chauvoei, não protegendo, portanto, contra a enterotoxemia. Só vacinas polivalentes formuladas com o Clostridium perfringens e o  Clostridium sordellii  é que podem  garantir uma proteção adequada do rebanho contra a enterotoxemia.  Como a doença é causada pela absorção de toxinas produzidas por clostrídeos presentes no tubo digestivo, só  vacinas produzidas com grandes quantidades de toxinas mortas, chamadas toxóides, são eficazes. Vacinas formuladas apenas com bactérias mortas de clostrídeos, chamadas bacterinas, não protegem contra a enterotoxemia.

É possível saber se uma vacina tem a quantidade de toxóides suficiente para proteger o rebanho contra a enterotoxemia através de sua titulação em animais de laboratório. Titulação é uma técnica que permite ao laboratório fabricante conhecer e padronizar a quantidade de toxóides de uma vacina. Esse trabalho assegura que o produto não sofreu variações em sua eficácia durante o processo de fabricação e atende às normas exigidas por organizações internacionais para a aprovação de uma vacina contra clostridioses. 

Portanto, só vacinas polivalentes formuladas com toxóides concentrados de  Clostridium perfringens e Clostridium sordellii e  tituladas de acordo com os padrões internacionais  podem garantir ao pecuarista  que  o  seu  rebanho está protegido contra as enterotoxemias.

As vacinas contra clostridioses devem ser aplicadas antes dos animais serem submetidos ao manejo ou alimentação de risco, isto é, algumas semanas antes dos bovinos serem confinados. Além disso, devem ser utilizadas sempre antes do aparecimento da doença e não durante a ocorrência do surto no rebanho, pois após a aplicação da vacina, o organismo precisa de certo tempo para poder produzir os anticorpos que o protegerão contra determinada doença. Durante esse “período negativo de imunidade”, o animal, embora vacinado, não está protegido contra as toxinas dos micróbios cau

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
maria angelica b. gama
20/09/2010 - 08:33
Achei interessante a matÚria. Muito objetiva. Entretanto gostaria de saber com que tipo de medicamento pulverizo o local onde estß localizado os ossos de animais mortos no pasto. Se Ú que existe algum. Pensei no cal e no enxofre. For favor me tirem essa duvida.
Grata
angelicabonatogama@yahoo.com.br

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Sanidade Animal - Artigos já Publicados

Sanex
Ambiência: uma preocupação da avicultura brasileira
16/02/2012

Ourofino
A importância do consumo da carne vermelha
02/02/2012

Sanex
Criação de bezerras: Como prevenir diarreias e melhorar resultados com o uso de eletrólitos
05/01/2012

Sanex
O uso dos eletrólitos na produção de aves
01/12/2011

Ourofino
Novos desafios da produção leiteira
24/11/2011

Sanex
Ácidos orgânicos e Salmonella
06/10/2011

Ourofino Agronegócio
Doença respiratória de bovinos
20/09/2011

Sanex
Práticas de acidificação em água e ração
30/08/2011

Ourofino Agronegócio
Confinamento bovino
09/08/2011

Ourofino Agronegócio
Febre do leite
12/07/2011

Ourofino
Boas práticas de vacinação
19/04/2011

Ourofino
Berne/Dermatobiose (Dermatobia hominis)
01/03/2011

Ourofino Agronegócio
Stomoxus calcitrans: mosca dos estábulos
19/01/2011

Novartis
Efeitos das parasitoses sobre a reprodução bovina
17/01/2011

Ourofino
Boas práticas de ordenha
07/12/2010

Novartis
Mosca-do-estábulo: problema em área rural
05/11/2010

Ourofino
Um mal silencioso
25/10/2010

Novartis
Controle do carrapato: por que se deve “quebrar” as gerações?
01/10/2010

Ourofino
Controle estratégico da verminose dos bovinos
23/09/2010

Syntec
Utilização de maleato de acepromazina em laminite
08/09/2010

Novartis
O médico veterinário e a área comercial
02/09/2010

Merial Saúde Animal
Controle parasitário em bovinos leiteiros - Parte II
01/09/2010

Ourofino
Planejamento e organização de medicamentos contribuem no combate às doenças no rebanho
25/08/2010

Ourofino
IATF: um atalho para maior produtividade
12/08/2010

Merial
Programa de Controle Parasitário Estratégico Integrado das Parasitoses
11/08/2010

Syntec
Importância da gentamicina no tratamento de mastite em búfalas
10/08/2010

Novartis
Problemas causados por roedores em áreas rurais
30/07/2010

Syntec
Importância da diarreia em bezerros
28/07/2010

Ourofino
Pneumonia Bovina
21/07/2010

Tortuga
Produção de volumoso
19/07/2010

Novartis
O teste de sensibilidade aos carrapaticidas e suas vantagens
12/07/2010

Vallée
Qualidade do Leite
08/07/2010

Novartis
Produção Animal: Bases Fisiológicas da Produtividade
16/06/2010

Merial
Controle parasitário em bovinos leiteiros - parte I
15/06/2010

Ourofino
Manejo Sanitário na seca: momento decisivo!
08/06/2010

Syntec
Considerações sobre as cirurgias abdominais com equino em posição quadrupedal
02/06/2010

Pfizer
Diarreia neonatal: inimiga do bezerro, prejuízo para o produtor
27/05/2010

Vallée
Intoxicação em animais domésticos
21/05/2010

Merial Saúde Animal
Época da desmama exige cuidados sanitários e de manejo
18/05/2010

Novartis
Resistência aos carrapaticidas: um fantasma recorrente
14/05/2010

Novartis
Problemas causados pelas moscas domésticas na produção animal
11/05/2010

Pfizer
Importância do controle estratégico e integrado de parasitas
07/05/2010

Ourofino
Qualificação no campo contribui para a prevenção da mastite
04/05/2010

Syntec
O que é Síndrome Metabólica Equina?
30/04/2010

Vallée
Uso correto de vacinas e vacinações
23/04/2010

Ourofino
A sanidade no foco das discussões
16/04/2010

Syntec
Artrite infecciosa (Artrite Séptica): Uma ameaça para equinos atletas
12/04/2010

Pfizer
Doenças infecciosas em suínos
07/04/2010

Novartis
Fundamentos da mastite bovina e seus impactos na produção
06/04/2010

Vallée
Como tratar e identificar a Tristeza Parasitária Bovina
30/03/2010

Ourofino
Mastite bovina: Higiene pode evitar a doença
12/03/2010

Pfizer
Controle da coccidiose em aves evita queda de produção
11/03/2010

Syntec
Cesárea em vacas: Sim ou Não?
10/03/2010

Vallée S.A
Manejo do Neonato
08/03/2010

Merial Saúde Animal
Casos subclínicos de mastite podem colocar em risco sanidade do rebanho
24/02/2010

Novartis
Espiroquetose Intestinal Aviária: Uma realidade brasileira
23/02/2010

Ourofino
Um problema ambiental chamado Stomoxys Calcitrans (Mosca dos Estábulos)
15/02/2010

Syntec
Treinamento sob Tranquilização. É possível?
12/02/2010

Pfizer
Selante interno: ferramenta importante no controle da mastite
08/02/2010

Merial Saúde Animal
Manejo e controle sanitário são fundamentais na criação de equinos
04/02/2010

Vallée S/A
Verminoses causam grandes prejuízos ao produtor
30/01/2010

Tortuga
A importância da utilização da oxitetraciclina na clínica veterinária
29/01/2010

Novartis
Efeitos na produção e controle das para das parasitoses bovinas
23/01/2010

Real H
Otimizando a atividade leiteira através da Homeopatia Populacional
19/01/2010

Merial
Controle da Bronquite Infecciosa nos plantéis aviários brasileiros ainda é um desafio
18/01/2010

Pfizer
Doenças reprodutivas causam perdas em gado de corte
08/01/2010

Vallée
Clostridioses em Bovinos
22/12/2009

Novartis
Moscas domésticas: um risco subestimado à produção
22/12/2009

Ourofino
A importância da estação de monta no sistema de produção de bovinos de corte
22/12/2009

Pfizer
Um bom começo
10/12/2009

Merial
Ingestão de colostro pelos leitões é o primeiro passo para uma perfeita resposta imune
09/12/2009

Ourofino
Prejuízo com mosca-dos-chifres no rebanho brasileiro pode chegar a US$ 150 milhões por ano
03/12/2009

Novartis
Medicação via água na Suinocultura
03/12/2009

Pfizer
Inseminação Artificial em Tempo Fixo aumenta produtividade em fazendas
11/11/2009

Merial
Calendário sanitário nas fazendas garante lucro, eficiência e bem-estar animal
23/10/2009

Novartis
A importância do controle das verminoses
23/10/2009

Ourofino
Clostridioses
21/10/2009

Conteúdos Relacionados à: Sanidade Animal
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada