dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     27/11/2014            
 
 
    
Equinos    
Síndrome de cushing provoca obesidade, perda de pelo e laminite
Ainda não se sabe a causa exata da doença hormonal que faz com que a pelagem fique crespa e rala e provoca problemas graves na sua fase crônica
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo
09/09/2010

A síndrome de cushing é uma doença hormonal que ataca o sistema endócrino e causa vários problemas nos equinos que chegam a ser crônicos como a obesidade e a laminite, que é um processo inflamatório no casco. Ela acontece com mais frequência em animais entre 18 e 23 anos e fêmeas até 7 anos de idade. Pode ocorrer em todas as raças, mas acomete principalmente os cavalos-pôneis. Não se sabe ao certo a causa da doença, mas há uma desconfiança de que ela tenha a ver com a linhagem do animal, ou seja, hereditária.

Os primeiros sintomas da síndrome são a alteração na pelagem dos animais que começam a ter pêlos mais longos e crespos, principalmente na área do pescoço e joelhos. Pode haver também perda de peso e sonolência comprometendo a performance dos animais. Segundo o médico-veterinário patologista Luiz Eduardo Ristow, diretor-técnico do Tecsa Laboratórios, com o passar do tempo os cavalos vão perdendo massa muscular e aumentando a deposição de gordura, o que leva à obesidade no estágio crônico da síndrome. Outro grave problema gerado pela síndrome de cushing que ocorre em 50% dos animais com esta anormalidade é a laminite, que é uma inflamação no casco conhecida pelos criadores de cavalo.

— Essa doença não é infecciosa ou infectocontagiosa e ainda se sabe pouco a respeito do que leva ao acometimento dela. A doença pode estar envolvida com algumas linhagens. O que o produtor pode faze é acompanhar os animais para que haja um trabalho de monitoria e periodicamente sejam avaliados pelo veterinário com um hemograma e o exame de AIE. Ela tem como características a obesidade, pelagem rala ou perda de pelo, mudança no apetite, hipersurtismo e laminite. Mais de 50% dos animais apresentam casos de laminite, que é um quadro patológico bastante conhecido dos criadores de equinos — explica o patologista.

Ristow diz que o acompanhamento médico do veterinário é fundamental. Ele diz que não há como indicar uma forma geral de tratamento porque um médico não pode receitar nada sem analisar de perto cada animal. A recomendação é para que o produtor procure um médico-veterinário assim que desconfiar da síndrome de cushing. O ideal é que os animais sejam monitorados com frequência e sempre façam testes médicos. Segundo Ristow, um exame específico dos hormônios pode detectar se o cavalo possui a síndrome de cushing.

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Portal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Portal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
david
21/08/2011 - 18:51
minha egua ela morde o pelo e aranca e fica sem pelo

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Sanidade Animal
Palavras-chave

 
24/11/2014
V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental
Belo Horizonte - MG
05/05/2015
IV SIGERA - Simpósio Internacional sobre Gerenciamento de Resíduos Agropecuários e Agroindustriais
Rio de Janeiro - RJ
23/11/2015
6º Simpósio de Restauração Ecológica
São Paulo - SP

24/11/2014
Curso Aspiração folicular e manipulação de oócitos bovinos
Coronel Pacheco - MG
01/12/2014
18º Curso de Controle Biológico de Pragas da Embrapa
Brasília - DF

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada